Letramentos em disputa

o embate entre tradição e práticas literárias de reexistência no exame nacional do ensino médio

Autores

Palavras-chave:

Enem, Letramentos, Letramentos Literários, Literatura de Reexistência

Resumo

Uma breve leitura das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) dos últimos anos revela-nos que, em fricção com discursos da tradição literária brasileira, servem de objeto de análise das questões da área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias textos literários que se assentam em práticas discursivas de reexistência. Nesse sentido, à luz da Linguística Aplicada Indisciplinar, das teorias dos Letramentos e da abordagem teórico-metodológica da Análise Dialógica do Discurso, este artigo visou a investigar quais letramentos literários são (des)legitimados nas questões do Enem construídas a partir de textos literários que se constituem estética e discursivamente como discursos de reexistência. Para tanto, tomamos como base para a construção de nosso corpus as provas do Enem aplicadas nos anos de 2018, 2019 e 2020. Como conclusão, é possível afirmar que, apesar da relativa presença de textos literários de reexistência nessas provas, percebem-se ainda fricções entre abordagens de letramentos mais tradicionais e aquelas abertamente ideológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcel Alvaro de Amorim, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Brasil.

Tiago Cavalcante da Silva, Colégio Pedro II

Doutorado e Pós-Doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor do Departamento de Português e Literaturas de Língua Portuguesa do Colégio Pedro II (Centro).

Referências

AMORIM, M. A. & SILVA, T. C. (2019) O ensino de literaturas na BNCC: discursos e (re)existências possíveis. In: Amorim, M. A.; Gerhardt, A. F. L. M. (orgs.). A BNCC e o ensino de línguas e literaturas. Campinas: Pontes Editores, p. 153-179.

AMORIM, M. A. de; SILVA, M. R. L. da. (2020) O ensino de literaturas na linguística aplicada brasileira. Raído, v. 14, n. 36, p. 163-189.

AMORIM, M. A. de.; DOMINGUES, D.; NASCIMENTO, D. V. K.; SILVA, T. C. da. (No prelo). Literatura na escola. São Paulo: Contexto.

AMORIM, M. A. de; NASCIMENTO, D. V. K.; SANTOS, M. S. dos. (2021) A leitura literária no livro didático de português: uma análise dialógica. Revista Letras Raras. Campina Grande, v. 10, n. 1, p. 53-79.

BAKHTIN, M. (2011) Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1953.

BAKHTIN, M. (2015) Teoria do Romance I: a estilística. São Paulo: Editora 34, 1975.

BAKHTIN, M. (2016) Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 1953.

BAKHTIN, M. (2017) Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro e João Editores, 1920-24.

BOURDIEU, P. (1996) As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Lisboa: Editorial Presença, 1992.

BRAIT, B. (2004) Linguagem e identidade: um constante trabalho de estilo. Trabalho, Educação e Saúde, 2(1): 185-201.

BRASIL, Ministério da Educação. Matriz de Referência ENEM. Disponível em: matriz_referencia.pdf (inep.gov.br). Acesso em: 06 jun. 2021.

COSSON, R. (2006) Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto.

PAULINO, G.; COSSON, R. (2009) Letramento literário: para viver a literatura dentro e fora da escola.” In: Zilberman, R.; Rosling, T. (orgs.). Escola e leitura: velhas crises, novas alternativas. São Paulo: Global, p. 61-79.

EVARISTO, C. (2009) “Literatura negra”: uma poética de nossa afro-brasilidade. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 17-31.

FARACO, C. A. (2009) Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola.

GALLEGO, E. S. (2018) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo.

LUFT, G.; FRIZON, M. LEITE, G. LUCENA, K.; VIANNA, C. WELLER, D. (2012) A literatura no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Nonada, 18, p. 111-126.

FISCHER, L. A. (2014) O fim do cânone e nós com isso. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 2, p. 573-611.

FREIRE, P. (2011). A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 1981.

KATO, M. (1986) No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo: Ática.

KLEIMAN, A. B. (org.). (1995) Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras.

MOITA LOPES, L. P. (org.). (2006) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial.

NEVES, C. A. B. (2017) Slams – letramentos literários de reexistência ao/no mundo contemporâneo. Revista Linha D’Água. São Paulo, v. 30, n. 2, p. 92-112.

PAULINO, G. (2001) Letramento literário: por vielas e alamedas. Revista da FACED, nº 05, 117-125.

REIS, C. (2013). O conhecimento da literatura: introdução aos estudos literários. 2ª ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995.

SCARAMUCCI, M. (2004) Efeito retroativo da avaliação no ensino/aprendizagem de línguas: o estado da arte. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, 43 (2): 203-226.

SILVA, T. C. (2020) As viagens de um Gulever: o ensino de literatura como (re)existência na contemporaneidade. Terceira margem, v. 24, n. 44.

SOARES, M. (2008) Leitura e democracia cultural. In: Paiva, A.; Martins, A. A.; Paulino, G.; Versiani, Z. (Orgs.). Democratizando a leitura: pesquisa e práticas. Belo Horizonte: Autêntica, p. 17-48.

SOARES, M. (1998) Letramento, um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica.

SOARES, M. (2002) Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Revista Educação e Sociedade. Campinas, vol 23, n. 81, p. 143- 160.

SOBRAL, A.; GIACOMELLI, K. (2016) Observações didáticas sobre a análise dialógica do discurso - ADD. Domínios de lingu@gem, v. 10, n. 3.

SOUZA, A. L. S. (2011) Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo: Parábola Editorial.

STREET, B. (2003) What’s “new” in new literacy studies?: critical approaches to literacy in theory and practice. Disponível em: <http://www.people.iup.edu/gnvp/D-K/articles/from%20Atsushi/Street%20%282003%29.pdf> Acesso em 13 jun. 2019.

STREET, B. (2014) Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola.

STREET, B. (1984) Literacy in Theory and Practice. New York: Cambridge University Press.

TFOUNI, L. V. (1988) Adultos não alfabetizados: avesso do avesso. Campinas: Pontes Editores.

VOLÓCHINOV, V. (2017) Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução, notas e glossário de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 1929.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

AMORIM, M. A. de; SILVA, T. C. da. Letramentos em disputa: o embate entre tradição e práticas literárias de reexistência no exame nacional do ensino médio. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 718–734, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8666372. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Letramentos literários na contemporaneidade: criticidade e subversão