Português como segunda língua: a escrita de surdos em aprendizagem coletiva Portuguese as a second language: the writing of deaf people in collective learning

Palavras-chave: Surdez, Língua Portuguesa e Libras, Interação

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de descrever e analisar o processo de escrita em Língua Portuguesa, como segunda língua, desenvolvido por participantes surdos em situação de oficinas. Para tanto se propôs um trabalho de produção textual por meio da reescrita coletiva de uma história de aventura, por confabulações entre pares surdos e educadores ouvintes, tendo a Libras como língua de interlocução. Observou-se a evolução dos participantes surdos na organização da escrita, desde a recuperação da sequência lógica por princípios de coesão e coerência, passando pelo estabelecimento da ordem sintática por adequação verbal de acordo com exigências discursivas e textuais, até o despertar para o uso consciente das preposições e dos adjetivos na resolução de questões de comunicação e de narratividade de seus enunciados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Djair Lázaro de Almeida, Universidade Federal de São Carlos

Possui graduação em Odontologia pela Faculdade de Odontologia de Presidente Prudente (1981) e Especialização em Odontopediatria pela Universidade de São Paulo - Bauru (1988). Graduação em Letras pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Bernardo do Campo (1998), Especialização (Lato-Sensu) em Literatura e Semiótica pela Faculdade de Ciências e Letras de São Bernardo do Campo (2000), Mestrado em Educação - Fundamentos da Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2009) e Doutor em Educação Especial pela UFSCar (2017). Tem experiência na área de Letras, atuando na Diretoria de Ensino - Região de São Carlos, como Professor Coordenador do Núcleo Pedagógico - Educação Especial.

Cristina Broglia Feitosa de Lacerda, Universidade Federal de São Carlos

 Graduação em Fonoaudiologia pela Universidade de São Paulo (1984), Mestre (1992) e Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1996). Atualmente é professor Associado I da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Curso de Licenciatura em Educação Especial e no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial- PPGEEs. Experiência na área da Fonoaudiologia, com ênfase em Surdez, e atuação na área educacional desde 1996 com estudos desenvolvidos na perspectiva histórico-cultural e nos pressupostos da abordagem enunciativo-discursiva.

Assessoria a redes municipais de Educação para implantação e acompanhamento de Programa de Educação Inclusiva Bilíngue em Piracicaba, Campinas, São Paulo e São Carlos. Interesse em pesquisa na atuação do Intérprete educacional de Língua de Sinais. Pós-doutorado no Centro de Pesquisa Italiano (CNR/ROMA) em 2003 e na Universitat de Barcelona em 2017. 

Referências

BAKHTIN, M. (1979). Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. 4. ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV, V. N) (1895-1975). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem, 14. ed. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: HUCITEC, 2010.

FRANCHI, C. (1987). Criatividade e Gramática. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, n. 9, p. 5-45.

HOLEINONE, P. (1998). As sete viagens de Simbad: o marujo e outras histórias. Trad. Denise Perrotti. São Paulo: Paulinas.

LACERDA, C.B.F.; LODI, A.C.B. (2014). A inclusão escolar bilíngue de alunos surdos: princípios, breve histórico e perspectivas. In: LODI, A.C.B.; LACERDA, C.B.F. (orgs). Uma escola, duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. 4. Ed. Porto Alegre: Editora Mediação, pp. 11-32.

LODI, A.C.B. (2004). A leitura como espaço discursivo de construção de sentidos: Oficinas com surdos. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

LODI, A.C.B. (2013). Ensino da Língua Portuguesa como segunda língua para surdos: impacto na Educação Básica. In: LACERDA, C.B.F.; SANTOS, L.F. (orgs). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. 1. ed. São Carlos, SP: EDUFSCar, pp. 165-183.

LODI, A.C.B.; BORTOLOTTI, E.C.; CAVALMORETI, M.J.Z. (2004). Letramentos de surdos: práticas sociais de linguagem entre duas línguas/culturas. Bakhtiniana, Revista de estudos do Discurso, São Paulo, v. 9, n 2, p. 131-149, Ago./Dez. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/bak/v9n2/a09v9n2.pdf]. Acesso em: 21 set. 2017.

ROJO, R.; CORDEIRO, G.S. (2010). Apresentação - Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. e colaboradores, Gêneros orais e escritos na escola. 2. Ed. Trad. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2.º edição, pp. 7-16.

SCHNEUWLY, B. (2010). Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontogenéticas. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. 2. Ed. Trad. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de letras, pp. 19-34.

Publicado
2019-06-25
Como Citar
Almeida, D. L. de, & Lacerda, C. B. F. de. (2019). Português como segunda língua: a escrita de surdos em aprendizagem coletiva Portuguese as a second language: the writing of deaf people in collective learning. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(2), 899-917. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8653579