Deutsches Fest

vergonha e orgulho em um evento de mobilizações simbólicas e econômicas

Autores

Palavras-chave:

mercantilização da linguagem, comunidade de imigração, festa., Mercantilização da linguagem, Comunidade de imigração, Festa

Resumo

Neste artigo temos como objetivo examinar práticas de linguagem que circunscrevem fenômenos de mercantilização de linguagem em um evento festivo ‒ Deutsches Fest ‒que acontece anualmente em uma cidade do Oeste do Paraná. A contribuição do artigo é argumentar que houve alterações cruciais de usos de linguagem, que, de marca de identidade (orgulho), passou a linguagem como recurso ou valor comercial agregado para a festa (lucro), conforme mostram Heller e Duchêne (2012, 2016), e que de lucro houve uma mudança no sentimento de alguns moradores, que se envergonhavam de serem “colonos alemães”, e hoje se orgulham de serem do local. A festa atualiza a história dos moradores, descendentes de imigrantes alemães vindos do Rio Grande do Sul na década de 1960, e as identidades local/regional e nacional (“alemães” versus cidadãos brasileiros), mostrando como esse evento possibilitou essa mudança identitária. Nosso foco são as práticas de linguagem escrita e oral ‒ anúncios em jornais, comerciais da mídia, entrevistas, postagens no Facebook, programas de tevê ‒, e práticas semióticas ‒ as cores da bandeira alemã e o vestuário ‒ na realização da festa, um evento público e coletivo com duração de três dias. Os resultados sugerem que essas práticas são mobilizações simbólicas e econômicas da linguagem que tanto impulsionam o evento turístico comercial quanto promovem discursos de orgulho pelo pertencimento a uma “cultura alemã local”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neiva Maria Jung, Universidade Estadual de Maringá

Professor Associado da Universidade Estadual de Maringá, Brasil.

Regina Coeli Machado e Silva, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Professor associado da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brasil.

Referências

ALTENHOFEN, C. V.; MORELLO, R. (Orgs.) (2018). Hunsrückisch: Inventário de uma Língua do Brasil. Florianópolis: Editora Garapuvu.

ANDERSON, B. (2008[1983]). Imagined communities: Reflections on the origin and spread of nationalism. Londres: Verso. [Tradução brasileira: Anderson, B. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras.]

ANZALDÚA, G. (2009) Como domar uma língua selvagem. Tradução de Pinto, J. P.; Santos, K. C.; Veras, V. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n. 39, p. 297-309.

BOURDIEU, P. (1982). A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. 2. Ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

BOURDIEU, P. (2017). A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS.

BOURDIEU, P. (2007). Escritos da Educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

DA MATTA, R. (1983). Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 3 ed. Rio de Janeiro, Zahar editores.

DA SILVA, E. (2015). Humor, (re)positioning ethnolinguistic ideologies: “You tink is funny?”. Language in Society, v.44, n.2, p.187-212.

DUMONT, L. (1995). O individualismo: uma perspectiva da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco.

DURKHEIM, E. (1983). As formas elementares da vida religiosa. Os Pensadores. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural.

DUVIGNAUD, J. (1983). Festas e civilizações. Fortaleza, Tempo Brasileiro.

FIORIN, J. L.; PETTER, M. (2008). Prefácio. In África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo, Contexto, p. 7-11.

GELLNER, E. (1993). Nações e nacionalismo. Lisboa: Gradiva.

GREGORY, V. (2012). Obrages nos sertões do Paraná: exploração, trabalho e fronteiras. Ideação, 14, 1, p. 43-65.

HELLER, M.; McELHINNY, B. (2017). Language, capitalism, colonialism: toward a critical history. Toronto: University of Toronto Press.

HELLER, M.; DUCHÊNE, A. (2016). Treating language as an economic resource: Discourse, data and debate. In: COUPLAND, N. (Ed.). Sociolinguistics: Theoretical Debates. Cambridge: Cambridge University Press, p. 139–156.

HELLER, M.; DUCHÊNE, A. (2012). Pride and profit: Changing discourses of language, capital and nation-state. In: DUCHÊNE, Alexandre; HELLER, Monica (Eds.). Language in late capitalism: pride and profit. London: Routledge, p. 1-21.

HELLER, M. (2011). Paths to Post-Nationalism: a critical ethnography of language and identity. New York: Oxford University Press.

HELLER, M. (2010). The Commodification of Language. Annual Review of Anthropology, v. 39, n. 1, p. 101–114. Disponível em: <http://www.annualreviews.org/doi/10.1146/annurev.anthro.012809.104951>. Acesso em: 05 jul. 2018.

HELLER, M. (2003). Globalization, the new economy, and the commodification of language and identity. Journal of Sociolinguistics, v. 7, n. 4, p. 473–492.

HOBSBAWM, E. J. (1990). Nações e nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

JAFFE, A. (2009). Comic performance and the articulation of hybrid identity. Pragmatics, 10(1), 39-59.

JUNG, N. M. (2009). A (re)produção de identidades sociais na comunidade e na escola. Ponta Grossa/PR: Editora UEPG.

JUNG, N. M. (2003). Identidades sociais na escola: gênero, etnicidade, língua e as práticas de letramento em uma comunidade rural multilíngue. Tese (Doutorado em Letras). Programa de Pós-Graduação em Letras. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

KLAUCK, S. (2004). Gleba dos Bispos. Colonização no Oeste do Paraná ‒ uma experiência católica de ação social. Porto Alegre, RS: EST Edições.

LUNKES, G. (2005). O Município/A Cidade tem muito futuro neste passado. Marechal Cândido Rondon, PR: Germânica.

OLIVEN, R. G.; GARCEZ, P. de M. (2020). “A mudança social se desenrola conflituosamente no terreno da linguagem”: entrevista com Monica Heller (Professora da University of Toronto). Horiz. antropol., Porto Alegre, v. 26, n. 57, p. 315-359.

PARIZOTTO. R. (2018) MEMÓRIAS PARA EDUCAÇÃO DO MUNÍCIPE: histórias do Município por entre memórias escritas e memórias vividas. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Cascavel.

PRIORI, A. et al. (2012). História do Paraná: séculos XIX e XX [online]. Maringá: Eduem. In: A história do Oeste Paranaense. p. 75-89.

QUIJANO, A. (2009). Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Orgs.) Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina.

SEYFERTH, G. (1997). A assimilação dos imigrantes como questão nacional, MANA 3(1): 95-131.

SILVA, R. C. M. (2013). Vidas, Nações e Estados se fazendo nas fronteiras entre Brasil, Paraguai, Argentina. Ideação (Unioeste. Impresso), v. 15, p. 10-32.

SILVA, R. C. M. (2020) Como Experimentamos e Entendemos, do Lado Brasileiro, as Fronteiras com a Argentina e com o Paraguai / How We Experience and Understand the Borders with Argentina and Paraguay from the Brazilian Side. Espaço aberto, PPGG - UFRJ, v. 10, p. 83-98.

STAMBOROSKI JR, A. A. (2011). Música Popular Germânica no Sul do Brasil: um panorama histórico da “bandinha” ao “pop do sul”. São Paulo: Funarte. Ministério da Cultura.

STRAUB, E. (2003). A tipografia no meios editoriais de Curitiba. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Santa Catarina.

WILLIAMS, Raymond. (1898). O Campo e a Cidade na história e na literatura. Trad. por Paulo Henrique de Britto. São Paulo: Cia das Letras.

REFERÊNCIAS DO CORPUS

CARTAZES. (2019) Disponível em: https://www.deutschesfest.com.br/galerias/cartazes. Acesso em fev. 2021.

COMPROMETIMENTO COM A EXCELÊNCIA. Disponível em: http://www.inab.com.br/ Acesso em 3 abr. 2021.

Concurso da Rainha na 18. Deutsches Fest tem 08 candidatas. (2019) Disponível em: https://www.deutschesfest.com.br/noticias/concurso-da-rainha-na-18a-deutsches-fest-tem-08-candidatas Acesso em: 25 fev. 2020.

Deutsches Fest – Liu. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=52DvP6_eoZQ. Acesso em out. 2019.

ITAIPU BINACIONAL. Turismo em Itaipu. (2021) Disponível em: <https://www.itaipu.gov.br/turismo-itaipu>. Acesso em 22 fev. 2021.

JCI BRASIL. Quem somos. Disponível em: https://www.jci.org.br/?page_id=2429. Acesso em: 22 fev. 2021.

LAR COOPERATIVA. Nossa História. Disponível em:<https://www.lar.ind.br/institucional/ >. Acesso em 22 fev. 2021.

PRATOS TÍPICOS. Disponível em: https://www.deutschesfest.com.br/pratos-tipicos. Acesso em: 22 fev. 2021.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO/DA CIDADE. O Município. Disponível em: https://www.missal.pr.gov.br/municipio/historia. Acesso em: 22 fev. 2021.

REGULAMENTO DO CONCURSO DOS CARROS ALEGÓRICOS DA 18ª DEUTSCHES FEST (2019). Disponível em: https://www.deutschesfest.com.br/noticias/regulamento-do-concurso-dos-carros-alegoricos. Acesso em: 22 FEV. 2021.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

JUNG, N. M.; MACHADO E SILVA, R. C. Deutsches Fest: vergonha e orgulho em um evento de mobilizações simbólicas e econômicas. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 364–378, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8664776. Acesso em: 19 out. 2021.