Narrativas de aulas de matemática: reificações de comunidades de prática

Autores

  • Lilian Aragão da Silva Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Airam da Silva Prado Universidade Federal da Bahia
  • Jonei Cerqueira Barbosa Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v24i45.8646531

Palavras-chave:

Narrativas. Aulas de matemática. Reificações

Resumo

Este artigo tem o propósito de analisar formas de desenvolver aulas de matemática (processo) e formas de escrever (produto) esboçadas em narrativas de aulas. Para isso, utilizar-se-á a perspectiva da aprendizagem situada, a fim de promover uma descrição teórica para ilustrar como as narrativas, produzidas por professores de matemática que fazem parte do Observatório da Educação Matemática (OEM-Bahia), se constituem como produtos/processos da conexão entre as práticas sociais de que esses professores participam. Os resultados desta pesquisa apontam que as narrativas podem ser compreendidas teoricamente como (re)reificações de uma comunidade interconectada com outra comunidade (ou outras comunidades) a partir do objeto de fronteira (a tarefa) e do broker (o professor).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Aragão da Silva, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Graduada em Licenciatura em Matemática na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências (PPGEFHC) na Universidade Federal da Bahia (UFBA) e UEFS. Atualmente, Doutoranda pelo mesmo programa PPGEFHC/UFBA/UEFS e Professora Assistente da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), no Centro de Formação de Professores, em Amargosa, Bahia. 

Airam da Silva Prado, Universidade Federal da Bahia

Graduada em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências (PPGEFHC) pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e UEFS. Atualmente, Doutoranda pelo mesmo programa PPGEFHC/UFBA/UEFS.

Jonei Cerqueira Barbosa, Universidade Federal da Bahia

Possui graduação em Matemática pela Universidade Católica do Salvador (1997), doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e estágio pós-doutoral na London South Bank University (2008) e na University of London (2013-2014). Atualmente, é professor adjunto do Departamento II da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. É professor permanente no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA e no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/UEFS. 

Referências

ALVES-MAZZOTTI, A. J. (2002). O planejamento de pesquisas qualitativas. In A. J. ALVES-MAZZOTTI, & F. GEWANDSZNAJDER, O método das ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa (pp. 129-178) São Paulo: Pioneira.

BELINE, W. (2012). Formação de professores de matemática em comunidades de prática: um estudo sobre identidades. Tese de Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

CRISTOVÃO, E. M., & CASTRO, J. F. (2013). Possibilidades e limites da postura colaborativa e investigativa do professor como tática de enfrentamento da complexidade da docência. Espaço Pedagógico, 20(1), 158-174.

CYRINO, M. C. C. T. (2013). Formação de professores que ensinam matemática em comunidades de prática. 7 Anais do Congresso Iberoamericano de Educação Matemática. Montevideo: CBEM.

FIORENTINI, D. (2009). Quando acadêmicos da universidade e professores da escola básica constituem uma comunidade de prática reflexiva e investigativa. In D. FIORENTINI, R. C. GRANDO, & R. G. MISKULIN (Orgs.), Práticas de formação e de pesquisa de professores que ensinam matemática (pp. 233-255). Campinas: Mercado de Letras.

JOHNSON, B., & CHRISTENSEN, L. (2012). Educational research: quantitative, qualitative, and mixed approaches. Thousand Oaks: Sage.

LAVE, J., & WENGER, E. (1991). Situated learning: Legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press.

LUCENA, T. V. (2014). Aprendizagens de professores de matemática a partir da participação em um grupo colaborativo. Dissertação de Mestrado em Ensino, Filosofia e Histórias das Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador e Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana.

MACIEL, D. M., BRAGA, K. R., & OLANDA, M. R. S. (2008). Formação colaborativa de docentes de matemática: um diálogo entre a educação básica e a universidade. Anais do Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Recife.

MARQUESIN, D. F. B, & PASSOS, L. F. (2009). Narrativa como objeto de estudo: aportes teóricos. Múltiplas Leituras, 2( 2), 219-237.

NACARATO, A. M, PASSOS, C. L. B., & SILVA, H. (2014). Narrativas na pesquisa em Educação Matemática: caleidoscópio teórico e metodológico. Bolema − Boletim de Educação Matemática, 28(49), 701-716.

NAGY, M, C. (2013). Trajetórias de aprendizagem de professoras que ensinam matemática em uma comunidade de prática. Tese de Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

PASSOS, C., & GALVÃO, C. (2011). Narrativas de formação: investigações matemáticas na formação e na atuação de professores. Interacções, 18(7), 76-103.

PEREIRA, J. S. (2013). Materiais manipuláveis e a participação de estudantes: engajamento mútuo e repertório compartilhado nas aulas de matemática. Dissertação de Mestrado em Ensino, Filosofia e Histórias das Ciências. Salvador: Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana.

PEREIRA, M. N. M. (2013). Geometria, situações com referência na realidade e a participação de estudantes em aulas de matemática. Dissertação de Mestrado em Ensino, Filosofia e Histórias das Ciências. Universidade Federal da Bahia, Salvador e Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana.

ROCHA, M. R., & CYRINO, M. C. C. T. (2012). Um estudo sobre empreendimentos de uma comunidade de prática de professores de matemática na busca de aprender e ensinar frações. 16 Anais do Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática, Recife.

SCHNEIDER, R. M., & KRAJCIK, J. (2002). Supporting science teacher learning: The role of educative curriculum materials. Journal of Science Teacher Education, 13(3), 221-245.

SOUZA, J. V. B. (2011). Os materiais manipuláveis e a participação dos alunos na aula de matemática. Dissertação de Mestrado em Ensino, Filosofia e Histórias das Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador e Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana.

WENGER, E. Communities of practice: Learning, meaning and identity. New York: Cambridge University Press, 1998.

WENGER, E. Comunidades de prática: Aprendizaje, significado e identidad. Barcelona: Paiadós, 2001.

Downloads

Publicado

2016-05-13

Como Citar

SILVA, L. A. da; PRADO, A. da S.; BARBOSA, J. C. Narrativas de aulas de matemática: reificações de comunidades de prática. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 93–107, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i45.8646531. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646531. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigo