A expressão de sentimentos no curta-metragem Bravura e em sua audiodescrição

um estudo comparativo entre a função interpessoal da narrativa visual e a valoração na linguagem verbal

Autores

Palavras-chave:

Tradução Audiovisual Acessível, Audiodescrição, Sociossemiótica , Multimodalidade, Leitura da narrativa visual

Resumo

Este artigo objetiva estudar a expressão dos sentimentos em duas sequências de Bravura e na audiodescrição (AD) desse curta de animação. O trabalho se enquadra no campo dos Estudos da Tradução, mais particularmente nos da Tradução Audiovisual Acessível, em que a AD é uma forma de acessibilizar uma obra audiovisual para as Pessoas com Deficiência Visual. A pesquisa adotou a abordagem da sociossemiótica multimodal e da Semântica do Discurso. Para a leitura da narrativa visual, utilizou-se os sistemas interpessoais de Painter, Martin e Unsworth (2012), enquanto, para a análise do verbal, elegeu-se o Sistema de valoração de Martin e White (2005). Para a análise do filme e da AD fílmica enquanto gêneros, o aporte é Martin e Rose (2008). A proposta metodológica de Iedema (2001), de segmentação de filmes para análise, foi adotada parcialmente. Os resultados mostram que os textos manifestam a presença dos significados interpessoais relativos à expressão de atitude. O roteiro da AD tem predominância de afeto e apreciação, ambos com carga positiva e gradação por força. Já a narrativa visual apresenta uma gama maior de significados que evocam afeto, em especial pathos, ambiência e gradação. Os resultados também mostram que há complementaridade entre os modos visual e verbal quanto aos significados interpessoais. No entanto, o modo visual apresenta uma variedade maior desses significados. Por exemplo, há familiaridade das cores, o que, por um lado, aproxima a cena do real. No desenho da personagem, constata-se mudança do engajamento empático para o apreciativo, o que, por outro, distancia o espectador da referida personagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaína Vieira Taillade Abud, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Brasil.

Referências

ABUD, J. V. T. (2016) A construção dos sentimentos das personagens no drama familiar Um Amigo Inesperado: um estudo baseado em corpus. Trabalho de Conclusão de Curso de Bacharelado em Letras Inglês. Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

ABUD, J. V. T. (2018) Análise do roteiro de audiodescrição da peça Miralu e a Luneta Encantada: um estudo descritivo via Sistema de Avaliatividade. Dissertação de Mestrado Acadêmico em Linguística Aplicada. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

ALMEIDA, J. M. B. (2015). O roteiro de audiodescrição do filme de curta-metragem ‘Águas de Romanza’ é neutro? uma pergunta para o sistema de avaliatividade. Trabalho de Conclusão de Curso de Bacharelado. Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

ARRAES, D. de A. (2017). A (falta de) reconstrução de programas de efeitos em roteiros de audiodescrição de filme via posicionamentos avaliativos do audiodescritor: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado Acadêmico em Linguística Aplicada. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

BALDRY, A.; THIBAULT, P. J. (2006). Multimodal transcription and text analysis. London: Equinox, 1996. (Equinox Textbooks and Surveys in Linguistics).

BATEMAN, J. A. (2016). Methodological and theoretical issues in multimodality. In: KLUG, N. M.; STÖCKL, H. (Ed.), Handbuch sprache im multimodalen kontext. Berlin: De Gruyter Mouton, p. 36-74.

BORDWELL, D.; THOMPSON, K. (2006). El arte cinematográfico. Barcelona: Paidós, 1993.

BRAVURA. (2018). Produção: Leonardo Minozzo. Direção e roteiro: Giovanni Scoz Girardi. Roteiro: Luiz Gustavo Santos. Brasil: Cafundó Estúdio Criativo, 2018. Arquivo em formato AVI. 4 minutos e 15 segundos. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XbGHux2F5Rg. Acesso em: 31 jul. 2018.

Carmona, R. (2002). Cómo se comenta un texto fílmico. Madrid: Cátedra.

COSTE, D.; PIER, J. (2009). Narrative Levels. In: Hühn, P. et al. (Ed.), Handbook of Narratology. Berlín/Nueva York: De Gruyter, p. 295-308.

ECONOMOU, D. Photos in the News: Appraisal Analysis of Visual Semiosis and Verbal-visual Intersemiosis. Tese de Doutorado em Filosofia. Universidade de Sydney, Sydney. Disponível em: http://hdl.handle.net/2123/5740. Acesso em: 9 mar. 2021.

FARIAS JÚNIOR, L. R. (2016). O roteiro de AD em português do filme ‘Ensaio sobre a cegueira’: um estudo descritivo sobre o estilo avaliativo do texto. Dissertação de Mestrado Acadêmico em Linguística Aplicada. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

FRESNO, N.; CASTELLÀ, J.; SOLER-VILAGELIU, O. (2016). What should I say? Tentative criteria to prioritize information in the audio description of film characters. In: MATAMALA, A.; ORERO, P. (Ed.), Researching Audio Description: new approaches. London: Palgrave Macmillan, p. 143-167.

GRAÇA, M. E. (2006). Entre o olhar e o gesto: elementos para uma poética da imagem animada. São Paulo: Editora Senac São Paulo.Gutiérrez San Miguel, B. (2006). Teoría de la narración audiovisual. Madrid: Cátedra.

GOUVEIA, C. A. M. (2009) Texto e gramática: uma introdução à Linguística Sistémico-Funcional. Matraga. Rio de Janeiro. v. 16, n. 24, p. 2-18.

HALLIDAY, M. A. K. (1985). An introduction to functional grammar. London: Edward Arnold.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. M. I. M. (2014). Halliday’s Introduction to Functional Grammar. 4. ed. Oxford: Routledge.

IEDEMA, Rick. (2001). Analysing film and television: a social semiotic account of hospital: an unhealthy business. In: LEEUWEN, Theo van; JEWITT, Carey, Handbook of Visual Analysis. London: Sage Publications, p. 183-204.

JAKOBSON, R. (2010). Linguística e comunicação. 22. ed. São Paulo: Cultrix.

JANNIDIS, F. (2009). Character. In: HÜHN, P. et al. (Ed.), Handbook of Narratology. Berlin/Nova York: De Gruyter, p. 14-29.

JIMÉNEZ HURTADO, C. (2010). Un corpus de cine: teoría y práctica de la audiodescripción. Granada: Tragacanto.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. (2006). Reading images: the grammar of the visual design. London: Routledge.

LIMA, A. K. F. (2016). A audiodescrição de monumentos de Fortaleza: um estudo sobre o estilo interpretativo da perspectiva da assinatura avaliativa da audiodescritora. Trabalho de Conclusão de Curso de Bacharelado. Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

MAGALHÃES, C. M.; PRAXEDES FILHO, P. H. L. (2018). Neutrality in audio descriptions of paintings: an Appraisal System-based study of corpora in English and Portuguese. Revista da Anpoll. Florianópolis. v. 1, n. 44, p. 279-298.

MARTIN, J. R. (1992). English text: system and structure. John Benjamin: Amsterdam.

MARTIN, J. R.; WHITE, P. R. R. (2005). The language of evaluation: appraisal in English. New York: Palgrave Macmillan.

MARTIN, J.; ROSE, D. (2007). Working with Discourse: meaning beyond the clause. London: Continuum.

MARTIN, J.; ROSE, D. (2008). Genre relations: Mapping culture. London: Equinox.

NÓBREGA, A. C. P. (2015). A construção dos ambientes nos roteiros de audiodescrição dos filmes de animação Up – Altas Aventuras e Megamente: um estudo baseado em corpus. Monografia de Bacharelado em Letras Inglês. Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

OLIVEIRA JÚNIOR, J. N. (2016). Desmistificando a neutralidade em AD via Sistema de Avaliatividade: um estudo exploratório-descritivo sobre a assinatura avaliativa do audiodescritor de curtas de temática LGBT. Tese de Doutorado Acadêmico em Linguística Aplicada. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

OLIVEIRA JÚNIOR, J. N.; PRAXEDES FILHO, P. H. (2016). A (não)neutralidade em roteiros de audiodescrição-AD de filmes de curta-metragem via sistema de avaliatividade. In: CARPES, D. S. (Org.), Audiodescrição: práticas e reflexões. Santa Cruz do Sul: Catarse, p. 22-36.

PAINTER, C.; MARTIN, J. R.; UNSWORTH, L. (2012). Reading visual narratives: image analysis of children picture books. Equinox: Sheffield.

PLAZA, J. (2013). Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva.

PRAXEDES FILHO, P. H. L.; MAGALHÃES, C. M. (2013). A neutralidade em audiodescrições de pinturas: resultados preliminares de uma descrição via teoria da avaliatividade. In: ARAÚJO, V. L. S.; ADERALDO, M. F. (Org.), Os novos rumos da audiodescrição no Brasil. Curitiba: CRV, p. 73-87.

PRAXEDES FILHO, P. H. L.; MAGALHÃES, C. M. (2015). Audiodescrições de pinturas são neutras? Descrição de um pequeno corpus em português via Sistema de Avaliatividade. In: PONTES, V. O. et al. (Org.), A tradução e suas interfaces: múltiplas perspectivas. Curitiba: CRV, p. 99-130.

PRAXEDES FILHO, P. H. L.; SANTOS, S. A.; FARIAS JÚNIOR, L. R. (2017). Tendência de assinatura avaliativa: um estudo de caso exploratório em roteiro de audiodescrição de peça de teatro. Entrepalavras. v. 7, p. 243-265.

SALWAY, A.; Graham, P. (2003). Extracting Information About Emotions in Films. In: 11th ACM Conference on Multimedia 2003. Proceedings. p. 299-302.

SEOANE, A. F. (2015). A descrição das características físicas dos personagens nos filmes audiodescritos exibidos pela Rede Globo: um estudo baseado em corpus. Monografia de Bacharelado em Letras Inglês. Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

SILVA, M. C. C. C. (2019). Para além do visível: princípios para uma audiodescrição menos visocêntrica. Tese de Doutorado Acadêmico em Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SOUZA, L. (2011). A tradução de termos de recentes desenvolvimentos da linguística sistêmico-funcional para o português brasileiro. Tradução & Comunicação: Revista Brasileira de Tradutores. n. 22, p. 73-90.

TSENG, C. (2013). Cohesion in films: tracking film elements. New York: Palgrave Macmillan.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

ABUD, J. V. T. A expressão de sentimentos no curta-metragem Bravura e em sua audiodescrição: um estudo comparativo entre a função interpessoal da narrativa visual e a valoração na linguagem verbal. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 1, p. 218–235, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8664938. Acesso em: 28 set. 2022.