Banner Portal
Ondas semânticas no ensino de português como língua adicional
PDF

Palavras-chave

Português Língua Adicional (PLA)
Ondas semânticas
Gravidade semântica (GS)
Densidade semântica (DS)
Teoria do Código de Legitimação (TCL)

Como Citar

DA SILVA, A. M.; ROTTAVA, L. Ondas semânticas no ensino de português como língua adicional: Gravidade e densidade semântica na construção do conhecimento . Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 62, n. 2, p. 307–321, 2023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8671079. Acesso em: 27 fev. 2024.

Resumo

Práticas de ensino de Português como Língua Adicional (PLA) em contexto acadêmico requerem contemplar usos desta língua em produções orais e escritas que envolvem diversos graus de abstração e complexidade semânticas. Essas práticas estão interligadas por dois aspectos: pelo modo como o conhecimento prático, horizontal e do cotidiano prepondera no ensino médio e o conhecimento teórico, vertical e abstrato no ensino universitário, pelo fato de se tratar de uma língua adicional. Esses desafios situam-se na dimensão da semântica que concebe essas práticas como ondas semânticas cujos princípios organizadores compreendem a gravidade semântica (GS) e a densidade semântica (DS) (MATON, 2013; 2020). O objetivo deste estudo é discutir como as ondas semânticas podem ser evidenciadas em um curso de PLA organizado em tópicos, ofertado para alunos do primeiro ano de graduação em uma universidade britânica. A análise contempla amostras do material didático e algumas tarefas implementadas para demonstrar como o conhecimento inicialmente caracterizado por densidade semântica forte é “desempacotado” (MATON, 2020) por meio de diferentes exemplos e usos práticos. A contribuição diz respeito ao benefício de levar as ondas semânticas em consideração ao se planejar um curso de língua adicional, visto que estudos, em sua maioria, focalizaram outras áreas do conhecimento, mas pouco a área de línguas, em especial, PLA.

PDF

Referências

ALZU’BI, M. A. (2019). The influence of suggested Cornell note-taking method on improving writing composition skills of Jordanian EFL learners. Journal of Language Teaching and Research, v. 10, n. 4, p. 863-871. http://dx.doi.org/10.17507/jltr.1004.26

BERNSTEIN, B. (1971). Class, codes and control: Theoretical studies towards a sociology of language, v. 1. London: Routledge and Kegan Paul.

BERNSTEIN, B. (1975). Class, codes and control: Towards a theory of educational transmissions, v. 3. London: Routledge and Kegan Paul.

BERNSTEIN, B. (1990). Class, codes and control: The structuring of pedagogic discourse, v. 4. London: Routledge.

BERNSTEIN, B. (2000). Pedagogy, symbolic control and identity: Theory, research, critique 2ª ed. Oxford: Rowman & Littlefield.

BOCHECO, O. (2021). A abordagem matemática no ensino de física e sua qualificação no viés semântico. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, UFSC, Florianópolis.

CLARENCE, S. (2016). Exploring the nature of disciplinary teaching and learning using Legitimation Code Theory Semantics. Teaching in Higher Education, v. 21, n. 2, p. 123-137. https://doi.org/10.1080/13562517.2015.1115972

CRANWELL, P. B.; WHITESIDE, K. L. (2020). Investigation into the semantic density and semantic gravity wave profile of teachers when discussing electrophilic aromatic substitution (SEAr). Journal of Chemical Education, v. 97, n. 10, p. 3540-3550. https://dx.doi.org/10.1021/acs.jchemed.0c00571

CURZON, P.; WAITE, J.; MATON, K.; DONOHUE, J. (2020). Using semantic waves to analyse the effectiveness of unplugged computing activities. In: WiPSCE “20: Proceedings of the 15th Workshop on Primary and Secondary Computing Education, p. 1-10. https://doi.org/10.1145/3421590.3421606

Da SILVA, A. M. (2010). Ensino de Português Língua Estrangeira (PLE) por meio de filme: considerações sobre o Portfólio Europeu para Línguas (CEFLs). Revista Littera, 1 (1), 121-133.

De ANGELIS, G. 2007. Third or additional language acquisition. Second Language Acquisition. 24. Multilingual Matters Ltd.

DONOHOO, J. (2010). Learning how to learn: Cornell notes as an example. Journal of Adolescent & Adult Literacy, v. 54, p. 224-227. https://doi.org/10.1598/JAAL.54.3.9

DÖRNYEI, Z. (2007). Research methods in Applied Linguistics. New York: Oxford University Press.

MACNAUGHT, L.; MATON, K.; MARTIN, J. R.; MATRUGLIO, E. (2013). Jointly constructing semantic waves: implications for teacher training. Linguistics and Education, v. 24, p. 50-63. https://doi.org/10.1016/j.linged.2012.11.008

MATON, K. (2013). Making semantic waves: A key to cumulative knowledge-building. Linguistics and Education, v. 24, p. 8-22. https://doi.org/10.1016/j.linged.2012.11.005

MATON, K. (2020). Semantic waves: Context, complexity, and academic discourse. In: MARTIN, J.; MATON, K.; DORAN, Y. J. (org.), Accessing academic discourse: Systemic Functional Linguistics and Legitimation Code Theory. London: Routledge, p. 59-85.

MATON, K.; HOWARD, S. K. (2020). Autonomy: the next phase of dialogue between systemic functional linguistics and Legitimation Code Theory. Journal of World Languages, v. 6, n. 1-2, p. 92-112. https://doi.org/10.1080/21698252.2020.1720160

MATRUGLIO, E.; MATON, K.; MARTIN, J. R. (2013). Time travel: The role of temporality in enabling semantic waves in secondary school teaching. Linguistics and Education, v. 24, p. 38-49. https://doi.org/10.1016/j.linged.2012.11.007

MOUTON, M. (2020). A case for project based learning to enact semantic waves: towards cumulative knowledge building. Journal of Biological Education, v. 54, n. 4, p. 363-380, https://doi.org/10.1080/00219266.2019.1585379

PINTO, B. C. N.; WARTHA, E. J. (2021). Dimensão semântica na sala de aula de Ciências: rodas de conversa como promotor de ondas semânticas. Investigações em Ensino de Ciências, v. 26, n. 3, p. 220-236. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n3p220

PIRES, C. Z. (2022). Leitura compartilhada e leitura crítica: a construção do conhecimento em contexto escolar orientada pela pedagogia com base em gêneros da escola de Sydney. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Letras da UFRGS, Porto Alegre.

ROTTAVA, L. (2009). Português como língua terceira (L3) ou língua estrangeira (LE) adicional: a voz do aprendiz indicando identidade. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 81, p. 81-98.

ROTTAVA, L.; Da SILVA, A. M. (2013). Influência interlinguística no processo de escrita em português LE-adicional. In: K. A. da Silva; D. T. dos Santos (org.). Português como língua (inter)nacional: faces e interfaces. Campinas, SP: Pontes Editores, p. 275-297.

SANTOS, B. F. dos; MOTIMER, E. F. (2019). Ondas semânticas e a dimensão epistêmica do discurso na sala de aula de Química. Investigações em Ensino de Ciências, v. 24, n. 1, p. 62-80. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p62

STREET, B. (2003). What’s new in new literacy studies? Critical approaches to literacy in theory and practice. Current Issues in Comparative Education, v. 5, n. 2. Disponível em: https://www.tc.columbia.edu/cice/pdf/25734_5_2_Street.pdf. Acessado em maio de 2023.

VYGOTSKY, L. (1984). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Trabalhos em Linguística Aplicada

Downloads

Não há dados estatísticos.