O patrimônio vivencial de um educando

Pedro quer escrever um livro

Autores

Palavras-chave:

Teoria da atividade sócio-histórico-cultural, Perezhivanie, Agência, Repertório, Patrimônio vivencial

Resumo

Este artigo aborda aspectos da trajetória pessoal e escolar de um aluno da EJA, em situação de analfabetismo. Para tratar desses aspectos, procuramos responder esta pergunta: como se configura o patrimônio vivencial de um educando de 20 anos de idade, na atividade de alfabetização, em contexto escolar? Buscando respondê-la, escolhemos, como fundamentação teórica, as noções de perezhivanie (VYGOSTKY, 2010; REY, 2016; VERESOV, 2016), agência (NININ; MAGALHÃES, 2016), repertório (BLOMMAERT; BACKUS, 2012; BUSCH, 2017; GUIMARÃES; MOITA LOPES, 2017) e patrimônio (MOLL et al., 1992; ESTEBAN-GUITART; MOLL, 2014; LIBERALI; MEGALE, 2020). A metodologia de pesquisa é qualitativo-interpretativista, na forma de estudo de caso. Os procedimentos de geração de dados são: uma entrevista semiestruturada e conversas entre o educando e a professora-pesquisadora. Tais dados, interpretados à luz do referido arcabouço teórico, sugerem que há uma transformação na agência do sujeito de pesquisa. Essa transformação é reputada não só a fatores internos, mas também a fatores externos, como a relação com a professora alfabetizadora e com a escola onde o educando estuda. Essas mudanças constituem seu patrimônio vivencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Aparecida Vieira, Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos

Doutorado em Letras, Língua, Literatura e Cultura Italianas pela Universidade de São Paulo. Professora  do Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos (CIEJA) Perus I.

Diego Satyro, Prefeitura do Município de São Bernardo do Campo

Doutorando em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Coordenador pedagógico da rede municipal de ensino de São Bernardo do Campo.

Selma Regina Pato Vila Granado, Deep School

Psicanalista e sócia fundadora do Instituto DEEP (Diálogos e Estudos em Psicanálise)

Referências

AHEARN, Laura M. (2001). Language and agency. Annual Review of Anthropology, vol. 30, s.n., p. 109-137. Disponível em:<https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev.anthro.30.1.109>. Acesso em: 25 ago. 2019.

AZZARI, Eliane Fernandes. (2018). Mobilidade, paisagens digitais e práticas (trans)linguísticas. The ESPecialist, São Paulo, v. 39, n. 2, p. 1-15.

BAUMAN, Richard; BRIGGS, Charles. (1990). Poetics and performance as critical perspectives on language and social life. Annual Review of Anthropology, California, n.19, p. 59-88.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. (2008). O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial.

BLOMMAERT, Jan.; BACKUS, Ad. (2012). Superdiverse Repertoires and the Individual. Tilburg Papers in Cultural Studies, v. 24, p. 1-32.

BLOMMAERT, Jan. (2015). Chronotopes, scales and complexity in the study of language in society. Annual Review of Anthropology, v. 44, p. 105-116.

BUCHOLTZ, Mary. (2009). From stance to style. In: JAFFE, Alexandra. Stance: sociolinguistic perspectives. Oxford Scholarship Online, 2009. p. 1-49. Disponível em: <https://web.stanford.edu/~eckert/PDF/bucholtz2009.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2021. doi: 10.1093/acprof:oso/9780195331646.003.0007.

BUSCH, Brigitta. (2017). Expanding the Notion of the Linguistic Repertoire: On the Concept of Spracherleben – The Lived Experience of Language. Applied Linguistics. Oxford: University Press, v. 38, n. 3, p. 340-358.

EDWARDS, Anne. (2005). Relational agency: learning to be a resourceful practioner. International Journal of Educational Research, v. 43, n. 3, p.168-182.

ESTEBAN-GUITART, Moises; MOLL, Luis (2014). Funds of Identity: A new concept based on the Funds of Knowledge approach. Culture & Psychology. Vol. 20(1), p. 31-48.

FREIRE, Paulo. (1974/1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, Paulo. (1993/2017). Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 27.ed. Rio de Janeiro/ São Paulo: Paz e Terra.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; DI PIERRO, Maria Clara. (2012). Preconceito contra analfabeto. 2ª ed. São Paulo: Cortez.

GUIMARÃES, Thayse Figueira; MOITA LOPES, Luiz Paulo da. (2017). Trajetória de um texto viral em diferentes eventos comunicativos: entextualização, indexicalidade, performances identitárias e etnografia. Alfa: Revista de Linguística, São Paulo, v. 61, n. 1, p. 11-33.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: Educação 2019. 2020. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101736_informativo.pdf>. Acesso em: 28 maio 2021.

LIBERALI, Fernanda Coelho; FUGA, Valdite Pereira. (2018). A importância do conceito de perezhivanie na constituição de agentes transformadores. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 35, n. 4, p. 363-373.

LIBERALI, Fernanda Coelho; ROCHA, Cláudia Hilsdorf. (2017). Ensino de línguas nos anos iniciais de escolarização: reflexões sobre bilinguismo e letramentos. In: RODRIGUES, A. F.; FORTUNATO, M. P. (Orgs.). Alfabetização e letramento: prática reflexiva no processo educativo. São Paulo: Humanitas, p. 127-144.

LIBERALI, Fernanda Coelho. Atividade social nas aulas de língua estrangeira. São Paulo: Moderna, 2009.

MANZATI, Guilherme Rittner. Projeto Digit-M-Ed-Hiperconectando: alunos como formadores no ambiente escolar. São Paulo, 2018. 123 p. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

MEGALE; Antonieta Heyden; LIBERALI, Fernanda Coelho. (2020). As implicações do conceito de patrimônio vivencial como uma alternativa para a educação multilíngue. Revista X, v.15, n.1, p. 55-74.

MOLL, Luis C.; AMANTI, Cathy; NEFF, Deborah; GONZÁLEZ, Norma. (1992). Funds of knowledge for teaching: using a qualitative approach to connect homes and classrooms. Theory into Practice, vol. 31, n. 2, pp. 132–141.

NININ, Maria Otília.; MAGALHÃES, Maria Cecília Camargo. (2017). A linguagem da colaboração crítica no desenvolvimento da agência de professores de ensino médio em serviço. Alfa: Revista de Linguística, São Paulo, v. 61, n. 3, p. 625-652.

POOLE, Adam; HUANG, Jingyi. (2018). Resituating funds of identity within contemporary interpretations of perezhivanie. Mind, Culture, and Activity, v. 25, n. 2, p. 125-137.

REY, Fernando González. (2016). Vygotsky’s Concept of Perezhivanie in The Psychology of Art and at the Final Moment of His Work: Advancing His Legacy.Abingdon: Routledge. Mind, culture, and activity. v. 23, n. 4, p. 1-10.

STETSENKO, Anna. (2019). Creativity as dissent and resistance: Transformative approach premised on social justice agenda. In: LEBUDA, I.; GLAVEANU, V. (Org.). The Palgrave Handbook of Social Creativity, Londres: Springer, p. 431-446.

VERESOV, Nikolai. (2016). Perezhivanie as a phenomenon and a concept: Questions on clarification and methodological meditations. Cultural-historical psychology, Frankston, Australia: Australia Monash University, vol. 12, n. 3, p. 129-148.

VINHA, Márcia Pileggi; WELCMAN, Max. (2010). Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Lev Semionovich Vygotsky. Psicol. USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 681-701, 2010.

VIRKKUNEN, Jaakko. (2006). Dilemmas in building shared transformative agency. Activités. França, vol. 3, n. 1, p. 43-66.

YIN, Robert K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Trad. Daniel Bueno. Revisão técnica: Dirceu da Silva. Porto Alegre: Penso.

ZALTRON, Michele A. (2012). “Переживание” (perejivanie) e o “trabalho do ator sobre si mesmo” em K. Stanislavski. Anais do VII Congresso da ABRACE - Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em Artes Cênicas. Porto Alegre, p. 1-7.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

VIEIRA, D. A.; SATYRO, D. .; GRANADO, S. R. P. V. . O patrimônio vivencial de um educando: Pedro quer escrever um livro. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 2, p. 350–362, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661565. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos