Banner Portal
Tríade rizomática de formação docente de Língua Inglesa
PDF

Palavras-chave

Constituição identitária
Formação inicial e continuada de professores
Inglês como língua estrangeira
Relação universidade-escola

Como Citar

DOS SANTOS ANDRADE SÓL, Vanderlice. Tríade rizomática de formação docente de Língua Inglesa: uma proposta de problematização da relação universidade-escola. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 63, n. 1, p. 225–239, 2024. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8669111. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

Muitos linguistas aplicados brasileiros têm se preocupado com a lacuna existente entre a formação inicial e continuada de professores e as fragilidades na relação universidade-escola (REIS, 2018; GIMENEZ; BONACELLI, 2013; GIMENEZ et al., 2008; ECKERT-HOFF, 2008, SÓL, 2014, REIS e CAMPOS, 2021, dentre outros). No entanto, há ainda muito a fazer, pesquisar e refletir sobre a formação inicial e continuada de professores. Assim, este estudo objetivou investigar a (des)construção identitária de docentes de Língua Inglesa (LI) da Educação Básica, de professores em formação e de seus formadores, envolvidos em disciplinas de Estágio Supervisionado (ES) em uma universidade federal do Estado de Minas Gerais. Este estudo seguiu o paradigma qualitativo-interpretativista (DENZIN; LINCOLN, 2006; FLICK, 2009) e princípios etnográficos de pesquisa, contando com a participação de duas formadoras de professores, dois professores em formação e duas professoras de LI da rede pública de ensino, supervisoras de ES. Os instrumentos de geração dos registros foram questionários semiestruturados e narrativas escritas. O corpus foi analisado descritivamente e qualitativamente sob o referencial teórico da Linguística Aplicada (LA) e abordagens filosóficas de Michel Foucault, Jacques Derrida, Gilles Deleuze e Félix Guattari.  A partir dos gestos de interpretação, pode-se perceber que as três instâncias representadas pelos professores supervisores dos ES, os professores em formação e os formadores se apresentam por meio de uma tríade rizomática de formação docente, em que se atravessam, afetam e são afetadas pelas práticas uns dos outros. Concluindo, o estudo evidencia que não é possível pensar a relação universidade-escola sem considerar a multiplicidade de fatores que incidem sobre esses dois espaços e que é inevitável analisar um desses espaços sem atravessar o outro.

PDF

Referências

BASZANGER, I. & DODIER, N. ‘Ethnography: Relating the Part to the Whole’, In D. Silverman (ed.) Qualitative Research: Theory, Method and Practice, London: Sage, 1997: 8–23.

CORACINI, M. J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 3. Tradução de Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão Rolnik. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2004.

DELEUZE, G. Cartas e outros textos. Tradução de Luiz. B. L. Orlandi. São Paulo: n-1 Edições. 2018.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: ______. (orgs). Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2 ed. Porto Alegre: ARTMED, 2006, p. 15-42.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Trad. Joice Elias Costa. 3. ed., Porto Alegre: Artmed, 2009.

DERRIDA, J. Papel-máquina. Tradução de Evando Nascimento. São Paulo: Edições Liberdade, 2004.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DENZIN, N. The reflexive interview and a performative social science. Qualitative Research. 2001; 1:23–46.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A construção do campo da pesquisa sobre formação de professores. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, v. 22, n. 40, p. 145-154, jul./dez. 2013.

ECKERT-HOFF, B. M. Escritura de si e identidade: o sujeito professor em formação. Campinas: FAPESP/ Mercado de Letras, 2008.

ERICKSON, F. What makes school ethnography “ethnographic”? Antropology and Educational Quarterly, v. 15, p. 51-66, 1984.

FONSECA, M. A. Entre a vida governada e o governo de si. In: ALBUQUERQUE-JÚNIOR, D. M; VEIGA-NETO, A.; SOUZA-FILHO. A. (Orgs.) Cartografias de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008, p. 241-252.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 19ª ed. São Paulo: Edições Loyola. 2009.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

GIMENEZ, A. M. N; BONACELLI, M. B. M. Repensando o papel da universidade no século XXI: demandas e desafios. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, v. 9, n. 18, ed. esp., p. 1-12, 2013.

GREEN, J.; CASTANHEIRA, M. L. Revisiting the relationship between ethnography, discourse and education. Caletroscópio, v. 7, n. esp., p. 10-55, 2019.

GREEN, J., SKUKAUSKAITE, A. BAKER, B. Ethnography as epistemology: An introduction to educational ethnography. In J. ARTHUR, M. I. WARING, R. COE, L. V. HEDGES (Eds.) London: Sage. Ltd. Research Methodologies and Methods in Education, 2012, p. 309–321.

GUATTARI, F. ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

KUMARAVADIVELU, B. Language teacher education for a global society. London: Routledge, 2012. p. 55- 78.

LARROSA, J. Fim de partida. In: LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Tradução de Cristina Antunes e João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica. 2018. p. 123-174.

LARROSA, J. Da dificuldade da escola. In. LARROSA, J. Esperando não se sabe o quê: sobre o ofício do professor. Tradução de Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica, 2018. p. 229-260.

LARROSA, J.; MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M. A escola: formas, gestos e materialidades. In: LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Tradução de Cristina Antunes e João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica. 2018. p. 195-224.

LUCENA, M. I. P. Práticas de linguagem na realidade da sala de aula: contribuições da pesquisa de cunho etnográfico em Linguística Aplicada. D.E.L.T.A., v. 31, p. 67-95, 2015.

MACHADO, R. Deleuze, a arte e a filosofia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2010.

MATEUS, E. Torres de Babel e línguas de fogo: Um pouco sobre pesquisa na formação de professores de inglês. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 9, n. 1, p. 307-328, 2009.

MOITA LOPES, L. P. A transdisciplinaridade é possível em Linguística Aplicada? In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. (org.). Linguística Aplicada e transdisciplinaridade: questões e perspectivas. Campinas: Mercado de Letras, 1998. p. 113-128.

MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

NASCIMENTO E SILVA, D. A propósito de Linguística Aplicada: 30 anos depois: quatro truísmos correntes e quatro desafios. D.E.L.T.A., v. 31, p. 349-376, 2015. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/0102-445007158226872892. Acesso em 01 de fev. 2020.

NORTON, B. Identity and language learning: gender, ethnicity and educational change. London: Longman, 2000.

PAIVA, A. C. S. Política da dobra e cuidado de si: ou Foulcault Deleuziano. In: LINS, D. (Org.) Nietzsche e Deleuze: pensamento nômade. Fortaleza - CE: 2001, p. 45-62.

RAJAGOPALAN, K. The concept of World English and its implications for ELT. ELT Journal, v. 58, n. 2, p. 111-117, abr. 2004.

REIS, B. M. O lugar-escola em discurso: etnografia, identidade e epistemologia na pesquisa qualitativa. Rio de Janeiro, 2018. 179 p. Tese de Doutorado – Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

REIS, V. S.; CAMPOS, I. O. “Onde está a universidade?” do discurso da (des)qualificação à presença colaboradora. Revista Imagens da Educação, v. 11, n. 2, p. 190-211, abr./jun., 2021. ISSN 2179-8427. Disponívl em: https://doi.org/10.4025/imagenseduc.v10i3.54454 Acesso em jul. 2021.

RICOEUR, P. Time and narrative. Chicago: University of Chicago Press, 1988. v. 3.

ROJO, R. H. R. Fazer Linguística Aplicada em perspectiva sócio-histórica: provação sofrida e leveza de pensamento. In: MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 253-274.

SÓL, V. S. A. Trajetórias de professores de inglês egressos de um projeto de educação continuada: identidades em (des)construção. 259f. Tese. Doutorado em Linguística Aplicada. Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. 2014.

SÓL, V. S. A. Impactos da educação continuada na constituição identitária de professores de inglês: mo(vi)mentos no tempo. Revista Textura. v. 22 n. 52 p. 275-297 out./dez. 2020.

SILVA, C. L. C.; FLORES, V. N. Os estudos enunciativos da linguagem e suas relações com a linguística e com as áreas conexas. In: SILVEIRA, E. M. (org.). As bordas da linguagem. Uberlândia: EDUFU, 2011. p. 97-120.

SKUKAUSKAITE, A. The systematic analyses of layered meanings inscribed in interview conversations: an interactional ethnographic perspective and its conceptual foundations. Acta Paedagogica Vilnensia, p. 45-60, jan. 2018.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Vanderlice dos Santos Andrade Sól

Downloads

Não há dados estatísticos.