Modelagem matemática e os textos produzidos em um programa de formação continuada

Autores

  • Ana Virginia de Almeida Luna Universidade Federal de Feira de Santana
  • Jonei Cerqueira Barbosa Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v23i44.8646543

Palavras-chave:

Modelagem matemática. Formação de professores. Prática pedagógica. Textos.

Resumo

No presente artigo, busca-se identificar quais e como os textos relativos à modelagem são veiculados em um curso de formação continuada sobre modelagem matemática. A trajetória metodológica parte de uma abordagem qualitativa, mediante procedimentos de análise documental e observação, tendo como instrumentos de registro de observação o diário de campo e a filmagem. O grupo investigado era composto por 15 professores da Educação Básica, que participavam de um curso de extensão para a formação continuada em modelagem matemática. Os resultados deste estudo sugerem que os textos de formação podem pertencer aos seguintes domínios: experiência própria com modelagem, experiência com modelagem de outros professores e experiência com modelagem no contexto escolar do professor de formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Virginia de Almeida Luna, Universidade Federal de Feira de Santana

Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2012). Docente da Universidade Estadual de Feira de Santana

Jonei Cerqueira Barbosa, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Educação Matemática pela Unesp, campus de Rio Claro (2001). Professor adjunto da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA e do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/UEFS

Referências

Adler, P. A., & Adler, P. (1994). Observational techniques. In N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln (Eds.), Handbook of qualitative research (pp. 377-392). Thousand Oaks: Sage.

Barbosa J. C. (2003). What is Mathematical Modelling? In S. Lamon, W. Parker, & S. Houston (Eds.), Mathematical Modelling: a way of life ICTMA 11 (pp. 227-234). Chichester: Horwood.

Barbosa, J. C. (2004). As relações dos professores com a modelagem matemática. Anais do VIII Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-20). Recife: Sociedade Brasileira de Educação Matemática. 1 CDROM.

Barbosa, J. C. (2007). A prática dos alunos no ambiente de Modelagem Matemática: o esboço de um framework. In J. C. Barbosa, A. D. Caldeira, & J. L. Araújo (Orgs.), Modelagem matemática na educação matemática brasileira: pesquisas e práticas educacionais (pp.161-174). Recife: SBEM.

Bernstein, B. (2000). Pedagogy, symbolic control and identity: theory, research, critique. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers.

Bernstein, B. (2003). Class, codes and control: the structuring of pedagogic discourse. Londres: Routledge; Taylor & Francis Group.

Caldeira, A. D. (2007). Etnomodelagem e suas relações com a educação matemática na infância. In J. C. Barbosa, A. D. Caldeira, & J. L. Araújo (Orgs.), Modelagem matemática na educação matemática brasileira: pesquisas e práticas educacionais (pp. 81-97). Recife: SBEM.

Chapman, O. (2007). Mathematical modelling in high school mathematics: teachers’ thinking and practice. In W. Blum, P. Galbraith, H. Henn, & M. Niss (Orgs), Modelling and applications in mathematics education: the 14th ICMI study (pp. 325-332). New York: Springer.

Denzin, N. & Lincoln, Y. (2000). Introduction: the discipline and practice of qualitative research. In N. Denzin, & Y. Lincoln, Handbook of qualitative research (pp. 1-28, 2a ed.).

Thousand Oaks: Sage. Dias, M. R. (2005). Uma experiência com modelagem matemática na formação continuada de professores. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática.

Londrina: Universidade Estadual de Londrina. Ensor, P. (2004). Towards a sociology of teacher education. In J. Muller, B. Davies, & A. Morais (Orgs.), Reading Bernstein, researching Bernstein (pp. 168-186). London: Routledge

Falmer. Jurkiewicz, S., & Frideman, C. V. P. (2007). Modelagem matemática na escola e na formação do professor. Revista Zetetiké, 15(28), 11-26.

Lingefjärd, T. (2007). Mathematical modelling in teacher education: necessity or unnecessarily. In W. Blum, P. Galbraith, H. Henn, & M. Niss (Orgs), Modelling and applications in mathematics education: the 14th ICMI study (pp. 475-482). New York: Springer.

Neves, I., Morais, A., & Afonso, M. (2004). Teacher training contexts. Study of specific sociological characteristics. In J. Muller, B. Davies, & A. Morais (Orgs.), Reading Bernstein, researching Bernstein (pp. 168-186). London: Routledge Falmer.

Oliveira, A. M. P. (2010). Modelagem matemática e as tensões nos discursos dos professores. Tese de Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências. Salvador, Feira de Santana: Universidade Federal da Bahia, Universidade Estadual de Feira de Santana.

Silva, M. C. F. (2002). Pausas em textos orais e espontâneos e em textos falados. Revista Linguagem em (Dis)curso, 3(1),111-133.

Downloads

Publicado

2016-03-18

Como Citar

Luna, A. V. de A., & Barbosa, J. C. (2016). Modelagem matemática e os textos produzidos em um programa de formação continuada. Zetetike, 23(2), 347–376. https://doi.org/10.20396/zet.v23i44.8646543

Edição

Seção

Artigo