Tradução Automática no ensino e na aprendizagem de línguas não maternas

percepções, atitudes e opiniões de professores

Autores

Palavras-chave:

Aprendizagem de línguas , Ensino de línguas, Tradução automática

Resumo

O uso da Tradução Automática (TA) por aprendizes de línguas não maternas é uma realidade apontada por diversas pesquisas (CLIFFORD et al., 2013; ALHAISONI e ALHASYSONY, 2017; AUTOR, 2018). Tal prática suscita reações por parte de docentes, principalmente por preocupação com o processo de aprendizagem de línguas dos alunos usuários do recurso e com a possibilidade de fraude por parte de discentes que podem entregar aos seus professores traduções automáticas como produções da própria autoria, por exemplo. Assim, estudiosos tais como Ducar; Schocket (2018) e Henshaw (2020), por exemplo, realizaram pesquisas visando a encontrar a melhor forma de lidar com a prática de uso da TA no ensino e na aprendizagem de línguas não maternas. Foi buscando contribuir para essa discussão trazendo percepções, atitudes e opiniões de professores de um contexto de ensino e de aprendizagem de línguas brasileiro que a pesquisa que originou este artigo foi realizada. Os dados foram gerados via um questionário online (Google forms) aplicado a 12 professores de línguas cujas respostas foram tabuladas, categorizadas, interpretadas e contrastadas com resultados de outras pesquisas com focos similares. Os resultados indicam que as percepções dos participantes da nossa pesquisa convergem com as dos participantes de pesquisas de outros contextos que abordaram esse aspecto do assunto. Também descobrimos que esses professores têm atitudes flexíveis e opiniões favoráveis em relação ao uso da TA por aprendizes de línguas não maternas e até mesmo à integração da TA ao ensino e à aprendizagem de línguas, desde que haja condições adequadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gbènoukpo Gérard Nouatin, Centro Federal de Educação Tecnologica de Minas Gerais

Estudante de doutorado no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), Brasil.

Vicente Aguimar Parreiras, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Atua na Educação Profissional e Tecnológica, no Ensino Superior e no Mestrado e doutorado em Estudos de Linguagens do CEFET-MG, Brasil.

Referências

ALHAISONI, Eid; ALHAYSONY, Maha. (2017). An Investigation of Saudi EFL University Students’ Attitudes towards the Use of Google Translate. International Journal of English Language Education, v. 5, n. 1, p. 72-82.

ARRIBA GARCÍA, Clara de. (1996). Introducción a la traducción pedagógica. Lenguaje y Textos, n. 8, p. 269-283.

ASQUERINO EGOSCOZÁBAL, Laura. (2015). La traducción pedagógica en la enseñanza del español como lengua extranjera a estudiantes japoneses: propuesta de unidades didácticas para trabajar algunos aspectos problemáticos de la enseñanza del verbo. Dissertação de Mestrado em Tradução, Interpretação e Estudos Interculturais. Universitat Autònoma de Barcelona, Barcelona.

BRANCO, Sinara de Oliveira. (2009). Teorias da tradução e o ensino de língua estrangeira. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 8, n. 2, p. 185-199.

CLIFFORD, Joan; MERSCHEL, Lisa; MUNNÉ, Joan. (2013). Surveying the landscape: What is the role of machine translation in language learning? @tic. revista d’innovació educativa, n. 10, p. 108-121.

CONDE NOGUEROL, María Eugenia. (2018). Los traductores automáticos en línea como recurso metodológico en el aula de Español como lengua Extranjera. In: López-García, Camino; Manso, Jesús. (Eds.), Transforming education for a changing world. Eindhoven: Adaya Press, p. 304-312.

DUCAR, Cynthia; SCHOCKET, Deborah Houk. (2018). Machine translation and the L2 classroom: Pedagogical solutions for making peace with Google translate. Foreign Language Annals, v. 51, n. 4, p. 779-795.

GARCÍA, Ignacio. (2010). Can Machine Translation Help the Language Learner? ICT for Language Learning. Disponível em: http://conference.pixelonline.net/ICT4LL2010/common/download/Proceedings_pdf/T RAD02-Garcia.pdf Acesso em: 23 dez. 2020

HENSHAW, Florencia. (2020). Online translators in language classes: pedagogical and practical considerations. Disponível em: https://fltmag.com/online-translators-pedagogical-practical-considerations/ Acesso em: 09 jan. 2021.

KARNAL, Adriana Riess. (2015). As estratégias de leitura sem e com o uso do google tradutor. Tese de Doutorado em Linguística. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

LEE, Sangmin-Michelle. (2019). The impact of using machine translation on EFL students’ writing. Computer Assisted Language Learning, v. 33, n.3, p. 157-175.

McCARTHY, Brian. (2004). Does online machine translation spell the end of take-home translation assignments? CALL-EJ Online. v. 6, n. 1, p. 26-39.

NIÑO, Ana. (2009). Machine translation in foreign language learning: Language learners’ and tutors’ perceptions of its advantages and disadvantages. ReCALL, v. 21, n. 2, p. 241-258.

NIÑO, Ana. (2020). Exploring the use of online machine translation for independent language learning. Research in Learning Technology, v. 28, p. 1-32.

NOUATIN, Gbènoukpo Gérard. (2018). O papel do tradutor automático livre na aprendizagem de línguas estrangeiras. Dissertação de Mestrado em Estudos de Linguagens. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

PUTRI, Gustika Dayama; HAVID, Ardi. (2015). Types of Errors Found in Google Translation: A Model of MT Evaluation. Proceedings of ISELT FBS Universitas Negeri Padang, Padang, v. 3, p. 183-188.

RORSCHACH, Elizabeth; TILLYER, Anthea; VERDI, Gail. (1992). Research on ESL composition instruction: the Fluency-first approach. In: TESOL 1992 Conference. Vancouver, B.C. Disponível em: https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED350848.pdf . Acesso em: 09 jan. 2021

SÁNCHEZ IGLESIAS, Jorge Juan. (2009). La traducción en la enseñanza de lenguas extranjeras: una aproximación polémica. RedELE, 10. Disponível em: http://www.educacion.es/redele/Biblioteca2009/JJSanchezIglesias/Memoria.pdf Acesso em: 09 jan. 2021

SOMERS, Harold.; GASPARI, Federico.; NIÑO, Ana. (2006). Detecting inappropriate use of free online machine translation by language students – A special case of plagiarism detection. In: 11th Annual Conference of the European Association of Machine Translation. Proceedings of the 11th Annual conference of the European Association for Machine Translation. Disponível em: https://www.aclweb.org/anthology/2006.eamt-1.6.pdf Acesso em: jan. 2018.

STAPLETON, Paul; KIN, Becky. Leung Ka. (2019). Assessing the accuracy and teachers’ impressions of Google Translate: A study of primary L2 writers in Hong Kong. English for Specific Purposes, v. 56, p. 18-34.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

NOUATIN, G. G.; PARREIRAS, V. A. Tradução Automática no ensino e na aprendizagem de línguas não maternas: percepções, atitudes e opiniões de professores. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 841–852, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8664218. Acesso em: 1 jul. 2022.