Avaliar ou não avaliar, eis a questão: o estado da arte nas pesquisas sobre Avaliatividade em audiodescrição

Autores

Palavras-chave:

Tradução audiovisual Acessível. Audiodescrição. Sistema de Avaliatividade.

Resumo

A Audiodescrição (AD) é, grosso modo, a tradução em palavras das impressões visuais de dado objeto, com o intuito de torná-lo acessível às pessoas com deficiência visual (PcDVs). Consiste não apenas num meio de acessibilidade, mas também numa modalidade de tradução intersemiótica. A literatura não acadêmica sobre AD tem enfatizado ao longo dos anos a necessidade de o audiodescritor produzir roteiros neutros, de modo a não tirar das PcDVs a independência para formarem seus próprios juízos de valor; todavia, os defensores deste critério falham em defini-lo a contento ou demonstrar como produzir um roteiro de AD neutro. Nesse sentido, pesquisadores da Universidade Estadual do Ceará vêm realizando pesquisas empíricas com roteiros de AD para verificar a viabilidade teórica e prática da neutralidade, ancorando-se principalmente no arcabouço teórico-metodológico da Linguística Sistêmico-Funcional, e dentro desta, o Sistema de Avaliativide. O objetivo do presente artigo é apresentar o estado da arte destas pesquisas, relatando o percurso investigativo desde as primeiras pesquisas até o presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Lima Praxedes Filho, Universidade Estadual do Ceará

Atualmente é Professor Associado O (40h/DE) da Universidade Estadual do Ceará. Professor permanente do Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada da mesma universidade. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Lingüística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento/aprendizagem da língua inglesa como língua estrangeira ou segunda língua (teoria cognitivista da interlíngua e teoria sócio-cultural) e demais línguas adicionais, Linguística Sistêmico-Funcional, lexicogramática, oralidade vs. escrita, Teoria da Avaliatividade, Tradução Audiovisual/Audiodescrição.

Daniel Arraes, Universidade Estadual do Ceará

Sou mestrando no Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada (PosLA) da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Trabalho com a interface entre Tradução Audiovisual e Acessibilidade, nas modalidade Legendagem para Surdos e Ensurdecidos (LSE), bem como Audiodescrição (AD) para pessoas com deficiência visual (PcDVs).

Atualmente, desenvolvo uma pesquisa sobre a neutralidade em roteiros de audiodescrição na perspectiva da Linguística Sistêmico-funcional via Teoria da Avaliatividade sob a orientação do Prof. Dr. Pedro Henrique Lima Praxedes Filho.

Referências

ADERALDO, M. F. (2014). Proposta de parâmetros descritivos para audiodescrição de pinturas artísticas: interface da tradução audiovisual acessível e a semiótica social-multimodalidade. 201 f. Tese (Doutorado) – Pós-graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

ALMEIDA, J. M. B. (2015). O roteiro de audiodescrição do filme de curta-metragem 'Águas de Romanza' é neutro?uma pergunta para o sistema de avaliatividade. s/n. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado) – Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

ALONSO, F. (2007). Algo más que suprimir barreras: conceptos y argumentos para una accesibilidad universal. TRANS. Revista de Traductología, Málaga, n. 2, p. 15-30.

BRASIL. (1922). Decreto n. 4.559 de 21 de agosto de 1922. Adquire propriedade plena e definitiva da letra do hino nacional. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-4559-21-agosto-1922-568211-publicacaooriginal-91607-pl.html. Acesso 09 mai 2017.

CÂMARA dos deputados. (2006). Íntegra do discurso presidente da Assembléia Nacional Constituinte, Dr. Ulysses Guimarães. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/CAMARA-E-HISTORIA/339277-INTEGRA-DO-DISCURSO-PRESIDENTE-DA-ASSEMBLEIA-NACIONAL-CONSTITUINTE,--DR.-ULYSSES-GUIMARAES-(10-23).html. Acesso em: 09 mai 2017.

DE COSTER, K.; MÜHLEIS, V. (2007). Intersensorial translation: visual art made up by words. In: DIAZ-CINTAS, J.; ORERO, P.; REMAEL, A. Media for all: subtitling for the deaf, audio description, and sign language. Amsterdam; New York: Rodopi, p. 189-201.

FARIAS JUNIOR. L. (2016). Roteiro de AD em português do filme ‘Ensaio sobre a cegueira’: um estudo descritivo sobre o estilo avaliativo do texto. s/n. 2016. Dissertação (Mestrado) – Pós-graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

HALLIDAY, M. A. K. (1978).Language as social semiotic: the social interpretation of language and meaning. London: Edward Arnold.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. (2014). Halliday’s Introduction to functional gramar. 4 ed. Londres e Nova York: Routledge.

HOLLAND, A. (2009). Audio description in the theater and the visual arts: images into words. In: CINTAS, J. D.; ANDERMAN, G. (Orgs.). Audiovisual translation: language transfer on screen. Hampshire e Nova Iorque: Palgrave Macmillan, p. 170-185.

INGHILLERI, M. (2009). Audiovisual translation. In: BAKER, M.; SALDANHA, G. (Orgs.). Routledge encyclopedia of Translation Studies. London e New York: Routledge, p. 13-20.

JAKOBSON, R. (2000 [1959]). On linguistic aspects of Translation. In: VENUTI, L. (org.). The translation studies reader. Londres e Nova York: Routledge, p. 113-118

JIMÉNEZ, C. (2010). Un corpus de cine. Fundamentos teóricos de la audiodescripción. In: JIMÉNEZ, C.; RODRÍGUEZ, A.; SEIBEL, C.. Un corpus de cine: teoría y práctica de la audiodescripción. Granada: Ediciones Tragacanto, p. 13-56.

LIMA, A. K. F. (2016). A audiodescrição de monumentos de Fortaleza: um estudo sobre o estilo interpretativo da perspectiva da assinatura avaliativa da audiodescritora. 52f. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado) – Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

MAGALHÃES, C. M.; ARAÚJO, V. L. S. (2012). Metodologia para elaboração de audiodescrições para museus baseada na semiótica social e multimodalidade: introdução teórica e prática. Revista Latinoamericana de Estudios del Discurso. v. 12, p. 31-56.

MARTIN, J. R.; ROSE, D. (2007). Working with discourse: meaning beyond the clause. London/New York: Continuum.

MARTIN, J. R.; WHITE, P. R. R. (2005). The language of evaluation: appraisal in English. Hampshire: PalgravreMacmillan.

OLIVEIRA JUNIOR, J. (2016). Desmistificando a neutralidade em AD via sistema de avaliatividade: um estudo exploratório-descritivo sobre a assinatura do audiodescritor de curtas de temática LGBTT. s/n. Tese (Doutorado) – Pós-graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

OLIVEIRA JUNIOR, J.; AUTOR. (2016). A (não)neutralidade em roteiros de audiodescrição-AD de filmes de curta-metragem via sistema de avaliatividade. In: CARPES, D. S. Pesquisas em audiodescrição. Santa Cruz do Sul-RS: Catarse.

PARLATUBEBRASIL. (2015). Dep. Jair Bolsonaro (PP-RJ) apresenta livro didático do kit gay. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=kwHmrkzR6GA. Acesso em: 09 mai 2017.

PERUCCI, G. (2016). Genuinamente brasileira e familiar, a pinga é parte da nossa cultura. Correio Braziliense. 06 fev. 2016. Disponível em: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/turismo/2016/02/06/interna_turismo,516815/genuinamente-brasileira-e-familiar-a-pinga-e-parte-da-nossa-cultura.shtml. Acesso em 09 mai 2017.

PRAXEDES FILHO, P. H. L.; MAGALHÃES, C. M. (2013). A neutralidade em audiodescrições de pinturas: resultados preliminares de uma descrição via teoria da avaliatividade. In: ARAÚJO, V. L. S.; ADERALDO, M. F. (Orgs.). Os novos rumos da pesquisa em audiodescrição no Brasil. 1ed. Curitiba: CRV, p. 73-87.

PRAXEDES FILHO, P. H. L. (2015). Audiodescrições de pinturas são neutras? descrição de um pequeno corpus em português via sistema de avaliatividade. In: PONTES, V. O.; CUNHA, R. B.; CARVALHO, E. P.; TAVARES, M. G. G. (Orgs.). A tradução e suas interfaces: múltiplas perspectivas. Curitiba: CRV, p. 99-130.

REMAEL, A.; VERCAUTEREN, G. (2007). Audio describing the exposition phase of films.Teaching students what to choose.TRANS. Revista de Traductología, Málaga, n. 2, p. 73-93.

SANTOS, S. A.; FARIAS JÚNIOR, L. R.; AUTOR (no prelo). Tendência de assinatura avaliativa: um estudo de caso exploratório em roteiro de audiodescrição de peça de teatro.

SILVA, C. F.; AUTOR. (2014). A (in)existência de neutralidade: um estudo de caso baseado em corpus com roteiros de audiodescrições francesas de filmes via Teoria da Avaliatividade. Letras & Letras. v. 30, p. 367-400.

SNYDER, J. (2008). Audio description: the visual made verbal. In: CINTAS, J. D. (Org.). The didactics of audiovisual translation. Amsterdã e Filadélfia: John Benjamins, p. 191‐198.

STANDARDS FOR AUDIO DESCRIPTION AND CODE OF PROFESSIONAL CONDUCT FOR DESCRIBERS. (2008). Disponível em: https://www.nps.gov/hfc/acquisition/pdf/audio-description/shared/attach-a.pdf. Acesso em 04 abr 2016.

WHITE, P. (2003). Beyond modality and hedging: a dialogic view of the language of intersubjective stance. Text, v. 23, n. 2 (Special Edition on Appraisal), p. 259-284.

Downloads

Publicado

2017-10-20

Como Citar

PRAXEDES FILHO, P. H. L.; ARRAES, D. Avaliar ou não avaliar, eis a questão: o estado da arte nas pesquisas sobre Avaliatividade em audiodescrição. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 2, p. 379–145, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8649528. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains