Banner Portal
Shirley Jackson, Kazuo Ishiguro e o público leitor geek
PDF

Palavras-chave

Estudos da tradução
Marcas de oralidade
Ficção de gênero
Ficção literária

Como Citar

AMORIM, Lauro Maia. Shirley Jackson, Kazuo Ishiguro e o público leitor geek: aspectos condicionantes de marcas de oralidade em traduções de ficção de gênero e de ficção literária. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 550–565, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8665066. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta uma pesquisa sobre marcas de oralidade em um romance de ficção de gênero, A assombração da casa da colina, de Shirley Jackson (traduzido por Débora Landsberg), e em um romance de ficção literária, Não me abandone jamais, de Kazuo Ishiguro (traduzido por Beth Vieira), ambos publicados pelo Grupo Editorial Companhia das Letras. Em consonância com Amorim (2018a, 2018b e 2021a), este trabalho pretendeu avaliar se obras traduzidas, associadas aos best-sellers, como as de ficção de gênero, seriam permeáveis às marcas de oralidade, comparativamente às obras de ficção literária. Realizaram-se um levantamento quantitativo e uma análise qualitativa das marcas de oralidade. Coletaram-se informações sobre a popularidade das obras e sobre o nível de ressonância de seus autores junto ao campo acadêmico. Como o livro de Jackson é publicado por um selo voltado ao público geek, recorremos às informações de uma pesquisa sociológica acerca de seu perfil no Brasil. Os resultados apontaram que: a) ambas as obras detêm um grau elevado de marcas de oralidade; e b) apesar das diferenças, os dois autores desfrutam de elevado capital simbólico, traduzido em prêmios literários e em recepção crítica junto ao campo acadêmico-universitário. As análises sugerem a existência de hierarquias governando os graus de consagração/reverberação acadêmica quanto à diferenciação de obras e autores, mesmo no subcampo da ficção de gênero, e que leitores com diferentes níveis de capital cultural/escolar poderiam, talvez, exercer alguma influência no modo como que tradutores/editores projetam a representação da variação linguística nas traduções a serem publicadas.

PDF

Referências

AMORIM, L. M. (2021b) Shirley Jackson, Kazuo Ishiguro e o público leitor geek: Aspectos condicionantes de marcas de oralidade em traduções de ficção de gênero e de ficção literária. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 60, n.1.

AMORIM, L. M. (2021a) Capital simbólico, público-leitor e a tradução de best-sellers: a questão da representação da variação linguística em Androides sonham com ovelhas elétricas?, de Philip K. Dick, e em Star Wars: Provação, de Troy Denning. Tradução em Revista, 31.

AMORIM, L. M. (2018b). Contrastando marcas de oralidade em traduções de “alta literatura” e de “best-sellers de ficção popular”: Ernest Hemingway e Agatha Christie. Belas Infiéis, v. 7, n. 1, p. 59-90, 2018.

AMORIM, L. M. (2018a). A variação linguística em traduções de alta literatura e de best-sellers de ficção popular. TradTerm, São Paulo, v.31, p. 136-163.

BOURDIEU, P. (2017). A distinção: crítica social do julgamento. 2. ed. Tradução Daniela Kern e Guilherme Teixeira. Porto Alegre: Zouk.

BOURDIEU, P. (2015). A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. 3. ed. Tradução Guilherme João de Freitas Teixeira. Porto Alegre: Zouk.

BOURDIEU, P. (1983). Esboço da teoria da prática. In: ORTIZ, Renato (Org.). Pierre Bourdieu/Sociologia. Coleção Grandes Cientistas Sociais. Tradução Paula Monteiro. São Paulo: Ática.

BRITTO, P. H. (2012). A tradução literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

FERRO, S. (2019). Five facts about Shirley Jackson. Mental Floss. Disponível em: https://www.mentalfloss.com/article/566901/shirley-jackson-facts. Acesso em: Jan. 2021.

GRUPO alemão Bertelsmann conclui aquisição da Penguin Random House. (2020). Folha de São Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2020/04/grupo-alemao-bertelsmann-conclui-aquisicao-da-penguin-random-house.shtml. Acesso em: Jan. 2021.

LIZARDO, O.; SKILES, S. (2016). After omnivoriousness is Bourdieu still relevant? In: HANQUINET, L.; SAVAGE, M. (Ed). Routledge International Handbook of the Sociology of Art and Culture. New York: Routledge.

LOUREIRO, J. (2020) Conheça quais são as maiores editoras do Brasil. Livrobingo. Disponível em: https://www.livrobingo.com.br/conheca-quais-sao-as-maiores-editoras-do-brasil. Acesso em: 10 Jan. 2021.

ISHIGURO, K. (2016). Não me abandone jamais. Tradução de Beth Vieira. São Paulo: Companhia das Letras.

ISHIGURO, K. (2006). Never let me go. New York: Vintage Books.

ISHIGURO, K. (2016). The Buried Giant. New York: Knopf Doubleday.

ISHIGURO, K. (1990). The Remains of the Day. New York: Vintage International.

JACKSON, S. (2018). A assombração da casa da colina. Tradução de Débora Landsberg. São Paulo: Suma/Companhia das Letras.

JACKSON, S. (2006). The Haunting of Hill House. New York: Penguin Classics.

JACKSON, S. (2006). We have always lived in the castle. New York: Penguin Classics.

LE GUIN, U. (2015). Are they going to say this is fantasy? Book View Café. Disponível em: http://bookviewcafe.com/blog/2015/03/02/are-they-going-to-say-this-is-fantasy/.Acesso em: Jan 2021.

MARCHE, S. (2015). How Genre Fiction Became More Important Than Literary Fiction. Esquire. Disponível em: https://www.esquire.com/entertainment/books/a33599/genre-fiction-vs-literary-fiction/. Acesso em: Jan. 2015.

MICHEL, L. (2015). Was the Year the Literary Versus Genre War Ended. Flipboard. Disponível em: https://flipboard.com/@vice/2015-was-the-year-the-literary-versus-genre-war-ended/f-6391f13e22%2Fvice.com?format=amp. Acesso em: Jan. 2021.

MILLER, L. (2015). We're all genre readers now: Can we finally stop the tired “pixies and dragons” vs. literary fiction wars? Salon. Disponível em: https://www.salon.com/2015/03/11/were_all_genre_readers_now_can_we_finally_stop_the_tired_pixies_and_dragons_vs_literary_fiction_wars/. Acesso em: Jan 2021.

A NOVA SUMA. (2017). Publishnews. Disponível em: https://www.publishnews.com.br/materias/2017/08/30/a-nova-suma#:~:text=%E2%80%9CO%20p%C3%BAblico%20geek%20%C3%A9%20mais,para%20os%20leitores%20e%20f%C3%A3s%E2%80%9D. Acesso em: Jan. 2021.

SUSTICK, K. (2020). Professor examines works that push the limits of genre. The Ithacan. Disponível em: https://theithacan.org/opinion/qa-professor-examines-works-that-push-the-limits-of-genre/. Acesso em: Jan. 2021.

SWIRSKI, P.; VANHANEN, T. E. (Eds.). (2017). When Highbrow Meets Lowbrow Popular Culture and the Rise of Nobrow. New York: Palgrave Macmillian.

SWIRSKI, P. (2005). From Lowbrow to Nobrow. Montreal: McGill-Queen’s University Press.

VROOMAN, S. et al. (2018). Mediagasms, Ironic Nerds, and Mainstream Geeks: A Multimethodological Ideographic Cluster Analysis of and and on Twitter. In: LANE, K. (Ed.) Age of the Geek: Depictions of Nerds and Geeks in Popular Media. Palgrave MacMillan: Alva.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Trabalhos em Linguística Aplicada

Downloads

Não há dados estatísticos.