Perspectiva afrogênica decolonial nos itens de língua espanhola do enem para jovens e adultos privados de liberdade

Autores

Palavras-chave:

Decolonialidade, Perspectiva afrogênica, ENEM, Espanhol

Resumo

O objetivo desse trabalho é analisar como a Educação para as Relações Étnico-Raciais (ERER) é abordada nos itens de língua espanhola do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) das provas aplicadas para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL). A análise se centra em cinco itens, referentes às aplicações feitas entre 2010 e 2019, que abordam as relações étnico-raciais no mundo hispânico, através do texto, do enunciado e das alternativas das questões. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritivo-interpretativista e de técnica documental (MOITA LOPES, 1994). Essa discussão se insere no campo teórico da Linguística Aplicada (LA) voltada para pesquisas responsivas, que atendam às demandas sociais e pensem os sujeitos e a linguagem como heterogêneos e racializados, a partir de uma visão suleada (SILVA JÚNIOR; MATOS, 2019). Como fundamentação teórica, além dos pressupostos da LA, tomamos como base os estudos decoloniais que problematizam a colonialidade do poder, fundamentada principalmente na ideia de raça a partir da colonização das Américas (LANDER, 2005; QUIJANO, 2005; CASTRO-GÓMEZ; GROSFOGUEL, 2007; MIGNOLO, 2007; WALSH, 2008; VERONELLI, 2015). Os estudos étnico-raciais também fundamentam esta investigação, pois buscamos promover uma educação igualitária e livre de preconceitos, com vistas a refletir essa concepção na sociedade. Os resultados apontam que a ERER é contemplada parcialmente nos itens de língua espanhola aplicados para PPL, demonstrando que é um tema ainda urgente de ser debatido no meio educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Rodrigues Botelho, Universidade Federal de Sergipe

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Brasil.

Doris Cristina Vicente da Silva Matos, Universidade Federal de Sergipe

Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Brasil.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramentos, 2018.

BENTO, Maria Aparecida da Silva. Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. Universidade de São Paulo: Instituto de Psicologia: São Paulo, 2002.

BORGES, Juliana. O que é: encarceramento em massa? Belo Horizonte – MG: Letramento: Justificando, 2018

BRASIL, Conselho Nacional do Ministério Público. Panorama da execução dos programas socioeducativos de internação e semiliberdade nos estados brasileiros/ Conselho Nacional do Ministério Público. – Brasília: CNMP, 2019.

BRASIL, Guia de elaboração e revisão de itens. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Diretoria de Avaliação da Educação Básica. Brasília: MEC, 2010. Disponível: em https://www.somospar.com.br/wp-content/uploads/2018/08/Guia-para-elaboracao-e-revisao-de-itens-ENEM.pdf. Acesso em: 02 out. 2020.

BRASIL, Lei Nº 12.594 de 18 DE JANEIRO DE 2012. Instituiu o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12594.htm. Acesso em: 08 mar. 2021.

BRASIL, Lei de Execução Penal Nº 7.210 de 11 DE JULHO DE 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7210.htm. Acesso em: 08 mar. 2021.

BRASIL, Resolução nº 2, de 19 de maio de 2010 que delibera sobre as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=5142-rceb002-10&category_slug=maio-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 8 mar. 2021.

BRASIL, Ministério da Educação / Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Orientações e Ações para Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília: SECAD, 2006.

BRASIL, Ministério da Educação / Secretaria de educação Básica / Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade / Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. In: Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

CAMPOS, Thayane Silva. “Un pueblo sin piernas pero que camina”: formação inicial de professores de espanhol na educação de jovens e adultos privados de liberdade. Tese (doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras. Belo Horizonte, 2019.

CASTRO-GOMES, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org.) El giro decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 9-24.

CARDOZO, Gloria Christina de Souza; SILVA, Ana Lucia Ferreira. Educação formal e cumprimento de medidas socioeducativas: políticas públicas para educação escolar de adolescentes privados de liberdade no estado do paraná. Anais do 11º Congresso Nacional de Educação de 23 a 26 de setembro de 2013, Pontifícia Universidade Católica de Curitiba, Curitiba. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/CD2013/pdf/8602_5505.pdf. Acesso em: 8 mar. 2021.

FERNANDES, Daniel Fonseca. As tortuosas relações entre escola e prisão: um olhar sobre a educação escolar nas prisões nos séculos XIX e XX. V Seminário Internacional de Pesquisa em Prisão 09 a 11 de dezembro de 2019 FFLCH-SUP, São Paulo - SP.

FLICK, Uwe. Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

LANDER, Edgardo. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, Edgardo (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005.

MATOS, Doris Cristina Vicente da Silva. Decolonialidade e currículo: repensando práticas em espanhol. In: MENDONÇA E SILVA, Cleidimar Aparecida. América latina e língua espanhola: discussões decoloniais. Campinas/SP: Pontes Editores, 2020. p. 93-115.

MIGNOLO, Walter D. El pensamiento decolonial: desprendimiento y apertura. Un manifiesto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL. R. (Org.) El giro decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 25-46.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Pesquisa interpretativista em linguística aplicada: a linguagem como condição e solução. D.E.L.T.A. v. l.1, No 2, 1994.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Lander, Edgardo (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro 2005.

SILVA, Roberto da (Org). Didática do Cárcere: entender a natureza para entender o ser humano e seu mundo. São Paulo, SP: Giostri Editora, 2017.

SILVA JÚNIOR, Antônio Carlos; MATOS, Doris Cristina Vicente da Silva. Linguística Aplicada e o SULear: práticas decoloniais na educação linguística em espanhol. Revista Interdisciplinar Sulear, UEMG, Ano 2, n. 2, setembro, Edição Especial Dossiê SULear, 2019.

SILVA, Vitoria Veronica Moraes da; VALLINA, Katia de Araújo Lima. Medida socioeducativa: uma análise acerca da educação no sistema de internação socioeducativo do amazonas. Anais do 16º Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social, de 2 a 7 de dezembro de 2018, Universidade Federal do Espirito Santo, Vitória. Disponível em: file:///C:/Users/Gabi/Downloads/28615-Texto%20do%20artigo-84019-1-10-20200207.pdf. Acesso em: 8 mar. 2021.

VERONELLI, Gabriela Alejandra. Sobre la colonialidad del lenguaje. Universitas Humanística no. 81 enero-junio de 2015, pp: 33-58, Bogotá – Colombia.

VERASTEGUI, Bruna Agliardi. ENEM PPL: AVANÇOS E IMPASSES. Anais Congresso Nacional Universidade EAD e Software Livre 2020.2. V. 1, n. 11 Disponível <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/ueadsl/article/view/17019/1125613349> Acesso em 26 de outubro de 2020.

WALKER, Sheila. Conhecimento desde dentro: Os afro-sul-americanos falam de seus povos e suas histórias. Rio de Janeiro: Kitabu, 2018.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, No.9: 131-152, julio-diciembre, 2008.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

BOTELHO, G. R.; MATOS, D. C. V. da S. Perspectiva afrogênica decolonial nos itens de língua espanhola do enem para jovens e adultos privados de liberdade. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 1, p. 163–179, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661825. Acesso em: 3 dez. 2022.