Interseccionalidade, Opressão Epistêmica e Resistência: uma entrevista com Patrícia Hill Collins

Autores

Palavras-chave:

Interseccionalidade, Opressão Epistêmica, Resistência, Raça

Resumo

Através de suas experiências de vida tanto pessoal como professional, a professora, pesquisadora e ativista Patricia H. Collins, da Universidade de Maryland, College Park, EUA, explora, nesta entrevista, como a epistemologia constitui um mecanismo tanto de opressão intelectual como de resistência. Para entender como as estruturas sociais de poder agem, constrangem e oprimem, a pesquisadora articula a interseccionalidade aos sistemas de poder, a partir do que denomina de matriz de dominação. O conceito de interseccionalidade surge como um projeto epistemológico e metodológico do feminismo negro para tornar visível o cruzamento de opressões estruturais: raça, classe social, gênero, que sustentam as desigualdades e os privilégios sociais, operados por sistemas de poder. Essas questões serão apresentadas, discutidas e problematizadas com base em quatro eixos fundamentais: a) a sua educação e o seu desempenho profissional; b) a crítica e descolonização; e c) o impacto da suas investigações para o Sul Global; e d) políticas e perspectivas para a Linguística Aplicada Crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Hill Collins, Universidade de Maryland

Professora Universitária de Sociologia Emerita na Universidade de Maryland, College Park.

Kleber Aparecido da Silva, Universidade de Brasília

Professor Associado e Pesquisador do Departamento de Linguística do Instituto de Estudos Linguísticos da Universidade de Brasília, DF.

Maria Carmen Aires Gomes, Universidade Federal de Viçosa

Professora Associada e Pesquisadora do Departamento de Línguas da Universidade Federal de Viçosa, MG.

Referências

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Editora Pólen, 2019.

COLLINS, P. H. Black Feminist Thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. New York: Routledge, 2009.

COLLINS, P.H. Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. In: MORENO, R. (Org.) Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: SOF, p. 13-42, 2015.

COLLINS, P. H. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, vol. 31, n. 1, Janeiro/Abril, p. 99-127, 2016.

COLLINS, P. H. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 6-17, jun. 2017. ISSN 2317-4919. Disponível em: <http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/559>. Acesso em: 08 out. 2020.

COLLINS, P. H. “Pensamento feminista negro: o poder de autodefinição”. In: HOLLANDA, H. B. (Org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 271-312.

COLLINS, P. H. Interseccionality: As critical social theory. Durham: Duke University Press, 2019.

COLLINS, P. H.; BILGE, S. Intersectionality. Malden, MA: Policy Press, 2016.

GOMES, N. L. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo Crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, p. 167-182, jan./jun. 2003.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

COLLINS, P. H.; SILVA, K. A. da; GOMES, M. C. A. Interseccionalidade, Opressão Epistêmica e Resistência: uma entrevista com Patrícia Hill Collins. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 328–337, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661895. Acesso em: 18 set. 2021.

Edição

Seção

Entrevista