Materiais curriculares educativos online como uma estratégia ao desenvolvimento profissional em matemática

Autores

  • Marcelo Almeida Bairral Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v24i45.8646530

Palavras-chave:

Materiais curriculares educativos online. Educação básica. Formação continuada de professores. Reflexão docente.

Resumo

Este artigo é fruto de uma pesquisa que visa à elaboração e à disponibilização de Materiais Curriculares Educativos Online (MCEO) para o uso de docentes em suas aulas. Os dados analisados foram coletados em uma sessão presencial de pesquisa na qual os MCEO professores de matemática tiveram a oportunidade de acessar cada um dos materiais e navegar com eles. A coleta de dados foi feita mediante um roteiro de perguntas e os diários dos pesquisadores. Um dos primeiros resultados ratifica que a tarefa deve ser o ponto de partida na elaboração de um MCEO. Além de ser mais uma estratégia para o aprendizado docente, os MCEO podem constituir novas formas de obtenção online de dados na pesquisa em educação matemática interessada no desenvolvimento profissional docente. Todavia, a mera produção de MCEO não pode ser vista como responsável por melhorias na qualidade dos processos de ensino e aprendizagem matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Almeida Bairral, Universidade Federal Fluminense

Licenciado (1990) e especialista (1992) em Matemática pela Universidade Federal Fluminense, mestre em Educação Matemática pela Universidade Santa Úrsula (1996), doutor em Educação Matemática pela Universidade de Barcelona (2002) e pós-doutor em Educação Matemática pela Universidade do Estado de Nova Jersey (EUA, 2007) e pela Universidade de Turin (Itália, 2012). É professor associado III da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Preside o Gepem desde 2003 e é o editor responsável do Boletim Gepem. É idealizador e coordenador da Série InovaComTic da Editora da UFRRJ. Foi coordenador e atua como docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc/UFRRJ). É também professor do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGEduCIMAT/UFRRJ). Atua em educação matemática nos seguintes temas: interações em ambientes virtuais, inovação tecnológica e formação de professores, aprendizagem matemática em dispositivos touchscreen, inovações curriculares em geometria. Foi coordenador do GT19 (Educação Matemática) da ANPEd e membro da coordenação do GT6 (Ed. Matemática: Novas Tecnologias e EaD) da SBEM. Em julho de 2013 passou a integrar a Comissão internacional para melhoria do ensino e da aprendizagem de matemática (CIEAEM).

Referências

ASSIS, A. R. de (2016). Alunos do Ensino Médio trabalhando no GeoGebra e no Geometric Constructer: mãos e rotAções em touchscreen. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

BAIRRAL, M. A., & GIMÉNEZ, J. (2005). Momentos reflexivos e metacognição na teleformação continuada em Matemática. Quadrante, 14(2), 3-23.

BAIRRAL, M., VIANNA, M., HONORATO, V., & SETTIMY, T. (2014). O uso de materiais curriculares educativos online na formação continuada de professores de matemática. In 6 EEMAT-RJ, Niterói. Retirado em 5 de junho de 2015. http://www.sbemrj.com.br/p/anais.html

BROWN, M. W. (2009). The teacher-tool relationship: Theorizing the design and use of curriculum materials. In J. T. REMILLARD, B. A. HERBEL-EISENMANN, & G. M. LLOYD (Eds.), Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction (pp. 17-36). New York: Routledge.

DOMINGOS, A., & TEIXEIRA, P. C. (2011). Os materiais electrónicos que acompanham os manuais e a aula de matemática. Educação e Matemática, 115, 64-66.

DRAKE, C., & SHERIN, M. G. (2009). Developing curriculum vision and trust: Changes in teachers’ curriculum strategies. In J. T. REMILLARD, B. A. HERBEL-EISENMANN, & G. M. LLOYD (Eds.), Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction (pp. 321-337). New York: Routledge.

GUIMARÃES, W. N. (2015). Um estudo sobre a inserção tecnológica na formação continuada de docentes de matemática. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

IZAR, S. B. (2014). Explorando o conceito de Homotetia com alunos do Ensino Fundamental: uma abordagem com aplicativos dinâmicos inspirada na cultura visual. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

MARQUES, W. da S. (2013). Calculadora em sala de aula: um estudo focado no aprendizado de alunos do Ensino Médio Profissionalizante. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

OLIVEIRA, A. M. P., & BARBOSA, J. C. (2014). A produção de materiais curriculares educativos em grupos colaborativos. In M. A. GONÇALVES JÚNIOR, E. M. CRISTOVÃO, & R. C. R. LIMA (Eds.), Grupos colaborativos e de aprendizagem do professor que ensina matemática: repensar a formação de professores é preciso! (pp.118-126). Retirado em 10 de março de 2015, de https://docs.google.com/file/d/0BzM7EA04taCJeVczaHFDZ3h4WlU/edit

OLIVEIRA, G. W. B. de (2016). Épura em vídeo: desenvolvimento e uso de um aplicativo para o trabalho com geometria descritiva. Dissertação de Mestrado em Educação/PPGEduc, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

REMILLARD, J. T., HERBEL-EISENMANN, B.A., & LLOYD, G. M. (Eds.). (2009). Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction. New York: Routledge.

SANTANA, B., ROSSINI, C., & PRETTO, N. de L. (2012). Recursos educacionais abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. São Paulo: Casa da Cultura Digital; Salvador: EDUFBA.

SANTOS, R. T., & BAIRRAL, M. A. (2015). Aspectos emergentes na construção do conceito de polígono por alunos do 6º ano de uma escola pública. Vidya, 35(1), 1-26.

SANTOS, V. M. P. dos. (1995) Matemática: conhecimento, concepções e consciência metacognitiva de professores em formação e em exercício. In Seminário Internacional (pp.117-133). Instituto de Matemática/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SANTOS-WAGNER, V. M. (1999). The development of teachers’ awareness of the process of change: Brazilian experiences with practising teachers. In N. Ellerton (Ed.), Mathematics teacher development: International perspectives (pp. 217-256). Australia: Meridian Press.

SILVA, M. S., BARBOSA, J. C., & Oliveira, A. M. P. (2012). O sequenciamento do ambiente de modelagem matemática a partir do contato com materiais curriculares educativos. Acta Scientiae, 14(2), 240-259.

SILVA, M. S., BARBOSA, J. C., & Oliveira, A. M. P. (2013). Materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática e a recontextualização pedagógica operada por professores iniciantes. Revista Iberoamericana de Educación Matemática UNIÓN, 34, 44-67.

ZEPPEDA, V. (2014). Pelos caminhos da educação no mundo virtual. Rio Pesquisa, 29, 32-35.

Downloads

Publicado

2016-05-13

Como Citar

BAIRRAL, M. A. Materiais curriculares educativos online como uma estratégia ao desenvolvimento profissional em matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 75–92, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i45.8646530. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646530. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo