Desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática: colaboração e materiais curriculares (educativos)

Autores

  • Andréia Maria Pereira de Oliveira Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v24i45.8646535

Palavras-chave:

Materiais curriculares (educativos). Desenvolvimento profissional de professores. Colaboração.

Resumo

Este artigo, que serviu como Trabalho Encomendado do GT19 – Educação Matemática, na 37ª Reunião Anual da Anped, discute o tema “Desenvolvimento profissional de professores que ensinam Matemática: colaboração e materiais curriculares no âmbito do Programa Observatório da Educação (OBEDUC)”. Para tal propósito, inicialmente, apresenta-se uma síntese dos trabalhos enviados ao GT19 como contribuição para a abordagem do tema. Em seguida, aborda-se a noção de práticas pedagógicas promotoras de desenvolvimento profissional como constructo teórico decorrente da análise dos artigos. Tais práticas podem ser agrupadas em organização do ensino de Matemática, produção de materiais curriculares (educativos) e ações formativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréia Maria Pereira de Oliveira, Universidade Federal da Bahia

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Católica do Salvador (1995), Mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003) e Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana (2010). Atualmente, é professora adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e é credenciada como professora permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/UEFS e no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA. Membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática (ENCIMA), do Observatório da Educação Matemática (OEM-Bahia) e do Grupo Colaborativo em Modelagem Matemática (GCMM). É sócia da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) e da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED). É coordenadora do GT19 (Educação Matemática) da ANPEd para o biênio 2015-2017.Tem experiência na área de Educação Matemática, atuando, principalmente, nos seguintes temas: Formação e prática pedagógica de professores que lecionam Matemática, Modelagem Matemática e Materiais Curriculares Educativos.

Referências

BAIRRAL, M. (2016). Materiais curriculares educativos online como uma estratégia para o desenvolvimento profissional em matemática. Zetetiké, 24(45), 75-92.

BERNSTEIN, B. (2000). Pedagogy, symbolic control and identify: theory, research, critique. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers.

BORBA, M. (2004). Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez.

DAVIS, E., & KRAJCIK, J. (2005). Designing educative curriculum materials to promote teacher learning. Educational Researcher, 34(3), 3-14.

DELEUZE, G., & GUATTARI, F. (1995). Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34.

FERREIRA, A., & MIORIM, M. (2011). Collaborative work and the professional development of mathematics teachers: analysis of a Brazilian experience. In N. BEDNARZ, D. FIORENTINI, & R. HUANG (Eds.), International approaches to professional development for mathematics teachers: explorations of innovative approaches to the professional development of math teachers from around the world (pp. 137-149). Ottawa: University of Ottawa Press.

FIORENTINI, D. (2004). Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: M. Borba, & J. Araújo, Pesquisa qualitativa em educação matemática (pp. 47-76). Belo Horizonte: Autêntica.

FIORENTINI, D. (2009). Quando acadêmicos da universidade e professores da escola básica constituem uma comunidade de prática reflexiva e investigativa. In D. FIORENTINI, R. GRANDO, & R. MISKULIN (Orgs.). Práticas de formação e de pesquisa de professores que ensinam matemática (pp. 233-255). Campinas: Mercado de Letras.

FIORENTINI, D., & CRECCI, V. (2013). Desenvolvimento profissional docente: um termo guarda-chuva ou um novo sentido à formação? Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, 5(8), 11-23.

FOERSTE, E. (2005). Parceria na formação de professores. São Paulo: Cortez.

FRANCO, P., LONGAREZI, A., & MARCO, F. (2016). Organização do ensino de Matemática na perspectiva histórico cultural: um processo didático-formativo. Zetetiké, 24(45), 127-140.

GAMA, R., & NAKAYAMA, B. (2016). Rede colaborativa de professores que ensinam Matemática: articulações entre ensino, pesquisa e extensão. Zetetiké, 24(45), 59-74.

GRANDO, R., & NACARATO, A. (2016). Compartilhamento de práticas formativas em matemática escolar por professoras alfabetizadoras. Zetetiké, 24(45), 141-156.

JAVARONI, S., & ZAMPIERI, M. (2016). Reflexões em um espaço virtual de formação de professores de Matemática. Zetetiké, 24(45), 109-126.

LAVE, J., WENGER, E. (1991). Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press.

LOPES, A., ARAÚJO, E., CEDRO, W., & MOURA, M. (2016). Trabalho coletivo e organização do ensino de matemática: princípios e práticas. Zetetiké, 24(45), 13-28.

MIZUKAMI, M., REALI, A., REYES, C., MARTUCCI, E., LIMA, E., TANCREDI, R., & MELLO, R. (2002). Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EDUFSCar - INEP/COMPED.

PASSOS, C., NACARATO, A., FIORENTINI, D., MISKULIN, R., GRANDO, R., GAMA, R., ... , Melo, M. (2006). Desenvolvimento profissional do professor que ensina Matemática: uma meta-análise de estudos brasileiros. Quadrante − Revista de Investigação em Educação Matemática, 15(1-2), 93-219.

REMILLARD, J. (2005). Examining key concepts in research on teachers’ use of mathematics curricula. Review of Educational Research, 75(2), 211-246.

SHULMAN L. (1986). Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 15(2), 4-14.

SILVA, L., PRADO, A., & BARBOSA, J. (2016). Narrativas de aulas de matemática: reificações de comunidades de prática. Zetetiké, 24(45), 93-108.

SOUSA, M. C. (2016). Escritas reflexivas de professores que ensinam Matemática enquanto desenvolveram produtos educacionais, coletivamente. Zetetiké, 24(45), 43-58.

TINTI, D., RAMOS, W., MANRIQUE, A. & PASSOS, L. (2016). OBEDUC: análise de aprendizagens docentes num contexto formativo sobre resolução de problemas. Zetetiké, 24(45), 29-42.

WENGER, E. (1998). Communities of practice: learning, meaning and identity. New York: Cambridge University Press.

Downloads

Publicado

2016-05-13

Como Citar

OLIVEIRA, A. M. P. de. Desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática: colaboração e materiais curriculares (educativos). Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 157–171, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i45.8646535. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646535. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo