Banner Portal
Saberes aritméticos nos Programas de Ensino dos Grupos Escolares catarinenses
PDF

Palavras-chave

Aritmética
Grupos escolares
Pedagogia moderna
Escola nova

Como Citar

SOUZA, Thuysa Schlichting de; COSTA, David Antonio da. Saberes aritméticos nos Programas de Ensino dos Grupos Escolares catarinenses: período 1911-1946. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 2, p. 208–224, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i2.8646518. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646518. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Neste artigo objetiva-se analisar as determinações oficiais para a matéria de Aritmética nos Programas de Ensino dos Grupos Escolares de Santa Catarina durante as reformas “Orestes Guimarães” (1911-1935) e “Elpídio Barbosa” (1946–1969). Busca-se evidenciar as continuidades e rupturas entre os conteúdos e os métodos prescritos em ambas as reformas. Para tal intento, os principais referenciais teórico-metodológicos mobilizados tratam da história das disciplinas escolares e da cultura escolar. No que se refere às fontes da pesquisa, são utilizadas as legislações que consubstanciaram ambas as reformas, em especial os Programas de Ensino dos Grupos Escolares de 1914 e 1946, além das obras: “Palestras sobre Ensino”, de Francis Wayland Parker, e “Didática da Escola Nova”, de Alfredo Miguel Aguayo. A análise dos programas mostra que o ensino intuitivo representou uma inovação no pensamento pedagógico e permaneceu influenciando o currículo do ensino primário em tempos de escolanovismo. 
https://doi.org/10.20396/zet.v24i2.8646518
PDF

Referências

AGUAYO, A. M. (1935). Didática da escola nova. São Paulo: Cia. Editora Nacional. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/116427.

ARRUDA, J. P. de, FLORES, C. R., & Brigo, J. (2010). A matemática nos programas oficiais para o ensino primário de Santa Catarina. In C. R. Flores, & J. P. de Arruda. A Matemática Moderna nas escolas do Brasil e Portugal: Contribuições para a história da educação matemática (pp. 117-142). São Paulo: Annablume.

CHERVEL, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2(1), 177-229.

COSTA, D. A., (2010). A Aritmética Escolar no ensino primário brasileiro: 1890-1946. Tese de Doutorado em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP.

COSTA, D. A., & SOUZA, T. S. (2014). Os Programas de Ensino dos Grupos Escolares Catarinenses: um estudo sobre a aritmética escolar, 1910-1946. In D. A. da Costa, & W. R. Valente. Saberes matemáticos no curso primário: o que, como e por que ensinar? (pp. 169-189). São Paulo: Editora Livraria da Física.

DE PAULA, M. F. B. F. W., & TEIVE, G. M. G. (2014). Disciplina em tempos escolanovistas: relações de autoridade e liberdade no cotidiano dos grupos escolares catarinenses (1946-1949). In Anais do 10o Congresso Luso Brasileiro de História da Educação. Curitiba: PUCPR.

FIORI, N. A. (1991). Aspectos da evolução do ensino público: ensino público e política de assimilação cultural no Estado de Santa Catarina nos períodos Imperial e Republicano. Florianópolis: Editora da UFSC.

GUIMARÃES, O. de O. (1911). Parecer sobre a adoção de obras didáticas. Florianópolis: Gap. Typ. D’O dia. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/101130.

JULIA, D. (2001). A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, 1(1), 9-43.

LOURENÇO FILHO, M. B. (1978). Introdução ao estudo da Escola Nova (13a ed.). São Paulo: Melhoramentos.

MONARCHA, C. (2009). Brasil arcaico, escola nova: ciência, técnica e utopia nos anos 1920-1930. São Paulo: Ed. UNESP.

NÓBREGA, P. de. (2003). Grupos escolares: modernização do ensino e poder oligárquico. In N. Dallabrida. Mosaico de escolas: modos de educação em Santa Catarina na primeira república (pp. 253-280). Florianópolis: Cidade Futura.

PARKER, F. (1909). Palestras sobre Ensino. Campinas: Typ. “Livro Azul” – A.B. Castro Mendes. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/96571.

TEIVE, G. M. G. (2007). O professor paulista Orestes Guimarães e a modernização da instrução pública catarinense (1911-1918). Cadernos de História da Educação, 6(1), 107-120.

TEIVE, G. M. G. (2014). Pedagogia moderna no Brasil: primeiras discussões e experiências práticas (final do século XIX – início do XX). Revista Mexicana de Historia de la Educación, 2(4), 153-172.

TEIVE, G. M. G., & DALLABRIDA, N. (2011). A escola da República: Os grupos escolares e a modernização do ensino primário em Santa Catarina (1911-1918). Campinas: Mercado de Letras.

VALDEMARIN, V. T. (1998). Método Intuitivo: os sentidos como janelas e portas que se abrem para um mundo interpretado. In R. F. de Souza, V. T. Valdemarina, & J. S. de Almeida (Orgs.), O legado educacional do século XIX (pp. 63-105). Araraquara: UNESP, Faculdade de Ciências e Letras.

VALDEMARIN, V. T. (2010). História dos métodos e materiais de ensino: a escola nova e seus modos de uso. São Paulo: Cortez.

VALENTE, W. R. (2014). Lourenço Filho e o moderno ensino de aritmética: produção e circulação de um modelo pedagógico. História da Educação, 18(44), 61-77.

VIDAL, D. G. (2005). Culturas escolares: estudo sobre prática de leitura e escrita na escola pública primária (Brasil e França, final do século XIX). Campinas: Autores Associados.

Legislação

DECRETO S.C. n. 587, de 22 de abril de 1911. (1911a). Programa dos grupos escolares e das escolas isoladas do estado de Santa Catarina. Joinville: Typ. Boehm, Acervo: APESC. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/99196.

DECRETO S.C._n. 596, de 07 de julho de 1911. (1911b). Florianópolis: Gap. Typ. D’O dia. Acervo da APESC. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/123490.

DECRETO S.C. n. 796, de 2 maio de 1914. (1914a). Programa dos grupos escolares e das escolas isoladas do estado de Santa Catarina. Joinville: Typ. Boehm. Acervo: APESC. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/105101.

DECRETO S.C. n. 795, de 2 maio de 1914. (1914b). Regimento Interno dos Grupos Escolares de 1914. Joinville: Typ. Boehm .Acervo: APESC. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/105191.

DECRETO-LEI S.C. n. 298, de 18 de novembro de 1946. (1946a). Expede a Lei Orgânica do ensino primário. Diário Oficial n. 3.349, 18 nov. 1946, p. 1-4. Florianópolis: Diário Oficial do Estado de Santa Catarina. Acervo: APESC. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/122146.

DECRETO S.C. n. 3.732, de 12 dezembro de 1946. (1946b). Programa para os estabelecimentos de ensino primário do estado de Santa Catarina. Florianópolis: Gap. Typ. D’O dia. Acervo: APESC. Retirado em 06 de março de 2016, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/99620.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.