Desfiar e fiar a Aritmética da Boneca Emília: práticas no ensino de Matemática na obra de Monteiro Lobato

Autores

  • Arlete de Jesus Brito Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho
  • Adriel Gonçalves Oliveira Universidade São Francisco

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v23i43.8646556

Palavras-chave:

História. Literatura. Aritmética. Monteiro Lobato.

Resumo

Este artigo objetiva investigar possíveis relações entre história e literatura. Para isso, analisamos como práticas de ensino de aritmética se manifestam explicitamente na obra ficcional A Aritmética da Emília, do escritor brasileiro Monteiro Lobato (1882 – 1948), e a que rastros de outras práticas culturais o referido livro pode remeter, com base no contexto de ensino de matemática compreendido entre 1920 e 1940. Para tanto, nossa opção de análise segue a intertextualidade entre alguns documentos da época, como A Aritmética da Emília (1935, 1ª edição; 1939, 2ª edição; 1942, 3ª edição; 1944, 4ª edição), Emília no país da Gramática e Aritmética da Emília (1947); outras obras de Lobato; livros didáticos de aritmética da época; legislação sobre ensino; cartas entre Lobato e Anísio Teixeira; revistas sobre ensino; textos sobre educação daquela época; livros de literatura infantil. Temos por referenciais básicos Luiz Costa Lima e Carlo Guinzburg. A escrita aqui elaborada produz um modo de fazer História a partir de uma fonte ficcional, assumindo uma forma discursiva que se aproxima do modo poético, literário e artístico. Concluímos que A Aritmética da Emília reúne em si contradições filosóficas e pedagógicas daquela época, confrontando a tradição didática do ensino conservador com o movimento renovador da Escola Nova, oscilando o caráter inovador de sua proposta pedagógica e recaindo nas práticas professorais de sua contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlete de Jesus Brito, Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho

Professora Livre Docente em História e Educação Matemática, pela UNESP. Possui pós-doutorado pela Universidade de Bielefeld, Alemanha (2009) e doutorado pela Faculdade de Educação da UNICAMP. Atualmente é professora da Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Tem experiência na área de Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: historia da educação matematica e formação de professores.

Adriel Gonçalves Oliveira, Universidade São Francisco

Doutor em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP). Possui graduação em Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) "Júlio de Mesquita Filho" (2010). Membro do Grupo de Pesquisa em História, Filosofia e Educação Matemática (HIFEM-UNICAMP). Possui experiência na educação básica:professor de matemática na Escola Municipal "Cecy Apparecida Rocha de Aguiar," em Santa Gertrudes-SP, em 2013; professor na Escola Municipal Agrícola "Engenheiro Rubens Foot Guimarães", em Rio Claro-SP, em 2011; professor de reforço no Colégio Jean Piaget, Jundiaí-SP, em 2010. Monitor da disciplina de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado II, vinculada ao curso de licenciatura em Matemática, no ano de 2010. Atualmente, é professor da Universidade São Francisco atuando nos cursos de Engenharia Civil e de Psicologia. Ademais, cumpre estágio de Pós-Doutorado no Programa de Pós Graduação em Educação Stricto Sensu da Universidade São Francisco (USF).

Referências

Azevedo, C. L., Camargo, M., & Sacchetta, V. (2001). Monteiro Lobato: furacão na Botocúndia (3a ed.). São Paulo: Senac.

Backheueser, E. (1933). A Aritmética na Escola Nova: a nova didática da aritmética. Rio de Janeiro: Livraria Católica.

Barthes, R. (1996). Aula (11a ed.). São Paulo: Cultrix.

Bicudo, J. C. (1942). O Ensino Secundário no Brasil e sua Atual Legislação: de 1931 a 1941 inclusive. São Paulo: Associação dos Inspetores Federais de Ensino Secundario de São Paulo

Brasil, S. (1957). A literatura infantil de Monteiro Lobato ou comunismo para crianças. São Paulo: Brasiliense.

Brito, A. J. (2011). A matemática e seu ensino no século XVII: dois ensaios. Tese de Livre-Docência em Educação, Unesp, Rio Claro.

Brito, A. J., & Ribeiro, M. A. (2013, abril). História da Educação e Literatura: possibilidades de relações. BOLEMA, 27(45), 97-116.

Cavalheiro, E. (1956). Monteiro Lobato: vida e obra (2a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Coelho, N. N. (1981). A Literatura Infantil: história, teoria e análise: das origens orientais até os dias de hoje. São Paulo: Quíron.

Cordeiro, E. M. (2014). Travessias de Cecília – a caminho da Educação Matemática no CEEJA Padre Moretti, Rondônia. Tese de Doutorado em Educação Matemática, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática – PPGEM, Unesp, Rio Claro.

Darnton, R. (1986). O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. (Sonia Coutinho, trad.). Rio de Janeiro: Graal.

Escobar, J. (1927). Para entender as fracções. Educação (Órgão da Directoria Geral da Instrucção Publica e da Sociedade da Educação, de São Paulo), 1(1), 40-53.

Fleury, L. G. (1936). O ensino da taboada no 2°Anno. Revista de Educação (Directoria de Ensino do Estado de São Paulo), 13-14 (13-14), 38- 42.

Frege, J. G .(1980). Os fundamentos da aritmética: uma investigação lógico-matemática sobre o conceito de número (Luís Henrique dos Santos, trad., Coleção Os Pensadores). São Paulo: Abril Cultural.

Ginzburg, C. (2002). Relações de força: história, retórica, prova. (Jonas Batista Neto, trad.). São Paulo: Companhia das Letras.

Ginzburg, C. (2007). O fio e os rastros. São Paulo: Companhia das Letras.

Gouvêa, M. C. S. (2001). A literatura infantil e o pó de pirlimpimpim. In E. M. T. Lopes, & M. C. S. Gouvea (Orgs.), Lendo e ESCREVENDO Lobato (2a ed., pp. 13-31). Belo Horizonte: Autêntica.

Klinke, K. (1999). Um faz- de-contas das meninas de Lobato. In E. M. T. Lopes, & M. C. S. Gouvea (Orgs.), Lendo e escrevendo Lobato (2a ed., pp. 83-100). Belo Horizonte: Autêntica.

Lajolo, M. (1997). Sociedade e literatura: parceria sedutora e problemática. In E. P. Orlandi, M. Lajolo, & O. Ianni, Sociedade e linguagem. Campinas: Editora da Unicamp.

Lajolo, M. (2000). Monteiro Lobato: um brasileiro sob medida (2a ed.). São Paulo: Moderna.

Lima, L. (2006). C. História. Ficção. Literatura. São Paulo: Companhia das Letras.

Lobato, J. B. R. M. (1935). Arimética da Emília (1a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Lobato, J. B. R. M. (1936). Memorias da Emilia (1a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Lobato, J. B. R. M. (1942). Arimética da Emília (3a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional

Lobato, J. B. R. M. (1944). Arimética da Emília (4a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Lobato, J. B. R. M. (1956). América. Obras Completas. São Paulo: Brasiliense.

Lobato, J. B. R. M. (2008). Reinações de Narizinho (Vol. 2., 2a ed., Paulo Borges, ilustr.). São Paulo: Globo.

Lobato, J. B. R. M. (2009). Prefácios e entrevistas. São Paulo: Globo.

Lobato, J. B. R. M. (2010). A barca de Gleyre. 1a ed.). São Paulo: Globo.

Luiz, F. T. (2008) “Aritmética da Emília (1935): matemática para (não) matemáticos”. In M. Lajolo, & J. L. Ceccantini, Monteiro Lobato livro a livro: obra infantil (pp. 275-278). São Paulo: Editora UNESP; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Luiz, F, T. (2009). Reinações na Jecatatuásia: aspectos estéticos-sociológicos da arte segundo Monteiro Lobato. Tese de Doutorado em Letras, Unesp, Assis, SP.

Mello, R. M. (2008). Teoria do discurso historiográfico de Hayden White – uma introdução. OPSIS, 8(11), 120-145.

Meyer, M. (1980). Autores de cordel (Marlyse Meyer, seleção de textos e estudo crítico). São Paulo: Nova Cultural.

Nunes, C. (1986a). Monteiro Lobato e Anísio Teixeira: o sonho da Educação no Brasil. São Paulo.

Nunes, C. (1986b). Monteiro Lobato vivo. Rio de Janeiro: MPM Propaganda; Record.

Oliveira, A.G. (2015). Memórias das aritméticas da Emília: o ensino de aritmética entre 1920 e 1940. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática – PPGEM, Unesp. Rio Claro, SP.

Romanelli, O. O. (2010). História da Educação no Brasil (1930/1973) (Francisco Iglésias, Prefácio, 36a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Wittgenstein, L. (2005). Observações filosóficas (Raymond Hargreaves & Roger White, trad. para o inglês, Adail Sobral & Maria Stela Gonçalves, trad. para o português). São Paulo: Loyola.

White, H. (1987). Method and ideology in intellectual history: The case of Henry Adams. In D. La Capra, & S. Kaplan (Eds.), Modern European intellectual history – reappraisals & new perspectives. (pp. 280-310). Ithaca: Cornell University Press.

Zuin, E. S. L. (2007). Por uma Nova Arithmetica: o sistema métrico decimal como um saber escolar em Portugal e no Brasil oitocentista. Tese de Doutorado em Educação Matemática Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Downloads

Publicado

2016-01-22

Como Citar

Brito, A. de J., & Oliveira, A. G. (2016). Desfiar e fiar a Aritmética da Boneca Emília: práticas no ensino de Matemática na obra de Monteiro Lobato. Zetetike, 23(1), 95–132. https://doi.org/10.20396/zet.v23i43.8646556

Edição

Seção

Artigo