A contribuição das marcas diatécnicas para tradutores técnicos

usuários das línguas de especialidade

Autores

Palavras-chave:

Terminologia, Processo tradutório, Dicionários bilíngues , Microestrutura, Marcas de uso

Resumo

Tendo em vista que a variação linguística é recorrente, um sentido dicionarizado marcado em função de sua variação diatécnica (HAUSMANN, 1977 apud WELKER, 2004) poderá guiar a escolha do tradutor, sobretudo aqueles em formação, com o intuito de ressaltar que uma determinada lexia deve ser utilizada em um contexto de uso singular e restrito. A partir disso, neste artigo, evidenciamos as relações entre Tradução e Terminologia sob a perspectiva da tradução especializada e da análise de questões terminológicas que os tradutores enfrentam, bem como estratégias e recursos mais adequados para saná-los, dentre eles, o olhar para as marcas de uso diatécnicas em verbetes de dicionários. Baseando-nos em Fajardo (1997), Strehler (1998), Garriga Escribano (2003) e Welker (2004), analisamos as marcas de uso que evidenciam um domínio especializado por meio da linguagem técnica presentes em unidades lexicográficas e seus respectivos equivalentes terminológicos em obras dicionarísticas escolares bilíngues impressas e on-line produzidas pelo grupo Michaelis que compõem o corpus deste estudo. Por fim, enfatizamos que as marcas de uso presentes em microestruturas de dicionários são uma forte aliada ao processo tradutório e apresentamos os diferentes graus de envolvimento terminológico que os tradutores podem se deparar durante o processo tradutório de seus textos. (Apoio: CAPES – DS/CNPq – PD 2).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Henrique de Carvalho Bertonha, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutorando em Estudos Linguísticos, pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/São José do Rio Preto), Brasil.

Claudia Zavaglia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professor Adjunto da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP - Campus de São José do Rio Preto, SP - IBILCE), Brasil.

Referências

ADAMSKA-SALACIAK, A. (2010). Examining Equivalence. International Journal of Lexicography, Oxford, v. 23, n. 4, p. 387-409.

ARMSTRONG, N. (2005). Translation, Linguistics, culture: A French-English handbook. Clevedon: Multilingual Matters.

ATKINS, B. T. S.; RUNDELL, M. (2008). The Oxford Guide to Practical Lexicography. New York: Oxford University Press.

AVOLIO, J. C.; FAURY, M. L. (2009). MICHAELIS: Dicionário Escolar Francês. 2. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos.

BÉJOINT, H.; TROIRON, P. (org.). (1996). Les dictionnaires bilingues. Louvain: Duculot.

BEVILACQUA, C. R.; KILIAN, C. K. (2017). Tradução e Terminologia: relações necessárias e a formação do tradutor. Domínios de Lingu@ gem, v. 11, n. 5, p. 1707-1726.

BLANCO, X. (1997). Lexicographie bilingue (français-espagnol) et traduction: l’exemple. Meta, v. 42, n. 2, p. 133-141.

CABRÉ, M. T. (1993) La terminología: teoría, metodología, aplicaciones. Barcelona: Antártida.

CABRÉ, M. T. (2005). La Terminología: Representación y Comunicación. Barcelona: IULA / Universitat Pompeu Fabra.

CRONIN, M. (2006). Translation and Identity. New York: Routledge.

DUVAL, A. (2008). Equivalence in bilingual dictionaries. In: FONTENELLE, T. (ed.). Practical Lexicography: A Reader. New York: Oxford University Press, p. 273-282.

FAJARDO, A. (1997). Las marcas lexicográficas: concepto y aplicación práctica en la Lexicografía española. Revista de Lexicografía, v. 111, p. 31-57.

FARGHAL, M. (1994). Ideational Equivalence in Translation. In: BEAUGRANDE, R.; SHUNNAQ, A.; HELIEL, M. H. Language, Discourse and Translation in the West and Middle East. Amsterdam: J. Benjamins. p. 55-63.

GARRIGA ESCRIBANO, C. (2003). Marcas. In: GUERRA, A. M. M. (coord.). Lexicografía española. España: Editorial Ariel, S. A., p. 115-119.

HAENSCH, G. (1982). El problema de las equivalencias léxicas. In: HAENSCH, G.; WOLF, L; ETTINGER, S.; WERNER, R. La lexicografia. Madrid: Editorial Gredos, p. 518-524.

HURTADO ALBIR, A. (2011). Traducción y Traductología. Introducción a la Traductología. 5. ed. Madrid: Cátedra.

KRIEGER, M. G. (2001). O termo: questionamentos e configurações. Tradterm, v. 7, p. 111-140.

KRIEGER, M. G. (2006). Do ensino da terminologia para tradutores: diretrizes básicas. Cadernos de tradução, v. 1, n. 17, p. 189-206.

KRIEGER, M. G. (2013). A heterogeneidade do léxico especializado e perfis terminológicos. In: In: MURAKAWA, C. A. A.; NADIN, O. L. (org.). Terminologia: uma ciência interdisciplinar. Araraquara: Cultura Acadêmica, p. 262-282.

KRIEGER, M. G.; FINATTO, M. J. B. (2004). Introdução à terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto.

KRIEGER, M. G; SANTIAGO, M. S. (2014). Estudos de terminologia para a tradução técnica. Revista de Letras, n. 33, v. 2, p. 42-52. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revletras/article/view/20447. Acesso em: 12 nov. 2021.

KRIEGER, M. G.; SANTIAGO, M. S.; CABRÉ, M. T. (2013). Terminologia em foco: uma entrevista comentada com Maria Teresa Cabré. Calidoscópio, São Leopoldo, RS, v. 11, n. 3, p. 328-332.

LARA, L. F. (1996). Teoría del diccionario monolingüe. México: El Colegio de México, Centro de Estudios Lingüísticos y Literarios.

LARA, L. F. (2004). O dicionário e suas disciplinas. In: ISQUERDO, A. N.; KRIEGER, M. da G. (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. v. II. Campo Grande: Editora UFMS, p. 133-152.

LIPARINI CAMPOS, T.; BRAGA, C. (2019). As Subcompetências Estratégica e Instrumental na Formação em Tradução. Domínios de Lingu@ gem, v. 13, n. 2, p. 577-603.

MICHAELIS. (2009). Dicionário Escolar Inglês. 2. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos.

MICHAELIS. (2021). Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/. Acesso em: 10 nov. 2021.

MICHAELIS. (2008). Dicionário Escolar Espanhol. 2. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos.

MICHAELIS. (2021). Dicionário Escolar Espanhol. Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/escolar-espanhol/. Acesso em: 10 nov. 2021.

MICHAELIS. (2021). Dicionário Escolar Francês. Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/escolar-frances/. Acesso em: 10 nov. 2021.

MICHAELIS. (2021). Dicionário Escolar Inglês. Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/escolar-ingles/. Acesso em: 10 nov. 2021.

MICHAELIS. (2021). Dicionário Escolar Italiano. Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/escolar-italiano/. Acesso em: 10 nov. 2021.

POLITO, A. G. (2009). MICHAELIS: Dicionário Escolar Italiano. 2. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos.

REAL ACADEMIA ESPAÑOLA DE LA LENGUA. (2021). Sítio Web de la Real Academia Española de la Lengua. Disponível em: https://dle.rae.es/. Acesso em: 10 nov. 2021.

REY-DEBOVE, J. (1998). La linguistique du signe: une approche sémiotique du langage. Paris: Armand Colin.

RIZZO, D. (Coord.) (2000). Dicionário Italiano De Mauro versão 1.0.3.5. Torino: Paravia Bruno Mondadori Editori.

ROBERT, P. (2009). Le Nouveau Petit Robert. Dictionnaire de la langue française, sous la direction de Marianne Durand, version numérique du Petit Robert. Paris: Le Robert Casa Editrice.

ROBERT, P. (2021). Le Petit Robert. Disponível em: https://dictionnaire.lerobert.com/definition/. Acesso em: 10 nov. 2021.

ROSA, M. C. (2010). Introdução à (Bio)Linguística: linguagem e mente. São Paulo: Contexto.

SANTOS, F. E.; MARQUES, A. L. S. (2012). Tradução e língua: visão de mundos, mundos de visões. Conexão Letras, Porto Alegre, v. 7, n. 7, p. 73-80. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/conexaoletras/article/view/55461. Acesso em: 13 nov. 2021.

STREHLER, R. G. (1998). As marcas de uso nos dicionários. In: OLIVEIRA, A. M. P.; ISQUERDO, A. N. (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. v. I. Campo Grande: Ed. UFMS, p. 169-178.

TRECCANI. (2021). Vocabolario della lingua italiana. Disponível em: https://www.treccani.it/vocabolario/. Acesso em: 11 nov. 2021.

WELKER, H. A. (2003). Uma pequena introdução à lexicografia. Brasília: Thesaurus.

WELKER, H. A. (2004). Marcas de uso. In: WELKER, H. A. Dicionários: uma pequena introdução à lexicografia. 2. ed. rev. e ampl. Brasília: Thesaurus, p. 130-149.

XATARA, C. M. (1998). A tradução para o português de expressões idiomáticas em francês. 1998. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara.

ZGUSTA, L. (1971). Manual of Lexicography. Mouton: Paris.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

BERTONHA, F. H. de C. .; ZAVAGLIA, C. A contribuição das marcas diatécnicas para tradutores técnicos: usuários das línguas de especialidade. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 1, p. 71–85, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8667740. Acesso em: 28 set. 2022.