Banner Portal
Professoras iniciantes em grupo colaborativo
PDF

Palavras-chave

Iniciação à docência
Ensino de geometria
Reflexão sobre a prática

Como Citar

CIRÍACO, Klinger Teodoro; MORELATTI, Maria Raquel Miotto; PONTE, João Pedro da. Professoras iniciantes em grupo colaborativo: contributos da reflexão ao ensino de geometria. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 2, p. 249–268, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i2.8646521. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646521. Acesso em: 19 maio. 2024.

Resumo

Analisamos o processo de aprender a ensinar nos primeiros anos da docência, nas dimensões de conhecimento do conteúdo e do conhecimento didático de cinco professoras em início de carreira integrantes de um grupo colaborativo. A metodologia inscreve-se no campo dos estudos qualitativos de cariz colaborativo. Tomamos por base dois episódios de vídeos de aulas de Matemática envolvendo a classificação de formas geométricas na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Analisamos as interações ocorridas no grupo e descrevemos como a reflexão sobre a prática docente e o compartilhamento de experiências contribuem para desenvolvimento do conhecimento das professoras. Os resultados mostram que a vivência colaborativa oportunizou a identificação de lacunas conceituais decorrentes da formação inicial das professoras e desencadeou questões no âmbito da colaboração que levaram o grupo a formular princípios pertinentes para a abordagem deste tema em suas próximas aulas.

https://doi.org/10.20396/zet.v24i2.8646521
PDF

Referências

BOGDAN, R. & BIKLEN, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. (pp.47- 51). Porto, Porto Editora.

BRANCO, N. C. V. (2013). O desenvolvimento do pensamento algébrico na formação inicial de professores dos primeiros anos. Tese (Doutoramento em Educação, Didática da Matemática), Instituto de Educação – Universidade de Lisboa.

BRANCO, N. C. V. & PONTE, J. P. da. (2011). A álgebra na formação inicial de professores dos primeiros anos: Uma experiência de formação. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4570/1/Branco%2c%20Ponte%20ID%203%281%29%202011.pdf. Retirado em: 02/mar.2016.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Vol. 3.Brasília: MEC/SEF.

BRASIL . Ministério da Educação. (1997). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática (1o e 2o ciclos do ensino fundamental). v. 3. Brasília: MEC.

BRASIL . Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. (2001). Parecer CNE/CES 1.302/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura, 06 de novembro de 2001. Retirado em 30 de março, 2014, de: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf.

CIRÍACO, K. T. (2016). Professoras iniciantes e o aprender a ensinar Matemática em um grupo colaborativo. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Ciências e Tecnologia – Universidade Estadual Paulista ‘Júlio de Mesquita Filho’ (FCT/UNESP).

CURI, E. (2004). Formação de professores polivalentes: uma análise de conhecimentos para ensinar Matemática e de crenças e atitudes que interferem na constituição desses conhecimentos. Tese de Doutorado em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. PUC/SP.

CURI, E. (2011). A formação inicial de professores para ensinar Matemática: algumas reflexões, desafios e perspectivas. In: REMATEC: Revista de Matemática, Ensino e Cultura, 6 (9), 75-94.

FIORENTINI, D. & OLIVEIRA, A.T.C.C. (2013). O Lugar das Matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas? Bolema, 27 (47), 917-938.

FONSECA, M.C, LOPES, M.P, BARBOSA, M.G.G., Gomes, M.L.M. & Dayrell, M.M.M.S.S. (2005). O ensino de Geometria na Escola Fundamental: três questões para a formação do professor dos ciclos iniciais. Belo Horizonte: Autêntica.

FRANCO, M. A. R. S. (2005). Pedagogia da Pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, set./dez. 2005, São Paulo. Retirado em 05 de outubro, 2013, de: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a11v31n3.pdf.

FREIRE, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

FULLAN, M. & HARGREAVES, A. (2000). A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

GÁLVEZ, G. A. (1996). Geometria, a psicogênese das noções espaciais e o ensino da Geometria na escola primária. In Parra, C.; Saiz, I. (Orgs.). Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. (pp. 236-258). Tradução por Juan Acuña Llorens. Porto Alegre: Artes Médicas.

GRANDO, R. C. (2000). O conhecimento matemático e o uso dos jogos na sala de aula. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação, UNICAMP.

GUARNIERI, M. R. (1996). Tornando-se professor: o início na carreira docente e a consolidação da profissão. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de São Carlos: UFSCar.

KAMII, C. (1990). A criança e o número. Campinas: Papirus.

MARCELO GARCÍA, C. (1999). Formação de Professores: Para uma mudança educativa. Portugal: Porto Editora.

MOURA, M. O. (2001). A atividade de ensino como ação formadora. In Castro, A; CARVALHO, A (orgs). Ensinar a ensinar: didática para a escola. São Paulo: Editora Pioneira.

NACARATO, A. M., GOMES, A. A. M. & GRANDO, R. C. (2008). Experiência com geometria na escola básica. São Carlos: Pedro & João Editores.

NACARATO, A. M. (2000). Educação continuada sob a perspectiva da pesquisa-ação: currículo em ação de um grupo de professoras ao aprender ensinando geometria. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

NACARATO, A. M. & PASSOS, C. L. B. (2003). A Geometria nas séries inicias: uma análise sob a perspectiva da prática pedagógica e da formação de professores. São Carlos: Edufscar.

NONO, M. A. (2011). Professores iniciantes: o papel da escola em sua formação. Porto Alegre: Mediação.

PANIZZA, M. A direita... de quem? Localização espacial na educação inicial e nas séries iniciais. (2006). In Panizza, M. (org.). Ensinar Matemática na Educação Infantil e nas Séries Iniciais: análise e propostas. (pp. 143- 167). Porto Alegre: Artes Médicas.

PAVANELLO, R. M. (1993). O abandono do ensino de geometria no Brasil: causas e conseqüências. Revista Zetetiké, 2 (1), 7-17.

PIRES, C. M. C., CURI, E. & CAMPOS, M. M. (2000). Espaço e forma: a construção de noções geométricas pelas crianças das quatro séries iniciais do Ensino Fundamental. São Paulo: PROEM.

PONTE, J. P. & CHAPMAN, O. (2008). Preservice mathematics teachers' knowledge and development. In L. English (Ed.). Handbook of international research in mathematics education. (pp. 225-263). New York, NY: Routldge.

SANTALÓ, L. A. (1996). Matemática para não-matemáticos. In: SAIZ, I.; PARRA, C. (Orgs.). Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. (pp. 11-25). Porto Alegre: Artes Médicas.

SCHÖN, D. A. (1992). Designing as reflective conversation with the materials of a design situation. Knowledge-Based Systems, 5(1), 3-14.

VASCONCELLOS, M. (2005). Figuras geométricas não-planas e planas: a aprendizagem dos alunos da 4a série e as concepções dos seus professores. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Católica Dom Bosco, UCDB.

ZAMBON, A. E. C. (2010). A geometria em cursos de pedagogia da região de Presidente Prudente-SP. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente – FCT/UNESP. Presidente Prudente/SP.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.