Banner Portal
O conceito de letramento na produção científica brasileira
PDF

Palavras-chave

Letramento
Produção científica
Explosão conceitual

Como Citar

KLEIMAN, Angela Bustos; VIANNA, Carolina Assis Dias; SITO, Luanda Soares; VALSECHI, Marília Curado; DE GRANDE, Paula Baracat. O conceito de letramento na produção científica brasileira: retorno às origens, discussões para o futuro. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 63, n. 1, p. 240–254, 2024. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8676257. Acesso em: 25 jul. 2024.

Resumo

Este texto propõe uma reflexão metateórica, a qual busca retomar a emergência do termo “letramento” na produção científica brasileira, desde os seus primeiros usos nos anos 1990, discutir suas traduções e observar como se situam determinadas pesquisas hoje em relação ao conceito de letramento no Brasil. Diante da “explosão conceitual” decorrente do aumento exponencial de pesquisas na área, inúmeros binômios com o termo “letramento” são empregados nas pesquisas no campo da Linguística Aplicada no Brasil. Discutimos algumas dessas adjetivações e suas relações com a noção de letramento em uma perspectiva sócio-histórica, cultural e etnográfica sobre os usos da escrita - campo do qual emergiu. Com base na discussão desenvolvida, argumentamos pelo uso da adjetivação do termo segundo a esfera de atividade humana em que as práticas de letramento em investigação estão situadas. Por fim, ratificamos o caráter propositivo do texto, que esperamos ser visto como um convite ao debate, especialmente no campo da Linguística Aplicada, a fim de pensar de forma aprofundada o conceito de letramento, seus usos nas pesquisas da área atualmente e sua força epistêmica para explicar as práticas sociais de uso da escrita contemporâneas.

PDF

Referências

BAYA, Charlotta; CATASÚSB, Bino; e JOHEDB, Gustav. (2014) Situating financial literacy. Critical Perspectives on Accounting, v. 25, Issue 1, p. 36–45, February.

BENJAMIN, Aishnine. (s/d). Racial literacy: what does it mean? Disponível em: <https://theblackcurriculum.com/blog/blog-post-title-three-dxgps>. Acesso em 25 de novembro de 2023.

BUNZEN, Clecio. (2009) Dinâmicas discursivas na aula de português: o uso do livro didático e projetos didáticos autorais. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP.

COSSON, Rildo. (2015) Letramento político no legislativo [manuscrito]: a experiência do Programa Estágio-Visita. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais.

CRICK, Bernard. (2002). A note on what is and what is not active citizenship. Disponível em: https://management-ui.excellencegateway.org.uk/sites/default/files/033_BernardCrick_WHAT_IS_CITIZENSHIP.pdf . Acesso em 28 de janeiro de 2024.

CUNHA, Rosana. (2010). Jornal Escolar: raio de ações, rede de significações. Reconfiguração do ensino de língua materna e dinamização da formação continuada do professor. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP.

DE GRANDE, Paula Baracat. (2015). Formação continuada no local de trabalho do professor: possibilidades de agência e construção de sentidos para a docência. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas.

FERREIRA, Aparecida de Jesus; GOMES, Cássio Murilo Lourenço (2019). Entrevista Aparecida De Jesus Ferreira. Letramento racial crítico: falta representatividade negra em materiais didáticos e na mídia. Uniletras, Ponta Grossa, v. 41, n. 1, p. 123-127, jan/jun. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras. Acesso em 28 de janeiro de 2024.

FOUCAULT, Michel. (1995). A Arqueologia do Saber. Tradução de Luiz F. B. Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 4ª.ed..

FREIRE, Paulo. (1992) A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 47a. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GARCEZ, Pedro. (2019) Conceitos de letramento e a formação de professores de línguas. Revista da Anpoll, v. 1, nº 49, p. 12-25, Florianópolis, Jul./Set.

GUEDES-PINTO, Ana Lúcia. (2000). Rememorando trajetórias da professora-alfabetizadora: a leitura com prática constitutiva de sua identidade e formação profissionais Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

HEATH, Shirley Brice. (1983). Ways with Words. Language, Life and Work in the Communities and Classrooms. Cambridge, Cambridge University Press.

JANKS, Hillary.; DIXON, Kerryn. (2014). Doing critical literacy: Texts and activities for students and teachers. New York: Routledge.

JODELET, Denise. (2005). Loucuras e representações sociais. Tradução de Lucy Magalhães. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

KATO, Mary. No mundo da escrita. São Paulo: Ática, 1986.

KLEIMAN, Angela. (1995). Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, Angela. Os significados do letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras.

KLEIMAN, Angela. (2008). Os estudos do letramento e a formação do professor de língua materna. Linguagem em (Dis)curso, v. 8, n.3, set./dez.

KLEIMAN, Angela. (2010). Trajetórias de acesso ao mundo da escrita: relevância das práticas não escolares de letramento para o letramento escolar. Perspectiva, 28(2), 375-400. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2010v28n2p375. Acesso em 28 de janeiro de 2024.

KRENAK, Ailton. (1999). O eterno retorno do encontro, In: NOVAES, A. A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras.

KUHN, Thomas Samuel. (1970) The Structure of Scientific Revolutions. Chicago: Chicago University Press.

MAIA, Junot de Oliveira (2017). Fogos digitais: letramentos de sobrevivência no Complexo do Alemão/RJ. Tese de doutorado em Linguística Aplicada. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas.

MAUÉS, Júlia Antônia. (2010) A professora leitora na Amazônia – identidades, narrativas e travessias. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP.

MESSARIS, Paul. (1994). Visual "literacy": Image, mind, and reality. Boulder, CO, US: Westview Press.

NEVES, Cynthia Agra de Brito. (2018). Direitos Humanos e Educação: a polêmica em torno da prova de redação do ENEM 2015 e 2017. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 57, p. 731-755.

NEVES, Maria Helena de Moura. (2011). Gramática de usos do português. 2ª ed. revisada, São Paulo, Editora da UNESP.

PEREIRA, Sílvia Letícia. (2017). Usos da escrita na formação docente universitária e o letramento profissional do professor. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

RATTO, Ivani. (1995). Ação política: fator de constituição do letramento do analfabeto adulto. Kleiman, Angela Bustos. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado Aberto, pp. 267-290.

RODARI, Gianni. (1982). Gramática da fantasia, tradução de Antonio Negrini. São Paulo: Summus.

ROJO, Roxane. (2013). Gêneros discursivos do círculo de Bakhtin e multiletramentos. ROJO, Roxane H. R. (org.) Escol@ Conect@d@: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, pp. 13-36.

ROTH, Charles. E. (1992). Environmental Literacy: Its roots, evolution, and directions in the1990s. Columbus, OH: ERIC. Clearinghouse for Science, Mathematics, and Environmental Education.

SANTOS, Cosme Batista dos. (2005). Um assunto puxa o outro: a representação da coerência textual na formação do alfabetizador. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

SCRIBNER, Sylvia; COLE, Michael. (1981). The Psycholoy of Literacy. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.

SESAME WORKSHOP (s./d.) Learning About Racial Literacy. Disponível em: https://sesameworkshop.org/resources/que-es-alfabetismo-racial-2/ Acesso em: 10 abr. 2024.

SITO, Luanda. (2016). Escritas afirmativas: estratégias criativas para subverter a colonialidade em trajetórias de letramento acadêmico. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

SOARES, Magda. (1998). Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica.

SOARES. Magda. (2002). Novas Práticas de Leitura e Escrita: Letramento na Cibercultura. Revista Educação e Sociedade. vol. 23, n. 81, p. 143-160, Campinas, SP.

SORENSEN, Kristine, VAN DEN BROUCKE, Stephan, FULLAM, James, DOYLE, Gerardine, PELIKAN, Jürgen; SLONSKA, Zofia; BRAND, Helmut. (2012). Health literacy and public health: A systematic review and integration of definitions and models. BMC Public Health, 12, 80.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. (2009). Letramentos de Reexistência: culturas e identidades no movimento hip-hop. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP.

STREET, Brian. (2014). Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial.

STREET, Brian. (1995). Social literacies: critical approaches to Literacy in Development, Etnography and Education. New York: Routledge.

STREET, Brian. (1984). Literacy in Theory and Practice. Cambridge, MA.: Cambridge University Press.

TFOUNI, Leda. (1995). Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez.

TINOCO, Glícia M (2008). Azevedo de M. Projetos de letramento: ação e formação de professores de língua materna. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

VALSECHI, Marília Curado. (2016). Afinal, o que é o estágio supervisionado? De labirinto a entrelugar: o estágio proposto pela Universidade na visão dos estagiários. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

VIANNA, Carolina Assis Dias. (2017). Uma experiência de assessoria pedagógica em contexto editorial: letramento do professor para o local de trabalho. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP.

VIANNA, Carolina Assis, SITO, Luanda Soares, VALSECHI, Marília Curado, PEREIRA, Sílvia Letícia. (2016). Do Letramento aos Letramentos: desafios na aproximação entre o letramento acadêmico e o letramento do professor. In: KLEIMAN, Angela Bustos, ASSIS, Juliana. (orgs). Significados e ressignificações do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas: Mercado de Letras.

VOLOSHINOV, Valentin. (1929). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2006.

VÓVIO, Cláudia Lemos. (2007). Entre discursos. Representações, práticas e identidades leitoras de alfabetizadores de pessoas jovens e adultas. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Angela Bustos Kleiman, Carolina Assis Dias Vianna, Luanda Soares Sito, Marília Curado Valsechi, Paula Baracat De Grande

Downloads

Não há dados estatísticos.