Gêneros, sexualidades e práticas de letramentos literários

um olhar decolonial para as listas de leituras obrigatórias dos vestibulares

Autores

Palavras-chave:

Letramentos literários, Vestibular, Decolonialidades, Gênero, Sexualidade

Resumo

O objetivo deste trabalho é, a partir dos preceitos da decolonialidade (QUIJANO, 2005; WALSH, 2009), analisar as listas de leituras obrigatórias de vestibulares, investigando: os efeitos retroativos dessas listas nas práticas de letramentos literários escolares; a diversidade social, étnica, sexual e de gênero que elas promovem; como movimentam o cânone literário escolar; e como contribuem (ou podem contribuir) para uma maior democratização da/na educação literária. Para isso, selecionamos listas dos últimos vestibulares de sete universidades públicas, buscando contemplar instituições de cada região do Brasil. Tomamos as listas de leituras como importante ferramenta de legitimação de autores e obras literárias para o contexto escolar. A análise proposta é qualitativo-interpretativista (MOITA-LOPES, 1994; 2006) e compreende que todas as práticas de letramentos literários são ideológicas (STREET, 2014), o que pressupõe tanto uma investigação em diálogo com os contextos sociais e com os diversos atores/agentes em torno das práticas de letramentos analisadas, quanto uma interpretação que não isole os dados da pesquisa das relações de poder e disputas discursivas exercidas em torno deles. A partir da constatação de que a inclusão promovida por essas listas de obras literárias se limita apenas a determinadas diversidades, procuramos analisar, especialmente, a ausência de autores e obras LGBTIA+, a fim de compreender as razões dessa ausência e demonstrar o potencial educativo que obras e autores desses grupos sociais poderiam ter na construção de práticas de letramentos literários escolares de reexistência (SOUZA, 2011; WALSH, 2009) para uma educação transgressora (HOOKS, 2017) e democrática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Vinícius Souza Silva, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando sobre literatura e Direitos Humanos nas narrativas e memórias de ex-estudantes do ensino básico pela Unicamp.

Rodrigo Corrêa Martins Machado, Universidade Federal de Ouro Preto

Professor Adjunto do Departamento de Letras da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Referências

ALBUQUERQUE, G. (2018). Literatura e escola – as poéticas ameríndias em condição insular. In: SILVA, S. B. B. da; PEREIRA, J. N. (Orgs.). Língua portuguesa e literatura no livro didático: desafios e perspectivas. Campinas: Pontes Editore.

ALCALDE, E. (Org.). (2019). Coleção Slam – LGBTQIA+. São Paulo: Autonomia Literária.

ALESP. (2020). Projeto de lei 504/2020. 05 de agosto de 2020. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/propositura/?id=1000331594. Consultado em 10/05/2021.

AMORIM, M. Á. de. (2017). Ensino de literaturas: perspectivas em linguística aplicada. 1. ed. Campinas: Pontes Editores.

ANTOLOGIA Trans. (2017) 30 poetas trans, travestis e não-binários. São Paulo: Invisíveis Produções.

BORBA, R. (2020). Linguística queer: algumas desorientações. In: BORDA, R. (Org.). Discursos Transviados: por uma linguística queer. São Paulo: Cortez.

BUTLEIN, M. (2019). “Qual a formação de professores para ensinar literatura?”. In: MELLO, Cláudio; SEGABINAZI, Daniela Maria; OLIVEIRA, Gabriela Rodela de (Orgs). Literatura e ensino: desafios contemporâneos. Guarapuava: Unicentro, p. 17 – 41.

BUTLER, J. (2017). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 13 ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

FERNANDES, E. R. (2017) “Existe índio gay?”: a colonização das sexualidades indígenas no Brasil. Curitiba: Editora Prismas.

GONZALES, L. (2020). Por um feminismo afro latino americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organização RIOS, Flávio; LIMA, Márcia. 1ª ed. Rio de Janeiro: Zahar.

G1. (2016). De testemunha de Jeová a voz do funk LGBT, MC Linn da Quebrada se diz “terrorista de gênero”. 12 de setembro de 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/musica/noticia/2016/09/de-testemunha-de-jeova-voz-do-funk-lgbt-mc-linn-da-quebrada-se-diz-terrorista-de-genero.html. Consultado em 09/05/2021.

HOOKS, B. (2013). Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

JUNQUEIRA, R. D. et al. (2020). Políticas Educacionais de Gênero e Sexualidade no Brasil 2020: enquadramentos e enfrentamentos. In: FACCHINI, Regina; FRANÇA, Isadora Lins (orgs.). Direitos em Disputa: LGBTI+, poder e diferença no Brasil contemporâneo. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

LUGONES, M. (2020). Colonialidade e gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivais decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, p. 52-83.

MALDONADO-TORRES, N. (2007). Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GOMÉZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramon. Orgs. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana. Instituto Pensar, p. 127-159.

MAZZARO, D. (2021). Por uma educação lingüística queer: estranhando conceitos e práticas. Gragoatá, Niterói, v.26, n.56, p.1052-1084. Disponível em: https://doi.org/10.22409/gragoata.v26i56.49224. Acesso em: 22/10/2021.

MISKOLCI, R. (2016). Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças.2 ed. Belo horizonte: Autentica editora: UFOP – Universidade Federal de Ouro Preto.

MOIRA, A. (2017). “Prefacio: A língua pelos nossos corpos” In: Antologia Trans: 30 poetas trans, travestis e não-binários. São Paulo: Invisíveis produções.

MOITA-LOPES, L. P. da. (1994). Pesquisa interpretativistas em linguística aplicada: a linguagem como condição e solução. Revista DELTA, São Paulo, v. 10, n. 2. pp. 329-338.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). (2006). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 279 p.

MOTT, L; MICHELS, E. (2019). Relatório 2018: Assassinatos de LGBT no Brasil [Internet]. Brasil: Grupo Gay da Bahia - GGB. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/relatc3b3rio-2016-ps.pdf. Acesso em 04/05/2021.

QUIJANO, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América-Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Colección Sur Sur, CLACSO, p. 107 – 130.

QUIJANO, A. (2005) Colonialidad del poder y clasificación social. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Colección Sur Sur, CLACSO, p. 93-126.

RAJAGOPALAN, K. (2003) Linguagem e ética: algumas considerações gerais. In: ______. Por uma educação linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, p. 15-22.

REZENDE, N. L. de. (2013) O Ensino de Literatura e a Leitura Literária. In: DALVI, M. A.; REZENDE, N. L. de.; JOVER-FALEIROS, R. (Orgs.). Leitura de Literatura na Escola. São Paulo: Parábola.

ROCHA, L. L. (2020). Desfazendo o privilégio cis-heteronormativo no ensino de inglês na escola pública. In: BORDA, Rodrigo (Org.). Discursos Transviados: por uma linguística queer. São Paulo: Cortez.

ROJO, R. H. R. (2006). Fazer Linguística Aplicada em Perspectiva Sócio-histórica: privação sofrida e leveza de pensamento. In: MOITA-LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial.

SANTOS, B. de S. (2007). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma

ecologia de saberes. Novos estudos - CEBRAP, São Paulo, n.79, p.71-94, Nov. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004.

SCARAMUCCI, M. V. R. (2004). Efeito retroativo da avaliação no ensino/aprendizagem de línguas: o estado da arte. Trabalhos em Linguística Aplicada, Departamento de Linguística Aplicada, Unicamp, n. 43 (2), p 203-226.

SOUZA, A. L. S. (2011). Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo, SP: Parábola, 171 p.

STREET, B. V. (2014) Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. BAGNO, M. (Trad.). São Paulo: Parábola.

STF. (2019). STF enquadra homofobia e transfobia como crimes de racismo ao reconhecer omissão legislativa. 13 de junho de 2019. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/noticias/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=414010. Consultado em 10/05/2021.

THOMAZ, D. (2018). Reduzida por homicídios, a expectativa de vida de um transexual no Brasil é de apenas 35 anos. 30 de janeiro de 2018. Disponível em: https://epoca.globo.com/brasil/noticia/2018/01/reduzida-por-homicidios-expectativa-de-vida-de-um-transexual-no-brasil-e-de-apenas-35-anos.html. Consultado em 10/05/2021.

VICENTINI, M. P. (2015). A redação no ENEM e a redação no 3º ano do ensino médio: efeitos retroativos nas práticas de ensino da escrita. 2015. 264 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/269558. Acesso em: 10 jan. 2021.

WALSH, C. (2009). Interculturalidad crítica y pedagogia de-colonial: apuestas (des)de el in-surgir, re-existir e re-vivir. Revista (entre palabras). Quito, p. 1-29.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

SOUZA SILVA, D. V.; MACHADO, R. C. M. Gêneros, sexualidades e práticas de letramentos literários: um olhar decolonial para as listas de leituras obrigatórias dos vestibulares. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 704–717, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8666033. Acesso em: 4 jul. 2022.