Digitalização e a luta pela linguagem

Autores

Palavras-chave:

Big data, Affordance, Visões de linguagem

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre o cenário atual da comunicação digital a partir de e em direção a visões de linguagem que se mantenham atentas às transformações sociolinguísticas motivadas pela digitalização. Para isso, a partir de autoras/es como Blommaert (2008), boyd e Crawford (2012) e Brooker et al. (2016), conceituo e discuto brevemente sobre dois pontos importantes que influenciam os dados e análise das mais diversas pesquisas em Linguística, mas que são, com frequência, deixados em segundo plano: big data e affordance. Em seguida, argumento em favor de visões de linguagem que não sejam nem antropocêntricas, nem universalistas, e que contemplem o contato entre humano e digital, retomando as contribuições de Irvine (1996; 2017), Pratt (2013) e Martins e Viana (2019).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Diniz Vallada, Universidade Federal de Goiás

Graduação em Letras - Linguística pela Universidade Federal de Goiás, Brasil, 2018.
Bolsista de Mestrado da Universidade Federal de Goiás, Brasil.

Referências

ANDERSON, C. (2008) The End of Theory: The Data Deluge Makes the Scientific Method Obsolete. Wired. Disponivel em: https://www.wired.com/2008/06/pb-theory/. Acesso em: 29 jan. 2020.

ARNAUT, K.; KARREBAEK, M.; SPOTTI, M. (2017) Engaging superdiversity: The poesis infrastructures nexus and language practices in combinatorial spaces. In: ARNAUT, K., et al (orgs.). Engaging superdiversity: recombining spaces, times and language practices. Bristol: Multilingual Matters, pp. 3-24.

BANSAL, S. (2016) Big data for infectious disease surveillance and modeling. The Journal of Infectious Diseases, v. 214, n. 4, pp. 375-379.

BIONDO, F. (2019) Ideologias de gênero e ideologias de língua(gem) em páginas feministas do Facebook. Alfa, v. 63, n. 2, pp. 295-315.

BLOMMAERT, J. (2008) Contexto é/como crítica. In: SIGNORINI, I (orga.). Situar a lingua[gem]. Tradução de Daniel Silva e Clara Dornelles. São Paulo: Parábola, pp. 91-115.

BLOMMAERT, J. (2019) Political discourses in post-digital societies. Disponivel em: https://www.researchgate.net/publication/337890116. Acesso em: 29 dez. de 2019.

BLOMMAERT, J.; SMITS, L.; YACOUBI, N. (2018) Context and its complications. Tilburg Papers in Cultural Studies, n. 208. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/325347012_Context_and_its_complications. Acesso em: 12 jan. 2020.

BORGES, R.; MELO, G. (2019) Quando a raça e o gênero estão em questão: embates discursivos em redes sociais. Revista Estudos Feministas, v. 27 , n. 2, pp. 1-13.

boyd, d.; CRAWFORD, K. (2012) Critical questions for big data. Information, Communication & Society, v. 15, n. 5, pp. 662-679.

BROOKER, P. et al. (2016) Have we even solved the first ‘big data challenge?’: practical issues concerning data collection and visual representation for social media analytics. In: SNEE, H. et al (orgs.). Digital methods for Social Science: an interdisciplinary guide to research innovation. Londres: Palgrave Macmillan, pp. 34-50.

BUTLER, J. (1997) Excitable speech: a politics of the performative. Nova York: Routledge.

FAUSTO-STERLING, A. (2001) Dualismos em duelo. cadernos pagu, n. 17-18, v. 2, pp. 9-79.

BUZATO, M. (2018) Dadificação, visualização e leitura do mundo: quem fala por nós quando os números falam por si? Linguagem em Foco, v. 10, n. 1, pp. 83-92.

BUZATO, M. (2019) O pós-humano é agora: uma apresentação. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 58, n. 2, pp. 478-495.

FLORES, P. (2017) O que a Cambridge Analytica, que ajudou a eleger Trump, quer fazer no Brasil. Nexo. Disponivel em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/12/08/O-que-a-Cambridge-Analytica-que-ajudou-a-eleger-Trump-quer-fazer-no-Brasil. Acesso em: 29 jan. 2020.

GOFFMAN, E. (1974) Frame analysis: an essay on the organization of expierence. Boston: Northeastern University Press, 1986.

HARAWAY, D. (1985) Manifesto ciborgue. Ciência, tecnologia e feminismo-socialista. In: TADEU, T (org.). Antropologia do ciborgue. As vertigens do pós-humano. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009, pp. 33-118.

HINE, C. (2000) Virtual Ethnography. Longres: SAGE.

HINE, C. (2015) Ethnography for the Internet. Londres: Bloomsbury Academic.

HYMES, D. (1972) Models of the interaction of language and social life. In: GUMPERZ, J.; HYMES, D. (orgs.). Directions in sociolinguistics: the ethnography of communication. Holt, Rinehart and Winston, pp. 35-71.

IRVINE, J. (1996) Shadow conversations: the indeterminancy of participants roles. In: SILVERSTEIN, M.; URBAN, G. (orgs.). Natural histories of discourse. Chicago: The University of Chicago Press, pp. 131-159.

IRVINE, J. (2017) Afterword: materiality and language or material language? Dualisms and embodiments. In: CAVANAUGH, J.; SHANKAR, S. (orgas.). Language and materiality: ethnographic and theorital explanations. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 277-293.

KEANE, W.; SILVERSTEIN, M. (2017) Curated conversation: "Materiality: it's the stuff!" In: CAVANAUGH, J. R.; SHANKAR, S. (orgas.). Language and Materiality: ethnographic and theorital explanations. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 29-40.

MALY, I. (2018) Populism as a mediatized communicative relation: the birth of algorithmic populism. Tilburg Papers in Cultural Studies, n. 213. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/328095323_Populism_as_a_mediatized_communicative_relation_The_birth_of_algorithmic_populism. Acesso em: 02 fev. 2020.

MARMWICK, A.; boyd, d. (2010) I tweet honestly, I tweet passionately: twitter users, context collapse, and the imagined audience. New Media & Society, v. 13, n. 1, pp. 114-133.

MARTINS, E.; VIANA, R. (2019) Por uma visão de linguagem ciborgue e coletiva. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 58, n. 2, pp. 496-519.

MOITA LOPES, L. P. (2006) Linguística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística plicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, pp. 85-107.

MUTSAERS, P. (2017) Should big data determine who gets pulled over? Diggit Magazine. Disponivel em: https://www.diggitmagazine.com/column/should-big-data-determine-who-gets-pulled-over. Acesso em: 29 jan. 2020.

PENNYCOOK, A. (2001) Critical Applied Linguistics. A Critical Introduction. Londres: Erlbaum Associates.

PINTO, J. (2018) Corpo como contexto-de-ocorrência de metapragmáticas sobre o português em socializações de estudantes migrantes para o Brasil. Linguagem em Discurso, v. 18, n. 3, pp. 751-768.

POVINELLI, E. (2016) Pragmáticas íntimas: linguagem, subjetividade e gênero. Tradução por Joana Plaza Pinto. Revista de Estudos Feministas, v. 24, n. 1, pp. 205-237.

PRATT, M. L. (2013) Utopias linguísticas, tradução por André Marques do Nascimento e Joana Plaza Pinto. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 52, n. 2, pp. 437-459.

RYMES, B. (2012) Recontextualizing YouTube: from micro-macro to mass-mediated communicative repertoires. Anthropology & Education Quaterly, v. 43, n. 2, pp. 214-227.

SALES JR., R. (2006) Democracia racial: o não-dito racista. Tempo social, v. 18, n. 2, pp. 229-258.

SANTOS, V. (2016) Big data, meio e linguagem: novas tecnologias e práticas linguísticas. Dissertação de Mestrado em Letras e Linguística, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

SILVA, D. (2019) (Meta)pragmática da violência linguística: patologização das vidas trans em comentários online. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 58, n. 2, pp. 965-965.

SOUSA, L.; PESSOA, R. (2019). Humans, nonhuman others, matter and language: a discussion from posthumanist and decolonial perspectives. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 58, n. 2, pp. 520-543.

SZABLA, M.; BLOMMAERT, J. (2018) Does context really collapse in social media? Applied Linguistics Review, pp. 1-29.

VARIS, P.; HOU, M. (2020) Digital approaches in linguistic ethnography. In: TUSTING, K. (orga.). The Routledge Handbook of Linguistic Ethnography. Londres: Routledge, pp. 229-240.

VARIS, P. (2014) Digital ethnography. Tilburg Papers in Cultural Studies, n. 104.

Downloads

Publicado

2020-05-20

Como Citar

VALLADA, A. D. Digitalização e a luta pela linguagem. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 2, p. 1158-1170, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8658481. Acesso em: 31 out. 2020.

Edição

Seção

Dossier Digital and semiotic mechanisms of contemporary populisms