Banner Portal
Caminhos para um ensino funcional de gramática orientado ao texto: pronomes pessoais e adjetivos em perspectiva intersubjetiva
PDF

Palavras-chave

Ensino de gramática. Pronomes pessoais. Adjetivos.

Como Citar

GONÇALVES-SEGUNDO, Paulo Roberto. Caminhos para um ensino funcional de gramática orientado ao texto: pronomes pessoais e adjetivos em perspectiva intersubjetiva. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 1, p. 139–162, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650766. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

O ensino de língua portuguesa na escola é permeado por um processo contraditório instaurado pelo fato de entender, em consonância com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), que o texto é a unidade básica de ensino de língua, mas de assumir uma abordagem de gramática que ignora, em maior ou menor grau, o estrato semânticodiscursivo. Nesse sentido, buscamos, primeiramente, discutir tal contradição, a partir da perspectiva sistêmico-funcional sobre linguagem (HALLIDAY, 2004), propondo conceber o texto como evento social, comunicativo e interacional, e a língua, como potencial de significado, para, posteriormente, apresentar um caminho inicial para um modelo de ensino funcional de gramática orientado ao texto. Tal modelo visa, explicitamente, a habilitar os alunos a utilizar os recursos léxico-gramaticais em vista dos efeitos semântico-discursivos possibilitados pela sua instanciação no que se refere à produção e interpretação de textos de diversos gêneros. Desse modo, a proposta vincula-se a uma perspectiva que associa a abordagem gramatical ao processo de conscientização linguística (FAIRCLOUGH, 1997). A fim de exemplificar a aplicação da proposta, partiremos da análise de uma propaganda institucional do McDonald’s, veiculada entre fevereiro e março de 2013, e, posteriormente, apresentaremos um roteiro de abordagem pedagógica da intersubjetividade relativa ao uso de pronomes pessoais e de adjetivos.
PDF

Referências

BAKHTIN, M./VOLOCHÍNOV, V. (1992 [1929]). Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 6. ed. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: HUCITEC.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: primeiro e segundo ciclos do ensino fundamental – Língua Portuguesa (1ª-4ª séries). Brasília: Secretaria da Educação Fundamental (SEF)

FAIRCLOUGH, N. (1997). Critical Discourse Analysis: papers in the critical study of language. London and New York: Longman.

FAIRCLOUGH, N. (2003). Analysing Discourse: textual analysis for social research. London: Routledge. GIDDENS, A. (2009). A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 3ª ed.

GONÇALVES SEGUNDO, P. R. (2011). Tradição, dinamicidade e estabilidade nas práticas discursivas: um estudo da negociação intersubjetiva na imprensa paulistana. 2011. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. DOI: http:// dx.doi.org/10.11606/T.8.2011.tde-25042012-161141 Gonçalves-Segundo 162 Trab. Ling. Aplic., Campinas, n(56.1): 139-162, jan./abr. 2017

GONÇALVES-SEGUNDO, P. R. & RIBEIRO, R. B. (2016) Envolvimento e empatia: a solidariedade construída nas colunas de aconselhamento em revistas. Revista do GEL, v. 13, n. 2, p. 211-236. DOI: http://dx.doi.org/10.21165/gel.v13i2.835

HALLIDAY, M. (2004). Introduction to Functional Grammar. London: Hodder Arnold, 3ª ed. Revisado por MATTHIESSEN, Christian.

HASAN, R. (2009). The place of context in a systemic functional model. In: HALLIDAY, M. A. K. & WEBSTER, J. (org.) Continuum Companion to Systemic Functional Linguistics. London: Continuum International, pp. 166-189.

KOCH, P. (1997). Diskurstraditionen: zu ihrem sprachtheoretischen Status und ihrer Dynamik. In: FRANK, B.; HAYE, T. & TOPHINKE, D. (Org.). Gattungen mittelalterlicher Schriftlichkeit. Tubingen: Narr, pp. 43-79.

MARCUSCHI, L. A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial.

MARTIN, J. (1999). Monitoring semogenesis: ‘genre-based’ literacy pedagogy. In: CHRISTIE, F. (org.) Pedagogy and the shaping of consciousness: linguistic and social processes. Cambridge: Continuum International Publishing Group, pp. 123-155.

MARTIN, J. & WHITE, P. (2005). The language of evaluation: appraisal in English. New York/ Hampshire: Palgrave Macmillan.

NEVES, M. H. M. (2007). Texto e gramática. São Paulo: Contexto.

PAULIUKONIS, M. A. (2011). Texto e contexto. In: VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. (org.) Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Editora Contexto, pp. 239-258

SCOLLON, R. & SCOLLON, S. W. (1995). Intercultural Communication. Oxford: Blackwell.

TANNEN, D. (2007). Talking voices: Repetition, Dialogue, and Imagery in Conversational Discourse. New York; Cambridge University Press, 2nd edition.

VAN DIJK, T. A. (2006). Ideologia: uma aproximación multidisciplinaria. Segunda reimpresión. Sevilla: Gedisa Editorial.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.