Banner Portal
Materiais curriculares educativos online como uma estratégia ao desenvolvimento profissional em matemática
PDF

Palavras-chave

Materiais curriculares educativos online
Educação básica
Formação continuada de professores
Reflexão docente

Como Citar

BAIRRAL, Marcelo Almeida. Materiais curriculares educativos online como uma estratégia ao desenvolvimento profissional em matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 75–92, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i45.8646530. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646530. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

Este artigo é fruto de uma pesquisa que visa à elaboração e à disponibilização de Materiais Curriculares Educativos Online (MCEO) para o uso de docentes em suas aulas. Os dados analisados foram coletados em uma sessão presencial de pesquisa na qual os MCEO professores de matemática tiveram a oportunidade de acessar cada um dos materiais e navegar com eles. A coleta de dados foi feita mediante um roteiro de perguntas e os diários dos pesquisadores. Um dos primeiros resultados ratifica que a tarefa deve ser o ponto de partida na elaboração de um MCEO. Além de ser mais uma estratégia para o aprendizado docente, os MCEO podem constituir novas formas de obtenção online de dados na pesquisa em educação matemática interessada no desenvolvimento profissional docente. Todavia, a mera produção de MCEO não pode ser vista como responsável por melhorias na qualidade dos processos de ensino e aprendizagem matemática.
https://doi.org/10.20396/zet.v24i45.8646530
PDF

Referências

ASSIS, A. R. de (2016). Alunos do Ensino Médio trabalhando no GeoGebra e no Geometric Constructer: mãos e rotAções em touchscreen. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

BAIRRAL, M. A., & GIMÉNEZ, J. (2005). Momentos reflexivos e metacognição na teleformação continuada em Matemática. Quadrante, 14(2), 3-23.

BAIRRAL, M., VIANNA, M., HONORATO, V., & SETTIMY, T. (2014). O uso de materiais curriculares educativos online na formação continuada de professores de matemática. In 6 EEMAT-RJ, Niterói. Retirado em 5 de junho de 2015. http://www.sbemrj.com.br/p/anais.html

BROWN, M. W. (2009). The teacher-tool relationship: Theorizing the design and use of curriculum materials. In J. T. REMILLARD, B. A. HERBEL-EISENMANN, & G. M. LLOYD (Eds.), Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction (pp. 17-36). New York: Routledge.

DOMINGOS, A., & TEIXEIRA, P. C. (2011). Os materiais electrónicos que acompanham os manuais e a aula de matemática. Educação e Matemática, 115, 64-66.

DRAKE, C., & SHERIN, M. G. (2009). Developing curriculum vision and trust: Changes in teachers’ curriculum strategies. In J. T. REMILLARD, B. A. HERBEL-EISENMANN, & G. M. LLOYD (Eds.), Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction (pp. 321-337). New York: Routledge.

GUIMARÃES, W. N. (2015). Um estudo sobre a inserção tecnológica na formação continuada de docentes de matemática. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

IZAR, S. B. (2014). Explorando o conceito de Homotetia com alunos do Ensino Fundamental: uma abordagem com aplicativos dinâmicos inspirada na cultura visual. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

MARQUES, W. da S. (2013). Calculadora em sala de aula: um estudo focado no aprendizado de alunos do Ensino Médio Profissionalizante. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

OLIVEIRA, A. M. P., & BARBOSA, J. C. (2014). A produção de materiais curriculares educativos em grupos colaborativos. In M. A. GONÇALVES JÚNIOR, E. M. CRISTOVÃO, & R. C. R. LIMA (Eds.), Grupos colaborativos e de aprendizagem do professor que ensina matemática: repensar a formação de professores é preciso! (pp.118-126). Retirado em 10 de março de 2015, de https://docs.google.com/file/d/0BzM7EA04taCJeVczaHFDZ3h4WlU/edit

OLIVEIRA, G. W. B. de (2016). Épura em vídeo: desenvolvimento e uso de um aplicativo para o trabalho com geometria descritiva. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

REMILLARD, J. T., HERBEL-EISENMANN, B.A., & LLOYD, G. M. (Eds.). (2009). Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction. New York: Routledge.

SANTANA, B., ROSSINI, C., & PRETTO, N. de L. (2012). Recursos educacionais abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. São Paulo: Casa da Cultura Digital; Salvador: EDUFBA.

SANTOS, R. T., & BAIRRAL, M. A. (2015). Aspectos emergentes na construção do conceito de polígono por alunos do 6º ano de uma escola pública. Vidya, 35(1), 1-26.

SANTOS, V. M. P. dos. (1995) Matemática: conhecimento, concepções e consciência metacognitiva de professores em formação e em exercício. In Seminário Internacional (pp.117-133). Instituto de Matemática/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SANTOS-WAGNER, V. M. (1999). The development of teachers’ awareness of the process of change: Brazilian experiences with practising teachers. In N. Ellerton (Ed.), Mathematics teacher development: International perspectives (pp. 217-256). Australia: Meridian Press.

SILVA, M. S., BARBOSA, J. C., & Oliveira, A. M. P. (2012). O sequenciamento do ambiente de modelagem matemática a partir do contato com materiais curriculares educativos. Acta Scientiae, 14(2), 240-259.

SILVA, M. S., BARBOSA, J. C., & Oliveira, A. M. P. (2013). Materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática e a recontextualização pedagógica operada por professores iniciantes. Revista Iberoamericana de Educación Matemática UNIÓN, 34, 44-67.

ZEPPEDA, V. (2014). Pelos caminhos da educação no mundo virtual. Rio Pesquisa, 29, 32-35.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.