Banner Portal
Embates semiótico-discursivos em redes digitais bolsonaristas
PDF

Palavras-chave

Populismo digital
Bolsonarismo
Trajetórias textuais
Indexicalidade
Metapragmática

Como Citar

SILVA, Danillo da Conceição Pereira. Embates semiótico-discursivos em redes digitais bolsonaristas: populismo, negacionismo e ditadura. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 2, p. 1171–1195, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8658484. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

Este artigo discute práticas discursivas relacionadas ao bolsonarismo online, enquanto manifestação de um populismo digital de extrema-direita. Para tanto, são focalizados embates semiótico-discursivos instaurados em trajetórias textuais mobilizadas para significar os processos históricos relativos à Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985). As interações analisadas foram desencadeadas a partir de uma postagem na conta oficial do presidente Jair Bolsonaro no Twitter, em 27 de março de 2019, às vésperas dos 55 anos do Golpe de 1964. Partindo de uma perspectiva teórico-metodológica pautada no rastreamento textual em redes digitais e em concepções pragmáticas e semióticas dos processos de significação, oferecemos algumas interpretações contingentes acerca do problema investigado. São elas: a cooptação de significantes vazios próprios da racionalidade populista para a instauração de negacionismos históricos estratégicos; a insistente (re)atualização de sentidos indexicais autoritários, antidemocráticos e antidireitos humanos nas trajetórias textuais e espaço-temporais do discurso bolsonarista online; e a fricção semiótico-discursiva nas disputas por enquadres metapragmáticos entre agentes discursivos bolsonaristas e seus oponentes em espaços públicos virtuais.

PDF

Referências

BLOMMAERT, Jan. (2015). Chronotopes, Scales, and Complexity in the Study of Language in Society. Annu. Rev. Anthropol., n. 44, p. 105-116.

BLOMMAERT, Jan. (2019). Political discourse in post-digital societies. Em aberto. Tilburg, p. 1-10. Disponível em: <https://www.tilburguniversity.edu/research/institutes-and-research-groups/babylon/tpcs>. Acesso em: 19 fev. 2020.

BOAVENTURA, Júlio Cesar S. (2018). Suburbanos e farofeiros em trânsito: entre a fricção e a (re)construção textual de subjetividades fora do lugar. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada), UFRJ, Rio de Janeiro.

BOLSONARO, Jair. (2018). Entrevista do candidato Jair Bolsonaro Programa Roda-Viva da TV Cultura. Youtube. 30 de julho de 2018. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=lDL59dkeTi0> Acesso em: 10 jan. 2020.

BRASIL (1968). Ato Institucional nº 5, de 13 de dezembro de 1968. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ait/ait-05-68.htm>. Acesso em: 10 jan. 2020.

BRASIL. (2014). Relatório final da Comissão Nacional da Verdade. Em aberto. Brasília.

CÂMARA DOS DEPUTADOS (2005). Notas taquigráficas do discurso do deputado Jair Bolsonaro por ocasião do transcurso do Dia do Exército Brasileiro. Documento aberto. Brasília: Governo Federal.

CESARINO, Letícia. (2018). Como vencer uma eleição sem sair de casa: um estudo de caso sobre o populismo digital de Jair Bolsonaro. 72 slides. Disponível em: < https://www.academia.edu/37654690/Como_vencer_uma_elei%C3%A7%C3%A3o_sem_sair_de_casa_um_estudo_de_caso_sobre_o_populismo_digital_na_campanha_de_Jair_Bolsonaro_ppt>. Acesso em: 25 mar. 2020.

CESARINO, Letícia. (2019). Identidade e representação no bolsonarismo: corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal. Revista de Antropologia, v. 62 n. 3, p. 530-557.

CESARINO, Letícia. (2020). Como vencer uma eleição sem sair de casa: ascensão do populismo digital no Brasil. Internet & Sociedade, n. 1, v. 1, fev., p. 91-120.

FABRÍCIO, Branca F. (2013). A “outridade lusófona” em tempos de globalização: identidade cultural como potencial semiótico. In: Luiz Paulo da Moita Lopes. (Org.) Português no século XXI: ideologias linguísticas. São Paulo: Parábola, 2013, p. 144-168.

FABRÍCIO, Branca F. (2014). Transcontextos educacionais: gêneros e sexualidades em trajetórias de socialização na escola. In: SILVA, D. et al. (Orgs.). Nova Pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez Editora. p. 145-189.

GALVÃO, Ana Carolina; ZAIDAN, Junia C. S. M.; SALGUEIRO, Wilberth. (2019). Foi golpe! O Brasil de 2016 em análise. Campinas: Pontes Editores, 2019.

GORENDER, Jacob. (2014). A sociedade cindida. Revista de Estudos Avançados, São Paulo, v. 28, n. 80.

KIELING, Camila. (2016). Autoritarismo no discurso da imprensa brasileira durante o golpe de 1964. Revista Extraprensa, São Paulo, v. 1, n. 10, p. 3-17.

LACLAU, Ernesto. (2005) A razão polulista. São Paulo: Três Estrelas/Buenos Aires: Ariel.

LACLAU, Ernesto. (2014). The rethorical fundation of Society. London: Verso.

LATOUR, Bruno. (2012). Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: EDUFBA-EDUSC.

MELO, Glenda. (2019). Anúncios de comercialização de escravos nos séculos XIX e XXI: trajetória textual, entextualizações e ordens indexicais. In: SZUNDY, P. T. C.; TILIO, R.; MELO, G. C. V. (Orgs.). Inovações e desafios epistemológicos em Linguística Aplicada: perspectivas sul-americanas. São Paulo: Pontes, 229-260.

MOITA LOPES, Luís Paulo; FABRÍCIO, Branca F. (2019). Por uma ‘proximidade crítica’ nos estudos em Linguística Aplicada. Calidoscópio, v. 14, n. 4, p. 711-423.

NAPOLITANO, Marcos. (2015). Negacionismos e Revisionismos: o conhecimento histórico sob ameaça. Em aberto. São Paulo, p. 1-4. Disponível em: <http://historia.fflch.usp.br/sites/historia.fflch.usp.br/files/u206/Texto%20S%C3%ADntese%20%20Negacionismo%20%282%29.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2020.

NAPOLITANO, Marcos. (2019). Golpe de Estado: entre o nome e a coisa. Estudos Avançados, São Paulo, v. 96, n. 33, p. 397-420.

NEMER, David. (2019). A radicalização invisível da direita brasileira no WhatsApp., Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2020.

PASQUINI, Patrícia. (2018). 90% dos eleitores de Bolsonaro acreditaram em fake news, diz estudo. Disponível em: <https://www1.folha. uol.com.br/poder/2018/11/90-dos-eleitores-debolsonaro-acreditaram-em-fake-news-diz-estudo>. Acesso em: 10 mar. 2020.

PINTO, Joana P. (2019). É só mimimi? Disputas metapragmáticas em espaços públicos online. Interdisciplinar, São Cristóvão, v. 31, jan./jun., p. 221-236.

QUIJANO, Aníbal. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: CONSEJO LATINOAMERICANO DE CIENCIAS SOCIALES. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 117-142.

RAMOS, Diego. (2015). Propaganda e ufanismo na ditadura militar brasileira: a apropriação do discurso ufanista pelo sindicalismo docente de Niterói. Revista Contemporânea, ano 5, v. 2, n. 8.

SCHWARCZ, Lilia. (2019). Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras.

SILVA, Daniel. (2014). O texto entre a entextualização e a etnografia: um programa jornalístico sobre belezas subalternas e suas múltiplas recontextualizações. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, v. 14, n. 1, pp. 67-84.

SILVA, Daniel. (2019). Enregistering the nation: Bolsonaro’s populist branding of Brazil. To appear in: I. Theodoropoulou & J. Woydack (eds). Language and Country Branding. London: Routledge.

SILVA, Danillo C. P. (2019). (Meta)pragmática da violência linguística: patologização de vidas trans em comentários online. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 58, n. 2, maio/ago., p. 956-985.

SILVERSTEIN, Michel. (1993). Metapragmatic discourse and metapragmatic function. In: LUCY, J. (Org.) Reflexive language: Reported speech and metapragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, p. 33-58.

SZUNDY, Paula; FABRÍCIO, Branca F. (2019). Linguística Aplicada e indisciplinaridade no Brasil: promovendo diálogos, dissipando brumas e projetando desafios epistemológicos. In: SZUNDY, P. T. C.; TILIO, R.; MELO, G. C. V. (Orgs.). Inovações e desafios epistemológicos em Linguística Aplicada: perspectivas sul-americanas. São Paulo: Pontes, 229-260.

VARIS, Piia.; BLOMMAERT, Jan. (2015). Conviviality and collectives on social media: virality, memes, and new social structures. Multilingual Margins, v. 2, n. 1, p. 31-45.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.