Comunicação na sala de aula: a perspetiva do ensino exploratório da matemática

Autores

  • António Guerrero Universidade do Algarve
  • Rosa Antónia Tomás Ferreira Universidade do Porto
  • Luíz Menezes Escola Superior de Educação de Viseu
  • Maria Helena Martinho Universidade do Minho

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v23i44.8646539

Palavras-chave:

Comunicação na sala de aula de matemática. Ensino exploratório da matemática. Ações comunicativas do professor.

Resumo

Este artigo procura responder ao desafio de pensar a comunicação que tem lugar na aula de Matemática. Contrariamos a visão simplista da comunicação como instrumento de transferência de conhecimento (do professor para os alunos) para assumirmos a comunicação como processo de interação, no qual o conhecimento matemático é socialmente construído. Esta visão da comunicação na aula de Matemática representa uma aproximação aos processos de produção e comunicação de conhecimento matemático que têm lugar no campo científico e no agir diário das comunidades humanas (quando lidam com ideias matemáticas). Para que isso ocorra, são exigidas mudanças no ensino, particularmente no papel do professor e no dos alunos. O ensino exploratório da Matemática é apresentado como um meio privilegiado do professor, apoiado num conjunto de ações comunicativas fundamentais, criar ambientes de aprendizagem produtivos, que, envolvendo o trabalho com tarefas matemáticas desafiantes, a sua resolução e discussão, culminam na institucionalização de conhecimento matemático. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

António Guerrero, Universidade do Algarve

Doutor em Didática da Matemática pela Universidade de Lisboa. Professor da Escola Superior de Educação e Comunicação, Universidade do Algarve, Portugal, e investigador da Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Portugal.

Rosa Antónia Tomás Ferreira, Universidade do Porto

Doutora em Educação Matemática por Illinois State University, EUA, Professora da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Portugal, e investigadora do Centro de Matemática da Universidade do Porto.

Luíz Menezes, Escola Superior de Educação de Viseu

Doutor em Didática da Matemática pela Universidade de Lisboa. Professor da Escola Superior de Educação de Viseu, Portugal, e investigador do Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde.

Maria Helena Martinho, Universidade do Minho

Doutora em Didática da Matemática pela Universidade de Lisboa. Professora da Universidade do Minho, Portugal, e investigadora do Centro de Investigação em Educação, Instituto de Educação

Referências

Ainley, J. (1988). Perceptions of teachers’ questioning styles. Proceedings of PME XII (pp. I,92-99). Veszprém, Hungary: PME.

Antão, J. (2001). Comunicação na sala de aula. Porto: Edições Asa.

Bauersfeld, H. (1994). Theoretical perspectives on interaction in the mathematics classroom. In R. Biehler, R. Scholz, R. Sträßer & B. Winkelmann (Eds.), Didactics of mathematics as a scientific discipline (pp. 133-146). Dordrecht: Kluwer Academic Pub.

Beaudichon, J. (2001). A comunicação. Processos, formas e aplicações. Porto: Porto Editora.

Bishop, A., & Goffree, F. (1986). Classroom organization and dynamics. In B. Christiansen, A. Howson & M. Otte (Eds.), Perspectives on mathematics education (pp. 309-365). Dordrecht: D. Reidel.

Callahan, K. (2011). Listening responsively. Teaching Children Mathematics, 18(1), 286-305.

Canavarro, A. P. (2011). Ensino exploratório da Matemática: Práticas e desafios. Educação e Matemática, 115, 11-17.

Canavarro, A., Oliveira, H., & Menezes, L. (2012). Práticas de ensino exploratório da matemática: O caso de Célia. In L. Santos (Ed.), Investigação em Educação Matemática 2012: Práticas de ensino da Matemática (pp. 255-266). Portalegre, Portugal: SPIEM.

Cengiz, N., Kline, K., & Grant, T. J. (2011). Extending students’ mathematical thinking during whole-group discussions. Journal of Mathematics Teacher Education, 14, 355-374.

Coles, A. (2001). Listening: A case study of teacher change. In M. van Heuvel-Panhuizen (Ed.), Proceedings of the 25th Annual Meeting of the International Group for the Psychology of Mathematics Education (Vol. 2, pp. 281-288). Utrecht, The Netherlands: Freudenthal Institute.

Corrêa, R. (2005). Linguagem matemática, meios de comunicação e Educação Matemática. In A. Nacarato & C. Lopes (Orgs) Escritas e leituras na Educação Matemática (pp. 93-100). Belo Horizonte, Brasil: Autêntica.

Davis, B. (1996). Teaching mathematics: Towards a sound alternative. New York: Garland.

Davis, B. (1997). Listening for differences: An evolving conception of mathematics teaching. Journal for Research in Mathematics Education, 28(3), 355-376.

Dillon, J. T. (1994). Using discussions in classroom. Buckingham Philadelphia: Open University Press.

Duval, R. (2006). Quelle sémiotique pour l’analyse de l’activité et des productions mathéma-tiques? Relime, Número Especial, 45-81.

Eco, U. (1997). O Signo. Lisboa: Editorial Presença.

Eco, U. (2002). Tratado geral de semiótica. São Paulo: Perspetiva.

Fiske, J. (2005). Introdução ao estudo da comunicação. Porto: Edições Asa.

Freixo, M. (2006). Teorias e modelos de comunicação. Lisboa: Instituto Piaget.

Godino, J. (2002). Un enfoque ontológico y semiótico de la cognición matemática. Recherches en Didactique dês Mathématiques, 22(2,3), 237-284.

Godino, J., & Llinares, S. (2000). El interaccionismo simbólico en educación matemática. Revista Educación Matemática, 12(1), 70-92.

Guerreiro, A. (2011). Comunicação no ensino-aprendizagem da matemática: Práticas no 1.o ciclo do ensino básico (Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa).

Habermas, J. (1998). O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Hintz, A. (2011). Understanding students’ experiences as listeners during mathematical discus-sions. Canadian Journal of Science, Mathematics and Technology Education, 11(3), 261-272.

Joly, M. (2005). A imagem e os signos. Lisboa: Edições 70.

Lampert, M. (2001). Teaching problems and the problems of teaching. New Haven, CT: Yale University Press.

Lasswell, H. (2009). A estrutura e a função da comunicação na sociedade. In J. Esteves (Org.) Comunicação e sociedade (pp. 51-62). Lisboa: Livros Horizonte.

Leinhardt, G. (2001). Instructional explanations: A common place for teaching and location for contrast. In V. Richardson (Ed.), Handbook of research on teaching (pp. 333-357). Washington DC, USA: American Educational Research Association.

Mason, J. (1998). Asking mathematical questions mathematically. Actes du Colloque DIDIREM, Réussites et/ou apprentissages Nouvelles technologies; Les mathématiques en premier cycle universitaire, où en est-on? Université de Versailles. [disponível em http://www.math.jussieu.fr/~jarraud/colloque/mason.pdf]

Mason, J. (2000). Asking mathematical questions mathematically. International Journal of Mathematical Education in Science and Technology, 31(1), 97-111.

Mason, J. (2010). Effective questioning and responding in the mathematics classroom. [disponível em: http://mcs.open.ac.uk/jhm3/Selected%20Publications/ Effective%20Questioning%20&%20Responding.pdf]

Menezes, L. (1995). Conceções e práticas de professores de matemática: Contributos para o estudo da pergunta (Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa). Lisboa: APM.

Menezes, L., Guerreiro, A., Martinho, M. H., & Tomás Ferreira, R. A. (2013). Essay on the role of teachers’ questioning in inquiry-based mathematics teaching. Sysiphus, 1(3), 44-75.

Menezes, L., Oliveira, H., & Canavarro, A. P. (2015). Inquiry-based mathematics teaching: The case of Célia. In U. Gellert, J. Gimenez Rodriguez, C. Hahn & S. Kafoussi (Eds.), Educational paths to Mathematics (pp. 305-321). Cham: Springer.

Menezes, L., Tomás Ferreira, R., Martinho, M. H., & Guerreiro, A. (2014). Comunicação nas práticas letivas dos professores de Matemática. In J. P. Ponte (Ed.), Práticas profissionais dos professores de matemática (pp. 135-161). Lisboa: Instituto de Educação.

Nicol, C. (1999). Learning to teach mathematics: Questioning, listening, and responding. Edu-cational Studies in Mathematics, 37(1), 45-66.

Pirie, S., & Schwarzenberger, R. (1988). Mathematical discussion and mathematical understanding. Educational Studies in Mathematics, 19, 459-470.

Ponte, J. P. (2005). Gestão curricular em Matemática. In GTI (Ed.), O professor e o desenvolvimento curricular (pp. 11-34). Lisboa: APM.

Ponte, J. P. (2012). Estudiando el conocimiento y el desarrollo profesional del profesorado de matemáticas. In N. Planas (Coord.), Teoría, crítica y práctica de la educación matemática (pp. 83-98). Barcelona, España: Graó.

Rodrigues, A. (1990). Estratégias da comunicação. Questão comunicacional e formas de sociabilidade. Lisboa: Editorial Presença.

Ruthven, K., Hofmann, R., & Mercer, N. (2011). A dialogic approach to plenary problem synthesis. In B. Ubuz (Ed.), Proceedings of the 35th Conference of the International Group for the Psychology of Mathematics Education (vol. 4, pp. 81-88). Ankara, Turkey: PME.

Sfez, L. (1991). A comunicação. Lisboa: Instituto Piaget.

Sherin, M. G. (2002). A balancing act: Developing a discourse community in a mathematics classroom. Journal of Mathematics Teacher Education, 5, 205-233.

Sierspinska, A. (1998). Three epistemologies, three views of classroom communication: Constructivism, sociocultural approaches, interactionism. In H. Steinbring, M. Bussi & A. Sierpinska (Eds.), Language and communication in the mathematics classroom (pp. 30-62). Reston: NCTM.

Stein, M. K. (2001). Mathematical argumentation: Putting umph into classroom discussions.Mathematics Teaching in the Middle School, 7(2), 110-112.

Stein, M. K., & Smith, M. S. (1998). Mathematical tasks as a framework for reflection: From research to practice. Mathematics Teaching in the Middle School, 3, 268-275.

Stein, M. K., Engle, R. A., Smith, M. S., & Hughes, E. K. (2008). Orchestrating productive mathematical discussions: Helping teachers learn to better incorporate student thinking. Mathematical Thinking and Learning, 10(4), 313-340.

Tomás Ferreira, R. A. (2005). Portuguese mathematics student teachers’ evolving teaching modes: A modified teacher development experiment (Tese de Doutoramento, Illinois State University, EUA).

Voigt, J. (1985). Patterns and routines in classroom interaction. Recherches en Didactique dês Mathématiques, 6(1), 69-118.

Downloads

Publicado

2016-03-18

Como Citar

Guerrero, A., Ferreira, R. A. T., Menezes, L., & Martinho, M. H. (2016). Comunicação na sala de aula: a perspetiva do ensino exploratório da matemática. Zetetike, 23(2), 279–295. https://doi.org/10.20396/zet.v23i44.8646539

Edição

Seção

Artigo