Shirley Jackson, Kazuo Ishiguro e o público leitor geek

aspectos condicionantes de marcas de oralidade em traduções de ficção de gênero e de ficção literária

Autores

Palavras-chave:

Estudos da tradução, Marcas de oralidade, Ficção de gênero, Ficção literária

Resumo

Este artigo apresenta uma pesquisa sobre marcas de oralidade em um romance de ficção de gênero, A assombração da casa da colina, de Shirley Jackson (traduzido por Débora Landsberg), e em um romance de ficção literária, Não me abandone jamais, de Kazuo Ishiguro (traduzido por Beth Vieira), ambos publicados pelo Grupo Editorial Companhia das Letras. Em consonância com Amorim (2018a, 2018b e 2021a), este trabalho pretendeu avaliar se obras traduzidas, associadas aos best-sellers, como as de ficção de gênero, seriam permeáveis às marcas de oralidade, comparativamente às obras de ficção literária. Realizaram-se um levantamento quantitativo e uma análise qualitativa das marcas de oralidade. Coletaram-se informações sobre a popularidade das obras e sobre o nível de ressonância de seus autores junto ao campo acadêmico. Como o livro de Jackson é publicado por um selo voltado ao público geek, recorremos às informações de uma pesquisa sociológica acerca de seu perfil no Brasil. Os resultados apontaram que: a) ambas as obras detêm um grau elevado de marcas de oralidade; e b) apesar das diferenças, os dois autores desfrutam de elevado capital simbólico, traduzido em prêmios literários e em recepção crítica junto ao campo acadêmico-universitário. As análises sugerem a existência de hierarquias governando os graus de consagração/reverberação acadêmica quanto à diferenciação de obras e autores, mesmo no subcampo da ficção de gênero, e que leitores com diferentes níveis de capital cultural/escolar poderiam, talvez, exercer alguma influência no modo como que tradutores/editores projetam a representação da variação linguística nas traduções a serem publicadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lauro Maia Amorim, Universidade Estadual Paulista

Professor Assistente Doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, em São José do Rio Preto, São Paulo.

Referências

AMORIM, L. M. (2021b) Shirley Jackson, Kazuo Ishiguro e o público leitor geek: Aspectos condicionantes de marcas de oralidade em traduções de ficção de gênero e de ficção literária. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 60, n.1.

AMORIM, L. M. (2021a) Capital simbólico, público-leitor e a tradução de best-sellers: a questão da representação da variação linguística em Androides sonham com ovelhas elétricas?, de Philip K. Dick, e em Star Wars: Provação, de Troy Denning. Tradução em Revista, 31.

AMORIM, L. M. (2018b). Contrastando marcas de oralidade em traduções de “alta literatura” e de “best-sellers de ficção popular”: Ernest Hemingway e Agatha Christie. Belas Infiéis, v. 7, n. 1, p. 59-90, 2018.

AMORIM, L. M. (2018a). A variação linguística em traduções de alta literatura e de best-sellers de ficção popular. TradTerm, São Paulo, v.31, p. 136-163.

BOURDIEU, P. (2017). A distinção: crítica social do julgamento. 2. ed. Tradução Daniela Kern e Guilherme Teixeira. Porto Alegre: Zouk.

BOURDIEU, P. (2015). A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. 3. ed. Tradução Guilherme João de Freitas Teixeira. Porto Alegre: Zouk.

BOURDIEU, P. (1983). Esboço da teoria da prática. In: ORTIZ, Renato (Org.). Pierre Bourdieu/Sociologia. Coleção Grandes Cientistas Sociais. Tradução Paula Monteiro. São Paulo: Ática.

BRITTO, P. H. (2012). A tradução literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

FERRO, S. (2019). Five facts about Shirley Jackson. Mental Floss. Disponível em: https://www.mentalfloss.com/article/566901/shirley-jackson-facts. Acesso em: Jan. 2021.

GRUPO alemão Bertelsmann conclui aquisição da Penguin Random House. (2020). Folha de São Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2020/04/grupo-alemao-bertelsmann-conclui-aquisicao-da-penguin-random-house.shtml. Acesso em: Jan. 2021.

LIZARDO, O.; SKILES, S. (2016). After omnivoriousness is Bourdieu still relevant? In: HANQUINET, L.; SAVAGE, M. (Ed). Routledge International Handbook of the Sociology of Art and Culture. New York: Routledge.

LOUREIRO, J. (2020) Conheça quais são as maiores editoras do Brasil. Livrobingo. Disponível em: https://www.livrobingo.com.br/conheca-quais-sao-as-maiores-editoras-do-brasil. Acesso em: 10 Jan. 2021.

ISHIGURO, K. (2016). Não me abandone jamais. Tradução de Beth Vieira. São Paulo: Companhia das Letras.

ISHIGURO, K. (2006). Never let me go. New York: Vintage Books.

ISHIGURO, K. (2016). The Buried Giant. New York: Knopf Doubleday.

ISHIGURO, K. (1990). The Remains of the Day. New York: Vintage International.

JACKSON, S. (2018). A assombração da casa da colina. Tradução de Débora Landsberg. São Paulo: Suma/Companhia das Letras.

JACKSON, S. (2006). The Haunting of Hill House. New York: Penguin Classics.

JACKSON, S. (2006). We have always lived in the castle. New York: Penguin Classics.

LE GUIN, U. (2015). Are they going to say this is fantasy? Book View Café. Disponível em: http://bookviewcafe.com/blog/2015/03/02/are-they-going-to-say-this-is-fantasy/.Acesso em: Jan 2021.

MARCHE, S. (2015). How Genre Fiction Became More Important Than Literary Fiction. Esquire. Disponível em: https://www.esquire.com/entertainment/books/a33599/genre-fiction-vs-literary-fiction/. Acesso em: Jan. 2015.

MICHEL, L. (2015). Was the Year the Literary Versus Genre War Ended. Flipboard. Disponível em: https://flipboard.com/@vice/2015-was-the-year-the-literary-versus-genre-war-ended/f-6391f13e22%2Fvice.com?format=amp. Acesso em: Jan. 2021.

MILLER, L. (2015). We're all genre readers now: Can we finally stop the tired “pixies and dragons” vs. literary fiction wars? Salon. Disponível em: https://www.salon.com/2015/03/11/were_all_genre_readers_now_can_we_finally_stop_the_tired_pixies_and_dragons_vs_literary_fiction_wars/. Acesso em: Jan 2021.

A NOVA SUMA. (2017). Publishnews. Disponível em: https://www.publishnews.com.br/materias/2017/08/30/a-nova-suma#:~:text=%E2%80%9CO%20p%C3%BAblico%20geek%20%C3%A9%20mais,para%20os%20leitores%20e%20f%C3%A3s%E2%80%9D. Acesso em: Jan. 2021.

SUSTICK, K. (2020). Professor examines works that push the limits of genre. The Ithacan. Disponível em: https://theithacan.org/opinion/qa-professor-examines-works-that-push-the-limits-of-genre/. Acesso em: Jan. 2021.

SWIRSKI, P.; VANHANEN, T. E. (Eds.). (2017). When Highbrow Meets Lowbrow Popular Culture and the Rise of Nobrow. New York: Palgrave Macmillian.

SWIRSKI, P. (2005). From Lowbrow to Nobrow. Montreal: McGill-Queen’s University Press.

VROOMAN, S. et al. (2018). Mediagasms, Ironic Nerds, and Mainstream Geeks: A Multimethodological Ideographic Cluster Analysis of and and on Twitter. In: LANE, K. (Ed.) Age of the Geek: Depictions of Nerds and Geeks in Popular Media. Palgrave MacMillan: Alva.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

AMORIM, L. M. Shirley Jackson, Kazuo Ishiguro e o público leitor geek: aspectos condicionantes de marcas de oralidade em traduções de ficção de gênero e de ficção literária. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 550–565, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8665066. Acesso em: 19 out. 2021.