Banner Portal
Tradução comentada da canção “Zumbi”, de Jorge Ben Jor, para a Libras
PDF

Palavras-chave

Libras
Consciência Negra
Zumbi
Jorge Ben Jor
Tradução comentada

Como Citar

NASCIMENTO, V. Tradução comentada da canção “Zumbi”, de Jorge Ben Jor, para a Libras: um manifesto afetivo-tradutório para o dia da Consciência Negra. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 62, n. 2, p. 205–228, 2023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8673736. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

Neste artigo descrevo o processo de tradução da canção Zumbi, composta e gravada por Jorge Ben Jor em 1974 e regravada por Ellen Oléria em 2013, para a língua brasileira de sinais (Libras). O pano de fundo social e intersubjetivo para essa tradução é a minha relação, como homem afro-indígena, com a minha própria ancestralidade e, como tradutor e intérprete de língua de sinais, com a falta de acesso da comunidade surda, por questões educacionais e linguísticas, à cultura afro-brasileira e, por questões sensoriais e culturais, às músicas populares brasileiras massivas. Essa dupla dimensão identitária se imbrica na possibilidade de publicizar manifestações antirracistas e de defesa de pautas étnico-raciais no Dia da Consciência Negra em plataformas de amplo acesso como as das redes sociais. A tradução comentada aqui apresentada fundamenta-se, teoricamente, na concepção bakhtiniana de linguagem, que entende que qualquer semiose é atravessada, constituída e sustentada na alteridade e nas dimensões social, histórica e ideológica, o conceito camposiano de transcriação, que assume que a complexidade de um texto amplia as possibilidades transcriativas do tradutor e o conceito de intermodalidade presente nos Estudos da Tradução e da Interpretação da Língua de Sinais (ETILS), que observa a impossibilidade de cisão entre texto e corpo em línguas de modalidade gesto-visual. Descrevo o processo de tradução da canção apontando para os elementos linguísticos e narrativos da canção e da versão em Libras evidenciando as referências visuais que sustentaram as escolhas linguístico-discursivas no texto-alvo.

PDF

Referências

ALBRES, N. A. (2020) Tradução comentada de/para línguas de sinais: ilustração e modos de apresentação dos dados de pesquisa. Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 425 – 451. Disponível em: https://doi.org/10.31513/linguistica.2020.v16n3a33672

ALMEIDA, S. (2020) Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro/Editora Jandaíra.

ARROJO, R. (1996). Os estudos da tradução na pós-modernidade, o reconhecimento da diferença e a perda da inocência. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 53-69. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/5064

ASSIS SILVA, C. (2012). Cultura Surda: agentes religiosos e a construção de uma identidade. São Paulo: Terceiro Nome/FAPESP.

BRAIT, B. (2013) Olhar e ler: verbo-visualidade em perspectiva dialógica. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, v. 8, n. 2, p. 43–66. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/16568. Acesso em: 14 jun. 2023.

BRAIT, B.; CAMPOS, M. I. B. (2009). Da Rússia czarista à web. In: BRAIT, B. (org.) Bakhtin e o Círculo. São Paulo: Contexto.

BAKHTIN, M. M. (2010) O autor e a personagem na atividade estética. In: Estética da Criação Verbal. Tradução Paulo Bezerra. 4 ed São Paulo: Martins Fontes.

BENTO, C. (2022) O pacto da branquitude. São Paulo: Companhia das Letras.

BUBNOVA, T. (2015) O que poderia significar o “Grande Tempo”?. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, v. 10, n. 2, p. 5–16 Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/23260. Acesso em: 14 jun. 2023.

CABELLO, J. (2020). Por uma formação decolonial no campo da tradução e interpretação Libras/Língua Portuguesa. Revista Contemporânea de Educação, v. 15, n. 34. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20500/rce.v15i34.36219

CAMPELLO, A. R. S. (2008) Aspectos da visualidade na educação de surdos. Tese de Doutorado em Educação. Centro de Ciências da Educação. UFSC, Florianópolis.

CAMPOS, H. (2013). Da transcriação: poética e semiótica da operação tradutora. In: TÁPIA, M.; NÓBREGA, T. M. (Orgs). Haroldo de Campos – Transcriação. 1ª Ed. São Paulo: Perspectiva.

CAMPOS, H. (2006) Da tradução como criação e como crítica. In: Metalinguagem e outras metas: ensaios de teoria & crítica literária. São Paulo: Perspectiva.

HALL, S. (2014). A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina.

JAKOBSON, R. (2010). Linguística e comunicação. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes – 22ª Ed. São Paulo: Editora Cultrix.

LEITE, T. A.; AMPESSAN, J. P.; BOLDO, J.; TASCA LOHN, J.; AZEVEDO, G. S. de O. (2022). Semântica lexical na libras: Libertando-se da tirania das glosas. Revista da ABRALIN, v. 20, n. 2, p. 1–23. Disponível em: https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/1833 Acesso em: 14 jun. 2023.

LYOTARD, J. (2009). A condição pós-moderna. Trad. Ricardo Corrêa Barbosa. 12a ed. Rio de Janeiro: José Olympio.

MEDVIÉDEV, P. N. (2012). O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. Trad. Sheila Camargo Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Contexto.

MELO, R. P. (2015). O Universo De Jorge Ben Em ÁFRICA BRASIL: Cultura, música e comunicação. (Monografia). Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto.

MOREIRA, R. L. (2007). Uma descrição da dêixis de pessoa na língua de sinais brasileira: pronomes pessoas e verbos indicadores. Mestrado em Linguística. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

NASCIMENTO, A. (2016). O genocídio do negro brasileiro. São Paulo: Perspectiva.

NASCIMENTO, V. (2018a) Presença da tradução e da interpretação das línguas de sinais no “grande tempo” da cultura. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, v. 13, n. 3, p. 5–15. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/39180. Acesso em: 14 jun. 2023.

NASCIMENTO, V. (2018b) O eu-para-mim de intérpretes de língua de sinais experientes em formação. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, v. 13, n. 3, p. 104–122. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/35494. Acesso em: 14 jun. 2023.

NASCIMENTO, V., MARTINS, V. R. O., SEGALA, R. R. (2017). Tradução, criação

e poesia: descortinando desafios do processo tradutório da Língua Portuguesa (LP) para a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Domínios de Lingu@gem. Uberlândia. Vol. 11, n. 5, p. 1850-1874. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37378 Acesso em: 14 jan. 2019.

NASCIMENTO, M. V. B. (2016). Formação de intérpretes de Libras e Língua Portuguesa: encontros de sujeitos, discursos e saberes. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes. PUC-SP. São Paulo.

PEREIRA, R. A; RODRIGUES R. H. (2014). O conceito de valoração nos estudos do círculo de Bakhtin: a inter-relação entre ideologia e linguagem. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, SC, v. 14, n. 1, p. 177-194. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ld/a/KTGv6yBxFHQFVDCqTjdmRXk/?format=pdf

QUADROS, R. M. (2020). Gramática da Libras. Florianópolis: Signa.

REIS, A. (2014). “EU QUERO VER QUANDO ZUMBI CHEGAR”. Negritude, política e relações raciais na obra de Jorge Ben (1963-1976). Mestrado em História. Instituto de ciências humanas e sociais. Universidade Federal Fluminense, Niterói.

OLIVEIRA, L. X. (2012). África Brasil (1976): uma análise midiática do álbum de Jorge Ben Jor. Contemporânea: comunicação e cultura, v. 1., n. 10. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/5820

RIGO, N. S. (2019). Tradução poética de músicas para língua brasileira de sinais (Libras). Tradução em revista. 27, 2019.2, p. 300-318. Disponível em: http://doi.org/10.17771/PUCRio.TradRev.45942

RODRIGUES, C. H. (2018). Interpretação simultânea intermodal: sobreposição, performance corporal-visual e direcionalidade inversa. Revista da Anpoll v. 1, nº 44, p. 111-129. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18309/anp.v1i44.1146

RODRIGUES, C. H. (2012). Efeitos de modalidade no processo de interpretação simultânea para a Língua de Sinais Brasileira. ReVEL, v. 10, n. 19, p. 93-124. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/29427f4a35369efaceef76fadbd57b2d.pdf

SILVA, D. N. (2010). Bakhtin, a identidade e a (est)ética: por um diálogo com as teorias da pós-modernidade. Intercâmbio, v. 14. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/intercambio/article/view/3928. Acesso em: 6 jun. 2023.

TORRES, M. H. C. (2017) Por que e como pesquisar a tradução comentada? In: FREITAS, L. F.; TORRES, M. H. C; COSTA, W. C. (orgs.). Literatura Traduzida tradução comentada e comentários de tradução volume dois. Fortaleza, Substânsia, p.15-35.

SANTIAGO, V. A. A. (2014). O uso da anotação da língua de sinais na apresentação de publicações acadêmicas: analisando as escolhas que favorecem o entendimento do leitor. Anais do Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa, UFSC, Florianópolis-SC. Disponível em: http://www.congressotils.com.br/anais/2014/2966.pdf Acesso em: 14 jan. 2019.

SOBRAL, A. GUACOMELLI, K. (2015). A concepção dialógica e os dois planos da linguagem e da constituição do sujeito: algumas considerações. Nonada, Porto Alegre, n.24, p. 204-226. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5124/512451510015.pdf

SOBRAL, A. (2008). Dizer o ‘mesmo’ a outros: ensaios sobre tradução. São Paulo: SBS.

VOLOCHÍNOV, V. (Círculo de Bakhtin). (2017) Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução do russo, notas e glossário de Sheila Grillo, Ekaterina Vólkova Américo; ensaio introdutório de Sheila Grillo. São Paulo: Editora 34.

ZAVAGLIA, A.; RENARD, C.M. C.; JANCZUR, C. (2015). A tradução comentada em

contexto acadêmico: reflexões iniciais e exemplos de um gênero textual em construção. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, v. 25, n. 2, pp. 331-352. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/8755 Acesso em: 07 set. 2019.

WURM, S. (2010). Translation across Modalities: The Practice of Translating Written Text into Recorded Signed Language. An Ethnographic Case Study. 255f. Tese de Doutorado em Filosofia. Department of Languages and Intercultural Studies. Heriot-Watt University.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Vinícius Nascimento

Downloads

Não há dados estatísticos.