Banner Portal
Discurso de ódio em mídias sociais como estratégia de persuasão popular
PDF

Palavras-chave

Discurso de ódio
Mídias sciais
Análise de redes
Avaliatividade
Populismo

Como Citar

MERCURI, Karen Tank; LIMA-LOPES, Rodrigo Esteves de. Discurso de ódio em mídias sociais como estratégia de persuasão popular. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 2, p. 1216–1238, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8658475. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

Este artigo busca compreender o momento atual, dando um passo atrás, para mostrar que em uma situação anterior à campanha eleitoral de 2018, já havia indícios do populismo digital (CESARINO, 2018): o aparato digital e a mobilização (produção e compartilhamentos de hashtags no Twitter), bem como a tática política de estabelecer um eixo sintagmático amigo-inimigo. Mais especificamente, o intuito aqui é analisar discussões políticas, dentro do quadro linchamento virtual (MACEDO, 2018), de duas maneiras: (i) por suas conexões, utilizando modelos de redes aplicados às redes sociais online, conforme descritos nos trabalhos de  Recuero (2005, 2014) e Lima-Lopes (2017, 2018) e; (ii) pelo discurso contido nas postagens, segundo o Sistema de Avaliatividade (MARTIN e WHITE, 2005) e suas aplicações em Língua Portuguesa (VIAN JR et. al, 2010). Foi considerada para esta pesquisa a utilização no Twitter da hashtag #Dia28EuVouTrabalhar, criada e disseminada com o intuito de contrariar a Greve Geral marcada para o dia 28 de abril de 2017, cujo objetivo era protestar contra as reformas trabalhista e da previdência. A raspagem de dados e os grafos de conexão foram feitos com o auxílio dos softwares NodeXL e Gephi, respectivamente. Ao final, observou-se que os principais influenciadores na rede tinham grande importância na disseminação do discurso de ódio, pois o grande número de seguidores possibilitou o espalhamento em larga escala. Vale ressaltar que o nó central da rede estudada era um deputado estadual do Rio de Janeiro e filho de um político com pretensão à presidência da República. A principal avaliação expressa nas postagens, em relação aos sentimentos, foi a insatisfação com o partido político que se manteve na presidência do Brasil por catorze anos e que fora interrompido por um impeachment, no ano anterior a esta greve. Já em relação ao Julgamento, as postagens revelaram uma descrença quanto à ética e confiabilidade tanto em relação aos grevistas quanto aos organizadores. Com isso, pode-se observar que a repetição e padronização de discursos estigmatizados, bem como sua pulverização em mídia social, foram – e ainda são – utilizadas como instrumento para conseguir o apoio popular.  

PDF

Referências

ALMEIDA, F. S. D. P. (2010) Atitude: afeto, julgamento e apreciação. In: Vian Jr, O.; De Souza, A. A.; Almeida, F. S. D. P. (org). A linguagem da Avaliação em Língua Portuguesa: estudos sistêmicos-funcionais no sistema da Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores, pp. 99-112.

BARABÁSI, A-L. (2003). Linked. How Everything is Connected to Everything else and What it means for Business,Science and Everydai Life. Cambridge: Plume.

BARABÁSI, A.-L.; ALBERT, R. (1999) Emergence of Scaling in Random Networks. Science, v. 286, n. October, p. 509–512.

BLOMMAERT, J. (2020) Political discourse in post-digital societies. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 59, n. 1, p. 390-403.

CABRAL, S. R. S. (2007). A mídia e o presidente: um julgamento com base na teoria da valoração. Tese de Doutorado em Letras. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS.

CASTELLS, M. (2014). Redes de indignação e esperança Movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar.

CASTELLS, M.; QUI J. L.; FERNANDEZ-ARDEVOL, M.; SEY, A. (2006) Mobile Communication and Society: A Global Perspective. Boston: MIT Press.

CESARINO, L. (2018) Populismo digital: roteiro inicial para um conceito, a partir de um estudo de caso da campanha eleitoral de 2018. Disponível em: <https://www.academia.edu/38061666/Populismo_digital_roteiro_inicial_para_um_conceito_a_partir_de_um_estudo_de_caso_da_campanha_eleitoral_de_2018>. Acesso em: 17 jun, 2020.

CESARINO, L. (2020) Como vencer uma eleição sem sair de casa: a ascensão do populismo digital no Brasil. Internet & Sociedade, v. 1, n. 1, p. 91-120.

HOFFMAN, D. S. (1996) The Web of Hate: Extremists Exploit the Internet. Washington: Anti-Defamation League.

LIMA-LOPES, R. E. (2017) Análise de registro e ciência das redes estudando um grupo de WhatsApp dedicado à produção de cerveja artesanal. Revista Hipertextus, v.16, pp. 134-161.

LIMA-LOPES, R. E. (2018) O conservadorismo como ideologia: contribuições da ciência das redes para a Linguística Sistêmico-Funcional. Revista Letras, n. 56, p. 42-70.

MACEDO, K. T. M. (2018). Conflitos Sociais Contemporâneos: possíveis causas e consequências dos Linchamentos Virtuais. Humanidades & Inovação, v. 5, n. 4, p. 197-208.

MALY, I. (2020). Algorithmic populism and the datafication and gamification of the people by Flemish Interest in Belgium. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 59, n. 1, p. 444-468.

MARTIN, J. R.; WHITE, P. R. (2005) The Language of Evaluation. Basingstoke: Palgrave Macmillan, v. 2.

MERCURI, K. T. (2016) Linchamentos Virtuais: paradoxos nas relações sociais contemporâneas. Dissertação de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. Faculdade de Ciências Aplicadas, UNICAMP, Limeira-SP.

NATIONAL ACADEMY OF SCIENCES (ED.) (2005). Network science. Washington: National Academies Press.

RECUERO, R. C. (2005) Redes Sociais na Internet: considerações iniciais. E Compós, v. 2, pp. 1-17.

RECUERO, R. C. (2014) Métricas de Centralidade e Conversações em Redes Sociais na Internet: Desvelando Estratégias nos Debates Presidenciais de 2014. In: VIII Simpósio Nacional da ABCiber: Comunicação e Cultura na Era de Tecnologias Midiáticas Onipresentes e Oniscientes. São Paulo: ESPM, pp. 1-18.

SCOTT, J. (2000). Social Network Analysis: A handbook. New York: SAGE Publications.

SCOTT, J. (2013). What is social network analysis? London; New York: Bloomsbury Academic.

THOMPSON, G.; ALBA-JUEZ, L. (2014). Evaluation in context. Philadelphia : John Benjamins Publishing Company.

VIAN JR, O.; De Souza, A. A.; ALMEIDA, F. S. D. P. (2010). A linguagem da Avaliação em Língua Portuguesa: estudos sistêmicos-funcionais no sistema da Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores.

WATTS, D. J. (2003) Six Degrees. The Science of a Connected Age. New York: W. W. Norton &Company.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.