Diferentes perspectivas sobre o gênero entrevista nas aulas de português na licenciatura intercultural indígena

Autores

Palavras-chave:

Interculturalidade crítica, Ensino de português para povos indígenas, Entrevista, Modos de conhecer

Resumo

Neste artigo, discorro sobre uma experiência de ensino do gênero entrevista nas aulas de português para estudantes indígenas de um curso de licenciatura. O texto traz reflexões sobre como as aulas foram planejadas e desenvolvidas com base no diálogo intercultural entre os conhecimentos linguísticos e culturais que formataram, historicamente, o gênero em questão, e os conhecimentos dos professores indígenas, que estão começando a utilizar a entrevista como um recurso metodológico para suas pesquisas, realizadas com membros de suas comunidades. O modelo pergunta e resposta da entrevista e o tempo presumivelmente rápido das respostas foram problematizados pelos estudantes visto que não foi um formato avaliado como possível de ser utilizado por pesquisadores indígenas com anciãos de seus povos. Segundo os estudantes, o gênero pode violar regras interacionais e princípios dos conhecimentos indígenas. O artigo procurou ressaltar a necessidade da tradição oral ser considerada na produção do conhecimento acadêmico e no ensino de língua portuguesa para indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Abram dos Santos, Universidade Federal de Goiás

Doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas. Professor Adjunto da Universidade Federal de Goiás.

Referências

BARRETO, João Paulo Lima (2013). Wai-mahsã: peixes e humanos. Um ensaio de Antropologia Indígena. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UFAM, Manaus.

BENITES, Sandra. (2020). Educação Guarani e interculturalidade: a(s) História(s) Nhandeva e o teko. Caracol. n.20, jul-dez., p. 188-200.

CARDOSO GAVIÃO, Leonice (2016). Pỳrpex jõ´amjõhquẽn. Festa da tora da barriguda. Revista Articulando e Construindo Saberes. v.1, n.1, p. 267-278.

CAVALCANTI, Marilda C. (2006) Um olhar metateórico e metametodológico em pesquisa em linguística aplicada. In: Moita Lopes, Luiz Paulo (org.) (2006) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola.

CAVALCANTI, Marilda C. (2013). Educação linguística na formação de professores de línguas: intercompreensão e práticas translíngues. In: Moita Lopes, Luiz Paulo. (org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente - Festschrift para Antonieta Celani. 1ª. ed. São Paulo: Parábola.

CAVALCANTI, Marilda C. (2015). Línguas ilegítimas em uma visão ampliada de educação linguística. In: ZILLES, Ana Maria S.; FARACO, Carlos Alberto. (orgs.) Pedagogia da variação linguística. Língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola.

HABUDJA KARAJÁ (2018). Reflexões de práticas pedagógicas no Estágio. In: HERBETTA, Alexandre (org.) Novas práticas pedagógicas. Considerações sobre transformações escolares a partir da atuação de docentes indígenas do Núcleo Takinahakỹ. Goiânia: Gráfica UFG. p.31-74.

KAOREWYGOO TAPIRAPÉ (2018). Iny ijyy-my. Revista Articulando e Construindo Saberes. v.3, n.1, p. 220-229.

KRENAK, Ailton (2019) Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras.

LAHIRI KARAJÁ, Uziel (2016). Wetxu. Revista Articulando e Construindo Saberes. v.1, n.1, p. 125-128.

MAKONI, Sinfree; PENNYCOOK, Alastair (2007). Disinventing and reconstituting languages. Bilingual Education and Bilingualism, 62.

MIGNOLO, W. (2003). Histórias locais/projetos globais. Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

MOITA LOPES, Luiz Paulo (2013). Ideologia linguística: como construir discursivamente o português do século XXI. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo (org.) O português no século XXI. Cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola, p.18-52.

MOITA LOPES, Luiz Paulo (org.) (2006). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola.

MUNDURUKU, Daniel (2012). O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas.

OLIVEIRA, Joana C.; SANTOS, Lucas K. dos (2016). “Perguntas demais” – Multiplicidade de modos de conhecer em uma experiência de formação de pesquisadores Guarani Mbya. In: CUNHA, Manuela C. da; CESARINO, Pedro de N. (orgs.) Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Editora Unesp.

PAXRE APINAJÉ, Maria dos Reis (2018). Histórias Apinajé: formas de contar, registrar e conhecer o mundo. In: HERBETTA, Alexandre. (org.) Novas práticas pedagógicas. Considerações sobre transformações escolares a partir da atuação de docentes indígenas do Núcleo Takinahakỹ. Goiânia: Gráfica UFG. p.93-102.

PENNYCOOK, Alastair (2006). Uma linguística aplicada transgressiva. In MOITA LOPES, L.P (org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola.

PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro (2017). A pedagogia da retomada: decolonização de saberes. Revista Articulando e Construindo Saberes. v.2, n.1, p. 203-215.

RAMPTON, Ben (1995). Language crossing and the problematization of ethnicity and socialization. Pragmatics.5:4, p. 485-513.

RAMPTON, Ben (2006). Continuidade e mudança nas visões de sociedade em Linguística Aplicada. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo (org.) (2006) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola.

ROCHA, Décio; DAHER, Maria Del Carmem; SANT´ANA, Vera Lúcia de A. (2004). A entrevista em situação de pesquisa acadêmica: reflexões numa perspectiva discursiva. Polifonia. v. 8, n.8.

SIGNORINI, Inês; CAVALCANTI, Marilda C. (orgs.). (1998). Lingüística Aplicada e Transdisciplinaridade: Questões e Perspectivas. Campinas: Mercado de Letras.

SIRNÃWẼ, Silvino (2015). Roça tradicional do povo Akwẽ-Xerente. In: PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro; BORGES, Mônica V. (orgs.) Práticas pedagógicas de docentes indígenas. Goiânia: Gráfica da UFG, 2015, p. 217-232.

SMITH, Linda Tuhiwai (2018). Descolonizando metodologias: pesquisa e povos indígenas. Trad. Roberto G. Barbosa. Curitiba: Ed. UFPR.

TEIJOLORI KARAJÁ (2018). Iny-ki ijasò riòrarunyre-my ijyy. Revista Articulando e Construindo Saberes. v.3, n.1, p. 14-33.

URIAWA KARAJÁ, José (2016). Ciclo da vida Iny. Revista Articulando e Construindo Saberes. v.1, n.1, p. 129-132.

WALSH, Catherine (2009). Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In CANDAU, V.M. (org.) Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

ABRAM DOS SANTOS, L. Diferentes perspectivas sobre o gênero entrevista nas aulas de português na licenciatura intercultural indígena. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 2, p. 363–375, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8668361. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos