Abordagem Terminológico-Discursiva

pelo resgate da terminologia e da terminografia no ensino e na aprendizagem de línguas para fins específicos no contexto brasileiro

Autores

Palavras-chave:

Terminologia, Terminografia, Uso das línguas em contextos especializados, Gêneros textuais especializados, Competência comunicativo-especializada, Ensino e aprendizagem de línguas para fins específicos

Resumo

O objetivo do presente texto é apresentar algumas reflexões sobre uma proposta de abordagem para o Ensino e a Aprendizagem de Línguas para Fins Específicos, a fim de resgatar o relevante papel da Terminologia e da Terminografia para o aprendiz dessa modalidade de ensino. A Terminologia tem como marco inicial os anos 30 do século XX, sobretudo a partir da tese de doutoramento do engenheiro austríaco Eugen Wüster. O Ensino de Línguas para Fins Específicos, por sua vez, surge três décadas depois juntamente da Abordagem Comunicativa e se firma na segunda metade do século XX no movimento denominado English for Specific Purpose. Nessa primeira fase, a relação entre as duas áreas era bastante explícita, pois essa modalidade de ensino centrava-se no registro léxico e gramatical próprios da área do aprendiz. Apresentamos breve revisão bibliográfica, a exemplo de Cabré (1999, 1993), Barros (2004), Gómez de Enterría (2009), Hutchison e Waters (1987); Aguirre Beltrán (2012), Ramos (2019), Dolz; Noverraz e Schneuwly (2004), SWALES, (2009), a proposta que ora apresentamos, denominada “Abordagem Terminológico-Discursiva (ATD)”, que possui caráter interdisciplinar, e parte da análise do perfil de dado aprendiz, com necessidades e usos da língua em contextos específicos, nos quais circulam gêneros textuais também específicos. Assim, trazemos alguns princípios da ATD alicerçados em conceitos como “uso das línguas em contextos especializados”; “gêneros textuais especializados” e “competência comunicativo-especializada”. Desse modo, esperamos contribuir para o reavivamento da Terminologia e da Terminografia como ciências que podem contribuir de forma produtiva ao Ensino e à Aprendizagem de Línguas para Fins Específicos (EALFE).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Odair Luiz Nadin, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professor Associado da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Brasil.

Referências

AGUIRRE BELTRÁN, B. (2012) Aprendizaje y Enseñanza de Español con Fines Específicos. Madrid: SGEL.

ALMEIDA, G. M. de B. (2000). Teoria Comunicativa da Terminologia (TCT). Tese de Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Faculdade de Ciências e Letras, Unesp, Araraquara.

BARBOSA, M. A. (2009). Terminodidática: recortes epistemológicos e funções pedagógicas. Acta Semiótica et Lingvistica. v. 14, nº 1. Sociedade Brasileira de Professores de Linguística. p. 58-71. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/actas/article/view/14618. Acesso em: 10 set. 2021.

BARROS, L. A. (2004). Curso Básico de Terminologia. Acadêmica 54. São Paulo: EdUSP:

BASTURKEMEN, H. (2010). Developing Courses in English for Specific Purposes. Reino Unido: PalgraveMacmillan.

CABRÉ, M. T. (1999). La terminología: Representación y comunicación. Elementos para una teoría de base comunicativa y otros artículos. Girona: Documenta Universitaria.

CABRÉ, M. T. (1993). La terminología. Teoría, metodología, aplicaciones. Tradução de Carles Tebé. Barcelona: Editorial Antártida/Empúries.

CIAPUSCIO, G.; KUGUEL, J. (2002). Hacia una tipolización del discurso especializado: aspectos teóricos y aplicados. In: García Palacios, J.; Fuentes Morán, M. T. (org.). Texto, Terminología y Traducción. Salamanca: Almar, pp.37-73.

DOLZ, J. NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. (2004). Sequência didática para o oral e a escrita: apresentação de procedimento. In: Schneuwly, B.; Dolz, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, p. 95-128.

DUDLEY-EVANS; ST JOHN (1998). Developments in English for Specific Purposes. A multidisciplinary approach. Cambridge: Cambridge University Press.

Faulstich, E. (1995). Base metodológica para pesquisa em socioterminologia. Termo e variação. Brasília, Universidade de Brasília / LIV.

FARIAS S. A. L. S. (2013). Gêneros textuais em livros didáticos: uma análise de duas coleções do ensino médio. Dissertação de Mestrado em Língua e Cultura. Universidade Federal da Bahia, Salvador.

FRIEDRICH, M. A. (2019). Glossário em Libras: uma Proposta de Terminologia Pedagógica (Português-Libras) no Curso de Administração da UFPel. Dissertação de Mestrado em Letras Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

Fromm, G. (2020). Por uma Terminografia Pedagógica. Estudos Linguísticos, no. 49 (2). São Paulo, p. 761-776.

GAUDIN, F. (1993). Socioterminologie: des problèmes semantiques aux pratiques institutionnelles. Rouen, Publications de l’Université de Rouen.

GAUDIN, F. (2003). Socioterminologie: une approche sociolinguistique de la terminologia. Bruxelas: De Boeck & Larcier S.A.

GÓMEZ DE ENTERRÍA, J. G. (2009). El español lengua de especialidad: enseñanza y aprendizaje. Manual de formación de profesores de español 2/L. Madrid: Arco/Libros, S.L.

GUIMARÃES, R. M. (2014) O Ensino de Línguas para Fins Específicos (ELFE) no Brasil e no mundo: ontem e hoje. Revista Helb, v. 8, p. 1-10.

HUTCHISON, T.; WATERS, A. (1987). English for Specific Purpose: A learning Centered Approach. New York: Cambridge University Press.

KRIEGER; M. da G.; FINATTO, M. J. (2004). Introdução à Terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto.

LÓPEZ FERRERO, C.; MARTÍN PERIS, E. (2013). Textos y Aprendizaje de Lenguas. Madrid: SGEL.

LUGLI, V. C. P. (2006). Os gêneros textuais no ensino de espanhol: análise de uma coleção de livros didáticos de E/LE. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

LIMA-LOPES, R. E. de; FISCHER, C. R.; GAZOTTI-VALLIN, M. A. (Orgs.). (2015). Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: Festschrift para Rosinda Ramos. Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada Vol. 41. Campinas: Pontes Editores.

MARTÍN PERÍS, E. et. al. (2008). Diccionario de términos clave de ELE. Centro Virtual Cervantes. Disponível https://cvc.cervantes.es/ensenanza/biblioteca_ele/diccio_ele/default.htm. Acesso em: 10 set. 2021.

MONZÓN, A. J. B. (2017). Terminologia do inglês da Ciência da Computação e seus desdobramentos em cursos técnicos e tecnológicos de Informática dos Institutos Federais. Doutorado em Letras. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

NADIN, O. L. (2021). Terminologia e Ensino de Línguas para Fins Específicos. In: I Colóquio de Lexicografia, Terminologia e Ensino (I COLETENS). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=w_1awUyQbEY. Acesso: 18 out. 2021.

NADIN, O. L. (2020). Léxico Especializado e Ensino de Línguas para Fins Específicos: uma intersecção produtiva. In: II CONAEL – Congresso Nacional de Ensino-Aprendizagem de Línguas, Linguística e Literatura e III Jornada de Letras do IFSP, Avaré. Disponível em: https://www.youtube.com/c/conael. Acesso: 18 out. 2021.

NADIN, O. L.; DE GRANDI, L. (2019). Enseñanza y aprendizaje de Lenguas para Fines Específicos: un puente entre Terminología y Lexicografía Didáctica. In: Moreira, G. L.; Eres Fernándes, G. (org.). Enseñanza de español con fines específicos: el caso de la carrera de Turismo. Teoría y práctica. Madrid: Secretaría General Técnica. Ministerio de Educación y Formación Profesional. Gobierno de España, p. 156-171.

RAMOS, R. de C. G. (2019). De Instrumental a LinFE: percursos equívocos da área no Brasil. In: Silva Júnior, A. F. (org.). Línguas para Fins Específicos: revisitando conceitos e práticas. Campinas: Pontes Editores, p. 23-41.

ROBINSON, P. (1991). ESP Today: a practitioner’s guide. UK. Prentice Hall International.

ROJO, R. H. R. (2005). Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: Meurer, J. L.; Bonini, A.; Motta-Roth, D. (org.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola1, p. 184-207.

SÁNCHEZ PÉREZ, A. (2009). La enseñanza de idiomas en los últimos cien años: Métodos y Enfoques. Madrid: SGEL.

SILVA, O. L. da. (2008). Das Ciências do Léxico ao léxico nas Ciências: uma proposta de dicionário português-espanhol de Economia Monetária. Tese de Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa. Faculdade de Ciências e Letras, Unesp, Araraquara.

SILVA JÚNIOR, A. F. (Org.). (2019). Línguas para Fins Específicos: revisitando conceitos e práticas. Campinas: Pontes Editores.

SWALES, J. M. (2009). Repensando gêneros: uma nova abordagem ao conceito de comunidade discursiva. In: Bezerra, B. G.; Biasi-Rodrigues, B.; Cavalcante, M. M. (orgs.). Gêneros e Sequências Textuais. Recife: EDUPE, p. 197-220.

TEMMERMAN, R. (2000). Towards New Ways of Terminology Description: the sociocognitive approach. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.

VIVANCO CERVERO, V. (2006). El Español de ciencia y la tecnología. Madrid: Arco/Libros, S.L.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

NADIN, O. L. . Abordagem Terminológico-Discursiva: pelo resgate da terminologia e da terminografia no ensino e na aprendizagem de línguas para fins específicos no contexto brasileiro. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 1, p. 97–108, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8667674. Acesso em: 2 dez. 2022.