Banner Portal
Desfiar e fiar a Aritmética da Boneca Emília
PDF

Palavras-chave

História
Literatura
Aritmética
Monteiro Lobato

Como Citar

BRITO, A. de J.; OLIVEIRA, A. G. Desfiar e fiar a Aritmética da Boneca Emília: práticas no ensino de Matemática na obra de Monteiro Lobato. Zetetike, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 95–132, 2016. DOI: 10.20396/zet.v23i43.8646556. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646556. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

Este artigo objetiva investigar possíveis relações entre história e literatura. Para isso, analisamos como práticas de ensino de aritmética se manifestam explicitamente na obra ficcional A Aritmética da Emília, do escritor brasileiro Monteiro Lobato (1882 – 1948), e a que rastros de outras práticas culturais o referido livro pode remeter, com base no contexto de ensino de matemática compreendido entre 1920 e 1940. Para tanto, nossa opção de análise segue a intertextualidade entre alguns documentos da época, como A Aritmética da Emília (1935, 1ª edição; 1939, 2ª edição; 1942, 3ª edição; 1944, 4ª edição), Emília no país da Gramática e Aritmética da Emília (1947); outras obras de Lobato; livros didáticos de aritmética da época; legislação sobre ensino; cartas entre Lobato e Anísio Teixeira; revistas sobre ensino; textos sobre educação daquela época; livros de literatura infantil. Temos por referenciais básicos Luiz Costa Lima e Carlo Guinzburg. A escrita aqui elaborada produz um modo de fazer História a partir de uma fonte ficcional, assumindo uma forma discursiva que se aproxima do modo poético, literário e artístico. Concluímos que A Aritmética da Emília reúne em si contradições filosóficas e pedagógicas daquela época, confrontando a tradição didática do ensino conservador com o movimento renovador da Escola Nova, oscilando o caráter inovador de sua proposta pedagógica e recaindo nas práticas professorais de sua contemporaneidade.

https://doi.org/10.20396/zet.v23i43.8646556
PDF

Referências

Azevedo, C. L., Camargo, M., & Sacchetta, V. (2001). Monteiro Lobato: furacão na Botocúndia (3a ed.). São Paulo: Senac.

Backheueser, E. (1933). A Aritmética na Escola Nova: a nova didática da aritmética. Rio de Janeiro: Livraria Católica.

Barthes, R. (1996). Aula (11a ed.). São Paulo: Cultrix.

Bicudo, J. C. (1942). O Ensino Secundário no Brasil e sua Atual Legislação: de 1931 a 1941 inclusive. São Paulo: Associação dos Inspetores Federais de Ensino Secundario de São Paulo

Brasil, S. (1957). A literatura infantil de Monteiro Lobato ou comunismo para crianças. São Paulo: Brasiliense.

Brito, A. J. (2011). A matemática e seu ensino no século XVII: dois ensaios. Tese de Livre-Docência em Educação, Unesp, Rio Claro.

Brito, A. J., & Ribeiro, M. A. (2013, abril). História da Educação e Literatura: possibilidades de relações. BOLEMA, 27(45), 97-116.

Cavalheiro, E. (1956). Monteiro Lobato: vida e obra (2a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Coelho, N. N. (1981). A Literatura Infantil: história, teoria e análise: das origens orientais até os dias de hoje. São Paulo: Quíron.

Cordeiro, E. M. (2014). Travessias de Cecília – a caminho da Educação Matemática no CEEJA Padre Moretti, Rondônia. Tese de Doutorado em Educação Matemática, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática – PPGEM, Unesp, Rio Claro.

Darnton, R. (1986). O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. (Sonia Coutinho, trad.). Rio de Janeiro: Graal.

Escobar, J. (1927). Para entender as fracções. Educação (Órgão da Directoria Geral da Instrucção Publica e da Sociedade da Educação, de São Paulo), 1(1), 40-53.

Fleury, L. G. (1936). O ensino da taboada no 2°Anno. Revista de Educação (Directoria de Ensino do Estado de São Paulo), 13-14 (13-14), 38- 42.

Frege, J. G .(1980). Os fundamentos da aritmética: uma investigação lógico-matemática sobre o conceito de número (Luís Henrique dos Santos, trad., Coleção Os Pensadores). São Paulo: Abril Cultural.

Ginzburg, C. (2002). Relações de força: história, retórica, prova. (Jonas Batista Neto, trad.). São Paulo: Companhia das Letras.

Ginzburg, C. (2007). O fio e os rastros. São Paulo: Companhia das Letras.

Gouvêa, M. C. S. (2001). A literatura infantil e o pó de pirlimpimpim. In E. M. T. Lopes, & M. C. S. Gouvea (Orgs.), Lendo e ESCREVENDO Lobato (2a ed., pp. 13-31). Belo Horizonte: Autêntica.

Klinke, K. (1999). Um faz- de-contas das meninas de Lobato. In E. M. T. Lopes, & M. C. S. Gouvea (Orgs.), Lendo e escrevendo Lobato (2a ed., pp. 83-100). Belo Horizonte: Autêntica.

Lajolo, M. (1997). Sociedade e literatura: parceria sedutora e problemática. In E. P. Orlandi, M. Lajolo, & O. Ianni, Sociedade e linguagem. Campinas: Editora da Unicamp.

Lajolo, M. (2000). Monteiro Lobato: um brasileiro sob medida (2a ed.). São Paulo: Moderna.

Lima, L. (2006). C. História. Ficção. Literatura. São Paulo: Companhia das Letras.

Lobato, J. B. R. M. (1935). Arimética da Emília (1a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Lobato, J. B. R. M. (1936). Memorias da Emilia (1a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Lobato, J. B. R. M. (1942). Arimética da Emília (3a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional

Lobato, J. B. R. M. (1944). Arimética da Emília (4a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Lobato, J. B. R. M. (1956). América. Obras Completas. São Paulo: Brasiliense.

Lobato, J. B. R. M. (2008). Reinações de Narizinho (Vol. 2., 2a ed., Paulo Borges, ilustr.). São Paulo: Globo.

Lobato, J. B. R. M. (2009). Prefácios e entrevistas. São Paulo: Globo.

Lobato, J. B. R. M. (2010). A barca de Gleyre. 1a ed.). São Paulo: Globo.

Luiz, F. T. (2008) “Aritmética da Emília (1935): matemática para (não) matemáticos”. In M. Lajolo, & J. L. Ceccantini, Monteiro Lobato livro a livro: obra infantil (pp. 275-278). São Paulo: Editora UNESP; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Luiz, F, T. (2009). Reinações na Jecatatuásia: aspectos estéticos-sociológicos da arte segundo Monteiro Lobato. Tese de Doutorado em Letras, Unesp, Assis, SP.

Mello, R. M. (2008). Teoria do discurso historiográfico de Hayden White – uma introdução. OPSIS, 8(11), 120-145.

Meyer, M. (1980). Autores de cordel (Marlyse Meyer, seleção de textos e estudo crítico). São Paulo: Nova Cultural.

Nunes, C. (1986a). Monteiro Lobato e Anísio Teixeira: o sonho da Educação no Brasil. São Paulo.

Nunes, C. (1986b). Monteiro Lobato vivo. Rio de Janeiro: MPM Propaganda; Record.

Oliveira, A.G. (2015). Memórias das aritméticas da Emília: o ensino de aritmética entre 1920 e 1940. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática – PPGEM, Unesp. Rio Claro, SP.

Romanelli, O. O. (2010). História da Educação no Brasil (1930/1973) (Francisco Iglésias, Prefácio, 36a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Wittgenstein, L. (2005). Observações filosóficas (Raymond Hargreaves & Roger White, trad. para o inglês, Adail Sobral & Maria Stela Gonçalves, trad. para o português). São Paulo: Loyola.

White, H. (1987). Method and ideology in intellectual history: The case of Henry Adams. In D. La Capra, & S. Kaplan (Eds.), Modern European intellectual history – reappraisals & new perspectives. (pp. 280-310). Ithaca: Cornell University Press.

Zuin, E. S. L. (2007). Por uma Nova Arithmetica: o sistema métrico decimal como um saber escolar em Portugal e no Brasil oitocentista. Tese de Doutorado em Educação Matemática Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.