Performatividade de raça interseccionada por gênero e sexualidade em uma roda de conversa entre mulheres negras

Autores

Palavras-chave:

Performatividade, Raça, Gênero, Sexualidade, Mulheres negras

Resumo

Neste artigo, pretendo mobilizar o conceito de performatividade racial intersetada por gênero e sexualidade e analisá-lo na interação de mulheres negras em um círculo de conversação on-line. Para atingir este objetivo, analiso um círculo de conversação online comigo e com outras seis mulheres negras através do Messenger e baseio minha análise no conceito de performatividade de estudos austinianos e butlerianos, e nos conceitos de raça articulados com outros marcadores discursivos-corporais indicados por hooks (1995), Bento (2002), Mbembe (2014, 2018), Pacheco (2013), entre outros. Na análise do círculo de conversação, utilizei os índices linguísticos sugeridos por Silverstein (2003). A análise mostra os participantes cruzando performatividade racial com gênero e sexualidade no processo de compreensão das peculiaridades de suas próprias existências em diferentes contextos e momentos de suas vidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glenda Cristina Valim de Melo, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP. Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Memória Social, na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Brasil.

Referências

AUSTIN, J. L. (1962). Quando dizer é fazer: palavras e ação. Tradução de Danilo Marcondes. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

APPADURAI, A. (2001) Grassroots globalization and the research imagination. In: Appadurai, A. (org.) Globalization. Durham: Duke University Press, p. 1-19.

BARNARD, I. (2004). Queer race: cultural interventions in the racial politics of queer theory. New York: Peter Lang.

BENTO, M. A. S. (2002). Branqueamento e Branquitude no Brasil. In: CORONE, I.; BENTO, M. A. S. (orgs.) Psicologia social do racismo – estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 25-58.

BUTLER, J. (1997). Excitable speech: a politics of the performative. New York: Routledge.

BUTLER, J. (2018). Corpos em aliança e a políticas das ruas: notas sobre uma teoria performativa de assembleia. Tradução de Fernanda Siqueira Miguens. RJ: Editora Civilização Brasileira.

CARNEIRO, S. (2003). Mulheres em movimento. Estudos Avançados. São Paulo, v. 17, p. 117-132.

CREMIN, C. (2017). What’s in a dress? In: CREMIN, C. Man-made woman. The dialectics of cross-dressing. London: Pluto Press, p. 01-22.

DERRIDA, J. (1972). Signature event context. Limited inc. Evanston: Northwestern University Press. p. 1-23, 1988.

EAGLETON, T. (2017). Hope without optimism. London: Yale University Press.

HOOKS, B. (2015). Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política. Brasília, n. 16, p. 193-210, jan./abril. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522015000200193. Acesso em: 30 set. 2020.

GOMES, N. L.; MELO, G.C.V.de. (2016). Entrevista com Nilma Lino Gomes. Linguagem em Foco. Ceará, v. 8, p. 115-122.

GONZALEZ, Lélia. (1984). Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244.

MBEMBE, A. (2018) Necropolítica. Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: n-1 edições.

MBEMBE, A. (2015). Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona.

MELO, G. C.V de ; ROCHA, L. L.; SILVA JÚNIOR, P. M da. (2013). Raça, Gênero e Sexualidade Interrogando Professores/as: Perspectivas Queer Sobre a Formação Docente. POIÉSIS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação (Unisul), v. 7, n. 12, p. 237-255.

MELO, G. C.V de; MOITA LOPES, L.P. da. (2013). As performances discursivo-identitárias de mulheres negras em uma comunidade para negros na Orkut. DELTA, v. 29, n. 2, p. 237-265.

MELO, G. C.V de; MOITA LOPES, L. P. (2014a). A performance narrativa de uma blogueira: “Tornando-se preta em um segundo nascimento”. Alfa: Revista de Linguística (UNESP. Online), v. 58, p. 541-569.

MELO, G. C.V de; MOITA LOPES, L. P. (2014b). Ordens de Indexicalidades Mobilizadas nas Performances Discursivas de um Garoto de Programa: ser negro e homoerótico. Linguagem em (Dis)curso (Online), v. 14, p. 653-673.

MELO, G. C.V de ; MOITA LOPES, L. P. (2015). “Você é uma morena muito bonita”: a trajetória textual de elogio que fere. Trabalhos em Linguística Aplicada (UNICAMP), v. 54, n. 1, p. 53/54-78.

MELO, G. C.V de; FERREIRA, J. T. R. (2017) As ordens de indexicalidade de gênero, de raça e de nacionalidade em dois objetos de consumo em tempos de Copa do Mundo 2014. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 17, p. 405-426.

MELO, G. C. V. de. (2017). A web como espaço de esperança para os coletivos de mulheres negras. In: RESTREPO, P.; VALENCIA, J. C.; RIVEIRA C. M. (org.). Comunicación y sociedades en movimiento: la revolución sí está sucediendo. Quito: Ediciones Ciespal, p. 149-173.

MIRANDA, J.H..A (2017). Branquitude Invisível – pessoas brancas e a não percepção dos privilégios: verdade ou hipocrisia? In: MULLER, T.; CARDOSO, L. (orgs). Branquitude: estudos sobre a identidade branca no Brasil. Curitiba: Editora Appris. p. 53-89.

MOURA, A. F.; LIMA, M. G. (2014). A reinvenção da roda: roda de conversa: um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação. João Pessoa, v. 23, n.1, p. 98-106, jan.-jun.

MUNANGA, K. (1986). Negritude Usos e Sentidos. São Paulo: Ática.

MUÑOZ, J. E. (1999). Disidentifications. Queers of Color and the performance of politics. Minneapolis: University of Minnesota Press.

MUNIZ, K. (2016). Ainda sobre a possibilidade de uma linguística “crítica”: performatividade, política e identificação racial no Brasil. DELTA, v. 32, n. 3, p. 767-786.

PACHECO, A. C. L. (2013). Mulher Negra: Afetividade e Solidão. Salvador: Editora UFBA.

PIZA, E. S. P. (1995). O caminho das águas: estereótipos de personagens femininas negras na obra para jovens, de escritoras brancas. 216 f. Dissertação de Mestrado em Psicologia Social - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

ROCHA, L. L. (2013) Teoria queer e a sala de aula de inglês na escola pública: performatividade, indexicalidade e estilização. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras.

SILVERSTEIN, M. (2003). Indexical order and the dialectics of sociolinguistic life. Language & Communication, v. 23, issues 3-4, jul.-oct., p. 193-229.

SODRÉ, M. (1999). Claros e Escuros. Rio de Janeiro: Vozes.

SOMMERVILLE, S. B. (2000). Queering the color line. Race and the inventions of homosexuality in American culture. Durham: Duke University.

SOUZA, J. de (2017). A elite do atraso: da escravidão à lavajato. Rio de Janeiro: Leya.

SULLIVAN, N. (2003). A critical introduction to queer theory. New York: New York University Press.

TELLES, E. (2003). Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

MELO, G. C. V. de. Performatividade de raça interseccionada por gênero e sexualidade em uma roda de conversa entre mulheres negras. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 6–15, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8662006. Acesso em: 18 set. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)