O uso de blogs como ferramenta de apoio ao desenvolvimento da produção escrita em língua inglesa

Autores

Palavras-chave:

Escrita, Autonomia, Blog, Tecnologias, formação docente

Resumo

O uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação no processo de ensino e aprendizagem de línguas se constitui como uma das alternativas na elaboração de práticas pedagógicas que visem tornar esse processo mais autônomo para aprendizes e professores. O uso das TDIC no âmbito educacional amplia não apenas as possibilidades de aprimoramento das principais habilidades linguísticas de recepção e produção oral e escrita, como também proporciona o desenvolvimento e a expansão da literacia digital. Este artigo relata uma experiência de ensino-aprendizagem em língua inglesa realizada com acadêmicos iniciantes de um Curso de Letras, visando oportunizar a esses aprendizes o desenvolvimento e o aprimoramento da habilidade escrita por meio da criação de um blog acadêmico. A pesquisa seguiu os pressupostos metodológicos da hermenêutica aplicada ao campo da pesquisa qualitativa, buscando identificar, analisar e interpretar não apenas o produto final, ou seja, as produções escritas, mas também como se deu esse processo. Os resultados sugerem que o uso do blog em um contexto real de ensino e de aprendizagem de línguas, com foco na formação docente inicial, foi bastante benéfica uma vez que oportunizou a construção de saberes e significados por meio da habilidade escrita. Por meio dessa experiência, os acadêmicos puderam desempenhar o papel de escritores autônomos, ou seja, tiveram a chance de escolher e discutir os temas que lhes interessavam, os gêneros textuais mais apropriados, fazer uso da multimodalidade e aprender a fazer uso das tecnologias digitais em prol de sua aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Medianeira de Oliveira, Universidade Federal de Pelotas

Doutorado em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria. Professor adjunto da Universidade Federal de Pelotas, Brasil.

Referências

AMIEL, T.; AMARAL, S. F. (2013). Nativos e Imigrantes: questionando o conceito de fluência tecnológica docente. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 21, n. 3, p. 1-11.

ARAÚJO, M. C. M. (2009). Potencialidades do uso do blog em educação. Dissertação de Mestrado. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

BASSO, E. A. (2001). A construção social das competências necessárias ao professor de língua estrangeira: entre o real e o ideal um curso de Letras em estudo. Tese de Doutorado – Instituto de Estudos de Linguagem. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas.

BARBOSA, I. M.; VASCONCELOS, C. R. D. (2018). O planejamento de ensino como estratégia para construção de conhecimento e otimização do tempo pedagógico. In: ALVES, I. M. A.; NETO, A. A. L. (Orgs.) O coordenador pedagógico em uma Educação a Distância sem distância. Salvador, BA: Edufba, p. 13-37.

BARGER, J. (1997). Robot wisdom weblog for December 1997. Home Page. Disponível em: http://robotwisdom2.blogspot.com.

BENSON, P. (2006). Autonomy in language learning. Language Teaching, v. 40, n. 1, p. 21-40.

BENSON, P.; HUANG, J. (2008). Autonomy in the transition from foreign language learning to foreign language teaching. D.E.L.T.A, v. 24, p. 421-439.

BERTO, F. L. (2018). Considerações sobre crenças de graduandos em Letras acerca do processo de aprendizagem de língua inglesa. Trabalho de Conclusão de Curso. Garanhuns, PE: Universidade Federal Rural de Pernambuco.

BLOOD, R. (2000). Weblogs: A History and Perspective. Rebecca's Pocket. 07 September 2000. Home Page. Disponível em: http://www.rebeccablood.net/essays/weblog_history.html.

BRASIL. (2017). Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. Educação Infantil e Ensino Fundamental. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc20dez-site.pdf. Acesso em: 26 jul. 2018.

BRASIL.(2002). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN + Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília.

BRASIL. (2000). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília.

BUZATO, M. K. (2004). As (outras) quatro habilidades. The Four (Other) Skills. TE@D – Revista digital de tecnologia educacional e educação à distância, São Paulo, v. 1, p. 1-20.

CAMPBELL, A. P. (2003). Weblogs for use with ESL classes. The Internet TESL Journal, v. 9, n. 2.

Comitê Gestor da Internet no Brasil (CETIC.BR Tic Educação). (2018). Relatório. Disponível em: https://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/12225320191028tic_dom_2018_livro_eletronico.pdf. Acesso em: 23 de janeiro de 2020.

CRUZ, J. A. S.; BIZELLI, J. L. (2015). Docência para o ensino superior: inovação, informação e construção do conhecimento na era digital. Cad. Ed. Tec. Soc., v. 8, n. 1, p. 79-90.

DIAS, S. M. A. (2017). O blog reflexivo no processo de letramento e formação de professores de língua inglesa. In: MEDRADO, B. P.; REICHMANN, C. L. (Orgs.) Projetos e práticas na formação de professores de língua inglesa. João Pessoa: Editora da UFPB, p. 92-105.

DICKINSON, L. (1994). Learner autonomy: what, why and how? In: LEFFA, V. J. Autonomy in language learning. Porto Alegre: Editora Universidade UFRGS, p. 2-12.

FIGUEIREDO, A. D. (2012). A geração 2.0 e os novos saberes. Sensos, v. 2, n. 1, p. 79-91.

FIGUEIREDO, E. Q.; CARDOSO, E. L. (2011). Blog: tecnologia para uma aprendizagem significativa da Língua Inglesa. Educação Unisinos, v. 15, n. 2, p. 158-165.

FONSECA, L. (2002). O uso de chats na aprendizagem de línguas estrangeiras. Caligrama, n. 7, p. 103-121.

FREIRE, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

GOMES, M. J. (2005). Blogs: um recurso e uma estratégia pedagógica. Actas do VII Simpósio Internacional de Informática Educativa – SIIE05. Portugal: Escola Superior de Educação de Leiria, p. 311-315.

HEMAIS, B. (2010). Multimodalidade: enfoque para o professor de Ensino Médio. Janela de Ideias. Disponível em: http://www.letras.puc-rio.br/unidades&nucleos/JaneladeIdeias/b_linguagem.html. Acessado em março de 2020.

KERCKHOFF, M. T. (2004). O blog como ferramenta para a reflexão crítica. In: MONTEIRO, M. J. P.; BARBOSA, H. G. (Orgs.) Cadernos de Letras 21 – interação em mídia e sala de aula. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Ano 19, n. 21, p. 123-143.

KOZIKOSKI, E. P. L. (2007). A produção escrita em língua inglesa nas interfaces papel e blog. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

LEFFA, V. J. (2012). Ensino de línguas: passado, presente e futuro. Revista de Estudos da Linguagem. Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 389-411.

LITTLE, D. (2003). Learner autonomy and second/foreign language learning. Disponível em:https://www.researchgate.net/publication/259874624_Learner_autonomy_and_secondforeign_language_learning. Acesso em janeiro de 2020.

MACEDO, R. M. S.; KUBLIKOWSKI, I.; GRANDESSO, M. A. (2004). A interpretação em pesquisa qualitativa: a construção do significado. Conferência Internacional do Brasil de Pesquisa Qualitativa, Anais: I CIBRAPEQ. São Paulo: Tec Art Editora Ltda, p.83 – 93.

MARCUSCHI, L. A. (2005). Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. Hipertexto e gêneros digitais. (Orgs.) 2ª ed. Rio de Janeiro: Lucerna, p. 13-67.

MELO, L. P. C. C. (2018). O processo de ensino aprendizagem da língua espanhola auxiliada pelas novas tecnologias digitais de informação e comunicação: uma proposta didático-pedagógica. Trabalho de Conclusão de Curso. João Pessoa, PB: Universidade Federal da Paraíba.

MELO, P. C. A. (2012). Google docs e a escrita criativa no ensino de Língua Inglesa. Dissertação de Mestrado. Universidade do Minho, Instituto de Educação.

Merholz, P. (2002). Play with your words. Retrieved Jun 20, 2005, from peterme.com,

http://www.peterme.com/archives/00000205.htm

Merholz, P. (2002). Play with your words. Retrieved Jun 20, 2005, from peterme.com,

http://www.peterme.com/archives/00000205.htm

Merholz, P. (2002). Play with your words. Retrieved Jun 20, 2005, from peterme.com,

http://www.peterme.com/archives/00000205.htm

MERHOLZ, P. (2002). Play with your words. Home Page. Disponível em: http://www.peterme.com/archives/00000205.htm

MIRANDA, G. L. (2007). Limites e possibilidades das TICs na educação. Sísifo – Revista de Ciências da Educação, n. 3, p. 41-50.

MORAN, J. M. (2000). Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias. Informática na Educação: teoria e prática, v. 3, n. 1, p. 137-144.

MOTTA-ROTH, D. De receptor de informação a construtor de conhecimento: o uso do chat no ensino de inglês para formando de Letras. In: LEFFA, V. J. (Org.) O professor de línguas estrangeiras – construindo a profissão. Pelotas: Educat, 2001, p. 175-192.

NOYTIM, U. (2010). Weblogs enhancing EFL students’ English language learning. Procedia Social and Behavioral Science, v. 2, p. 1127-1132.

NUNAN, D. (2003). Nine Steps to Learner Autonomy. Disponível em: http://www.su.se/polopoly_fs/1.84007.1333707257!/menu/standard/file/2003_11_Nunan_eng.pdf. Acesso em: 18 de fevereiro de 2020, p. 193-204.

OLIVEIRA, M. C. S.; SANTOS, G. O. (2018). O uso das tecnologias no espaço escolar: transformações das TICs em recursos educativos. In: ALVES, I. M. A.; NETO, A. A. L. (Orgs.) O coordenador pedagógico em uma Educação a Distância sem distância. Salvador, BA: Edufba, p. 159-201.

OLIVEIRA, M. B. F.; SOUZA, A. S. (2018). Uma experiência com alunos de Letras em formação inicial: construindo um blog em sala de aula. The Especialist, v. 39, n. 3, p. 1-16.

PAIVA, V. L. M. O. (2001). Derrubando paredes e construindo comunidades de aprendizagem. In: LEFFA, V. J. (Org.) O professor de línguas estrangeiras – construindo a profissão. Pelotas: Educat, p. 193-209.

PAIVA, V. L. M. O. (2009). O ensino de língua estrangeira e a questão da autonomia. In: LIMA, D. C. (Org.). Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialista. São Paulo: Parábola Editorial, p. 31-38.

PAIVA, V. L. M. O. (2010). Propiciamento (affordance) e autonomia na aprendizagem de língua inglesa. In: LIMA, D. C. Aprendizagem de língua inglesa: histórias refletidas. Vitória da Conquista: Edições UESB, p. 151-161.

PAIVA, V. L. M. (2019). Tecnologias digitais no ensino de línguas: passado, presente e futuro. Revista da Abralin, v. 18, n. 1, p. 2-26.

PÉREZ, M. P. (2012). El blog como instrumento de enseñanza-aprendizaje de idiomas. Espiral. Cuardenos del profesorado, v. 5, n. 9, p. 26-36.

RAMOS, D. K. (2013). Perfil dos alunos de Licenciatura a distância e aspectos que contribuem para aprendizagem. Revista Reflexão e Ação, v. 21, n. esp., p.199-220.

REINDERS, H.; WHITE, C. (2016). 20 of autonomy and technology: how far have we come and where to next. Language Learning & Technology, v. 20, n. 2, p. 143-154.

RODRIGUES, B. G. (2014). O perfil dos alunos ingressantes em um curso de Letras Inglês: expectativas e metas para a formação de professores. Revista L@el em (Dis)curso, v. 6, n. 2, p. 52-71.

SIDI, P. M.; CONTE, E. (2017). A hermenêutica como possibilidade metodológica à pesquisa em educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 12, n. 4, p. 1942-1954.

SILVA, M.; BRITO, S. (2013). Docência online no ensino superior: saberes docentes e formação continuada. Educação em Foco, v. 18, n. 1, p. 105-126.

SILVA, B. D.; PEREIRA, M. G. C. B. (2011). O papel da escola no combate à divisão digital. XI Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais. Universidade Federal da Bahia.

SOUZA, S. A. F. (1999) A Internet e o ensino de línguas estrangeiras. Linguagem & Ensino, v. 2, n. 1, p, 139-172.

TAPSCOTT, D. (2008) Grow up digital: how the net generation is changing your world. MacGraw-Hill Education.

THEISEN, J. M. (2015). O letramento digital e a leitura online no contexto universitário. Tese de Doutorado. Pelotas, RS: Universidade Católica de Pelotas.

XAVIER, A. C. (2011) Letramento digital: impacto das tecnologias na aprendizagem da Geração Y. Calidoscópio, v. 9, n. 1, p. 3-14.

WARSCHAUER, M.; WHITTAKER, P. F. (1997). The Internet for English teaching: guidelines for teachers. The Internet TESOL Journal, v. 3, n. 10, p. 27-33.

WARSCHAUER, M.; ARADA, K; ZHENG, B. (2000). Laptops and inspired writing. Journal of adolescent & adult literacy, v. 54, n. 3, p. 221-223.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

OLIVEIRA, F. M. de. O uso de blogs como ferramenta de apoio ao desenvolvimento da produção escrita em língua inglesa. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 791–810, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8659084. Acesso em: 1 jul. 2022.