O PNE e a articulação da pós-graduação com a educação básica

Autores

  • Adair Mendes Nacarato Universidade São Francisco

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v24i2.8646522

Palavras-chave:

Plano nacional de educação. Avaliação da pós-graduação em educação. Educação básica.

Resumo

Discutem-se neste texto algumas questões suscitadas pelo Plano Nacional de Educação (PNE), no que diz respeito à articulação da Pós-Graduação em Educação com a educação básica e, em particular, questões relacionadas às metas 14 e 16 do referido plano. Visando avaliar a exequibilidade dessas metas, aponta-se o distanciamento existente entre elas e os critérios de avaliação dos programas de pós-graduação, no que diz respeito à inserção social e ao impacto regional e (ou) nacional. Identifica-se pouca valorização das parcerias da pós-graduação com os sistemas de ensino nos critérios de avaliação da Capes na área de Educação. Questiona-se se os programas de pós-graduação já existentes no País atendem a demanda dos professores da educação básica ou se a pós-graduação é o caminho desejado pelos professores para o seu desenvolvimento profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adair Mendes Nacarato, Universidade São Francisco

Graduada em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1975), mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1994) e doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Atualmente é docente da Universidade São Francisco, campus de Itatiba, junto ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Permanente, atuando principalmente nos seguintes temas: educação matemática, formação de professores, prática pedagógica e narrativas (auto)biográficas. Atua em cursos de extensão voltados à formação docente e ao desenvolvimento curricular em matemática. Realizou estágio de pós-doutoramento junto ao PPGE da UFRN no campo dos estudos biográficos, sob supervisão da Profa. Dra. Maria da Conceição Passeggi. É membro da Comissão Permanente de Avaliação (CPA) da USF e editora da Revista Horizontes. É pesquisadora produtividade/CNPq, nível 2. É líder dos grupos de pesquisa: Grupo Colaborativo em Matemática (Grucomat) e Histórias de Professores que Ensinam Matemática (HIFOPEM).

Referências

ANDRÉ, M. (2004). A formação de professores nas pesquisas de 1990. In L. S. B. MACIEL, & A. SHIGUNOV NETO, Formação de professores: passado, presente e futuro (pp. 77-96). São Paulo: Cortez.

BETERELI, K. C., & NACARATO, A. M. (2015). Uma possibilidade de formação continuada de professores que ensinam matemática a partir da parceria universidade-escola. In C. A. NORONHA, & I. A. MENDES. (Orgs.), Ensino de ciências e matemática: múltiplos enfoques na formação de professores (pp.17-46). Campinas, SP: Mercado de Letras; Natal, RN: UFRN.

BRASIL. (2001). Conselho Nacional de Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Parecer CNE/CP 009/2001. Brasília: MEC.

BRASIL. (2013). Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. Documento de Área. Brasília, DF.

BRASIL. (2014a). Ministério da Educação. Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino. Planejando a próxima década: conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. Brasília, DF. Retirado em 20 de junho de 2015, de http://pne.mec.gov.br/images/pdf/pne_conhecendo_20_metas.pdf.

BRASIL (2014b). Presidência da República. Casa Civil. Lei no 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF.

FIORENTINI, D., NACARATO, A. M., FERREIRA, A. C., LOPES, C. S., FREITAS, M. T. M., & MISKULIN, R. G. S. (2002). Formação de professores que ensinam Matemática: um balanço de 25 anos da pesquisa brasileira. Educação em Revista, 36, 137-160.

FREITAS, L. C. (2014, outubro-dezembro). Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação & Sociedade, 35(129), 1085-1114.

GATTI, B. A., BARRETO, E. S. S., & ANDRÉ, M D. A. (2011). Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO.

GERALDI, C. M. G., FIORENTINI, D., & PEREIRA, E. M. A. (Orgs.). (1998). Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas, SP: Mercado de Letras.

GRANDO, R. C., & NACARATO, A. M. (2014). O OBEDUC como espaço para formação de professoras dos anos iniciais, tendo como foco as práticas de letramento. In A.V. Munhoz, & I. M. Giongo, Observatório da Educação I: tendências no ensino da matemática (pp. 35-48). Porto Alegre: Evangraf.

GRANDO, R.C., & NACARATO, A.M. (2016, jan/abr.). Compartilhamento de práticas formativas em matemática escolar por professoras alfabetizadoras. Zetetiké. FE/Unicamp & FEUFF. 24 (45), 141-156.

LÜDKE, M. (1998). Pesquisa em Educação: conceitos, políticas e práticas. In C. M. G. Geraldi, D. Fiorentini, & E. M. A. Pereira. (Orgs.), Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). (pp. 23-32). Campinas, SP: Mercado de Letras.

NACARATO, A. M. (2013). Políticas públicas de formação do professor na educação básica: pesquisas, programas de formação e práticas. In Anais, 36 Reunião Nacional da ANPED. Goiânia.

NACARATO, A. M., GRANDO, R. C., & SILVA, V. B. (Org.). (2012). Nos bastidores de uma escola pública: tecendo vozes dos autores... revelando cenas... produzindo olhares. Campinas, SP: Mercado de Letras.

ZEICHNER, K. M. (1998). Para além da divisão entre professor pesquisador e professor acadêmico. In C. M. G. Geraldi, D. Fiorentini, & E. M. A. Pereira. (Orgs.), Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a) (pp. 207-236). Campinas, SP: Mercado de Letras.

ZEICHNER, K. M., & DINIZ-PEREIRA, J. E. (2005, maio-agosto). Pesquisa dos educadores e formação docente voltada para a transformação social. Cadernos de Pesquisa, 35(125), 63-80.

Downloads

Publicado

2016-09-22

Como Citar

NACARATO, A. M. O PNE e a articulação da pós-graduação com a educação básica. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 2, p. 269–280, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i2.8646522. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646522. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo