PNE e condição docente: para uma ontologia do trabalho docente

Autores

  • Vinício de Macedo Santos Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v24i45.8646536

Palavras-chave:

Plano nacional de educação (PNE). Condição docente. Formação de professores. Políticas públicas de formação.

Resumo

Os Planos Nacionais de Educação (PNE) produzidos após a Constituição de 1988 têm sido importantes como política de Estado para a educação. Mesmo ocorrendo disputas de interesse, espaço e recursos na sua elaboração, tramitação e execução, os dois últimos PNE avançam, contemplando algumas demandas históricas dos educadores e da sociedade brasileira. Entretanto, a exemplo do que já está ocorrendo, as próprias metas e as estratégias adotadas, as restrições financeiras e até mesmo a extinção impostas recentemente (em 2015) a políticas públicas educacionais pertinentes e inovadoras implementadas na última década demonstram que se trava ferrenho embate entre forças políticas e projetos distintos para a educação pública do País. No texto focaliza-se a meta 7 do PNE, por ser aquela cujas estratégias parecem ser as que mais atingem as esferas do ensino, da aprendizagem e da formação docente, institucionalizando práticas desenvolvidas informalmente nas escolas e afetando seriamente a condição docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinício de Macedo Santos, Universidade de São Paulo

Licenciado em Matemática pelo Instituto de matemática e estatística da USP (1977), mestre em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1989), doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (1995), Livre docente pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo desde 2008, na área de Metodologia do Ensino de Matemática e atualmente é professor Titular da FEUSP pelo Departamento de Metodologia de Ensino e Educação Comparada. Realizou Pós-Doutorado no Departamento de Didáctica de las Matemáticas da Universidade de Sevilha (2000/2001) e na École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris (2009), junto ao Groupe de Sociologie Reflexive e Pragmatique (GSPR) e foi professor visitante da Université Paris Ouest Nanterre (Paris X) em 2012.

Referências

AZCÁRATE, P. (1999). El conocimiento profesional: Naturaleza, fuentes, organización y desarrollo. Quadrante – Revista Teórica e de Investigação, 8(1-2), 11-138.

BALL, S. (2011). Intelectuais ou técnicos? O papel indispensável da teoria nos estudos educacionais. In S. BALL, & J. MAINARDES (Orgs.), Políticas educacionais: questões e dilemas (pp. 78-99). São Paulo: Cortez.

BAZÁN, D., & GONZÁLEZ, L. (2007). Autonomia professional y reflexion del docente: una resignificacion desde la mirada critica. Rexe – Revista de Estudios y Experiencias en Educacion, 11, 69-90.

CANDAU, V. M. (2013). Currículo, didática e formação de professores: uma teia de ideias-força e perspectivas de futuro. In M. R. N.S. OLIVEIRA, & J. A. PACHECO (Orgs.), Currículo, didática e formação de professores. Campinas, SP: Papirus.

FANIZZI, S. (2015). Políticas públicas de formação continuada de professores dos anos iniciais em Matemática: uma experiência da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo - FEUSP.

HOUSSAYE, J. (1988). Le triangle pédagogique: théorie et pratiques de l’éducation scolaire. Berne: Peter Lang.

INSTITUTO Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep. Diretoria de Estudos Educacionais (Dired). (2015). Plano Nacional de Educação. PNE 2014-2024. Linhas de Base. Brasília, DF: Autor.

MINISTÉRIO da Educação (MEC). Secretaria de Articulação com o Sistema de Ensino. (2014). Planejando a próxima década: conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: Autor.

NÓVOA, A. (1998). O lugar dos professores: terceiro excluído?. Educação e Matemática, 50, 29-31.

NÓVOA, A. (2009). Professores: imagens do futuro presente. EDUCA: Lisboa.

SANTOS, V. de M. (2014). Ensino de matemática na escola de nove anos: dúvidas, dívidas e desafios. S. Paulo: Cengage Learning.

SANTOS, V. de M. (2015). Ensino de Matemática e formação docente. Elementos para a epistemologia de uma área de conhecimento do campo educacional. Texto apresentado ao Concurso de Professor Titular da Faculdade de Educação da USP (FEUSP), São Paulo.

SAVIANI, D. Plano de Desenvolvimento da Educação. S. Paulo: Autores Associados, 2009.

TENTI FANFANI, E. (2005). La condición docente: análisis comparado de la Argentina, Brasil, Peru y Uruguay. Buenos Aires: Siglo XXI.

Downloads

Publicado

2016-05-13

Como Citar

SANTOS, V. de M. PNE e condição docente: para uma ontologia do trabalho docente. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 173–188, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i45.8646536. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646536. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigo