Marcel Proust e as Reminiscências de um Mau Aluno

Autores

  • Elisabete Zardo Búrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v23i43.8646557

Palavras-chave:

História e literatura. História da educação. Educação matemática. Disciplinas escolares.

Resumo

O trabalho apresenta representações da educação escolar presentes no romance “Em busca do tempo perdido”, de Marcel Proust, e identifica nelas traços da escolarização do autor. Os excertos que fazem menção à escola ou a saberes matemáticos são extraídos a partir de edição brasileira e de versão francesa da obra, cotejados com documentos escolares, e analisados à luz do conceito de aculturação escolar, tal como é descrito por Chervel. As Álgebras e Geometrias reinventadas pelo narrador do romance são interpretadas como construções literárias através das quais o autor evoca, em um movimento simultâneo de transgressão e de homenagem, a educação matemática escolar de sua juventude.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisabete Zardo Búrigo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

É licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1983), Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1990) e Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (2004). Atualmente é professora associada do Instituto de Matemática e Estatística e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: história da educação matemática, ensino-aprendizagem de matemática, currículo e educação profissional. É pesquisadora do GHEMAT - Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática no Brasil.

Referências

Bastianelli, J. (2015). Ruskin, le prophète de Proust? In J. Bastianelli (Ed.), Marcel Proust John Ruskin (pp. VII-XXXI). Paris: Robert Lafont.

Belhoste, B. (1990). L’enseignement secondaire français et les sciences au début du XX esiècle. La réforme de 1902 des plans d’études et des programmes. Revue d’histoire des sciences, 43(4), 371-400.

Benjamin, W. (2010). Pour l’image de Proust. In W. Benjamin, Sur Proust (pp. 27-42). Caen: Nous.

Caspard, Pierre, Luc, Jean-Noël & Savoie, Philippe (2005). Lycées, Lycéens, Lycéennes: Deux siècles d ́Histoire. Paris: Institut Nacional de Recherche Pédagogique.

Chartier, R. (2011). Defesa e ilustração da noção de representação. Fronteiras, 13(24), 15-29.

Chervel A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2, 177-229.

Coutinho, C. N. (2005). Lukács, Proust e Kafka: Literatura e sociedade no século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Deleuze, G. (2010). Proust et les signes. Paris: Quadrige/PUF.

Ferré, A. (1959). Les années de collège de Marcel Proust. Paris: Gallimard.

Gispert, H. & Hulin, N. (2000). L’enseignement des mathématiques dans ses liens à d’autres disciplines, une perspective historique. Bulletin de l’Union des professeurs de spéciales, mathématiques, physique, chimie, informatique, 192, 10-15.

Gomes, M. L. M. (2012). Escrita autobiográfica e História da Educação Matemática. Bolema, 26(42A), p. 105-137.

Haiduke, P. R. A. (2009). A modernidade entre o desencanto e a idealização: um diálogo entre história e literatura a partir do romance À la recherche du temps perdu de Marcel Proust. Dissertação de Mestrado em História. Curitiba: Universidade Federal do Paraná. Acesso em 15 de junho de 2015. Disponível em: http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/files/2012/04/PauloHaiduk.pdf .

Haiduke, P. R. A. (2013). À la recherche du temps perdu como uma monumentalização da belle époque parisiense. Tese de Doutorado em História. Curitiba: Universidade Federal do Paraná. Acesso em 15 de junho de 2015. Disponível em: http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/33463/R%20-20T%20-%20PAULO%20RODRIGO%20ANDRADE%20HAIDUKE.pdf?sequence=1 .

Hulin, N. (2007). L’ enseignemet secondaire scientifique em France d’un siècle àl’autre. Paris: Institut Nacional de Recherche Pédagogique.

Jacquet-Francillon, F., D’Enfert, R. & Loeffel, L. (2010). Une histoire de l’école. Anthologie de l’éducation et de l’enseignement en France XVIIIe-XXe siècle. Paris: Retz.

Kahn, P. (2010). Éducation et politique. In F. Jacquet-Francillon, R. d’Enfert & L. Loeffel. Une histoire de l’école (pp. 53-60). Anthologie de l’éducation et de l’enseignement en France XVIIIe-XXe siècle. Paris: Retz.

Lopes, E. M. T. (1998). História da educação e literatura: algumas notas. Educação em Revista, 27, 35-46.

Pesavento, S. J. (2004). História & história cultural. Belo Horizonte: Autêntica.

Pesavento, S. J. (2000). As leituras da memória: a cidade imaginária de um cronista do sul brasileiro (Antônio Álvares Pereira Coruja e a Porto Alegre do início do século XIX). Anos 90: revista do Programa de Pós-Graduação em História, 14, 47-60.

Proust, M. (1999). À la recherche du temps perdu. Paris: Gallimard. Texto estabelecido sob a direção de Jean-Yves Tadié.

Proust, M. (1999). Em busca do tempo perdido. No caminho de Swann. v. 1. Porto Alegre: Globo. 20 ed. Tradução de Mario Quintana. Revisão por Olgária Chaim Féres Matos.

Proust, M. (1999). Em busca do tempo perdido. À sombra das raparigas em flor. v. 2. Porto Alegre: Globo. 14 ed. Tradução de Mario Quintana. Revisão por Maria Lúcia Machado.

Proust, M. (1996). Em busca do tempo perdido. O caminho de Guermantes. v. 3. Porto Alegre: Globo. 11 ed. Tradução de Mario Quintana. Revisão por Olgária Chaim Féres Matos.

Proust, M. (1992). Em busca do tempo perdido. Sodoma e Gomorra. v. 4. Porto Alegre: Globo. 11 ed. Tradução de Mario Quintana. Revisão por Olgária Chaim Féres Matos.

Proust, M. (1995). Em busca do tempo perdido. A prisioneira. v. 5. Porto Alegre: Globo. 12 ed. Tradução de Manuel Bandeira e Lourdes Sousa de Alencar. Revisão por Olgária Chaim Féres Matos.

Proust, M. (1999). Em busca do tempo perdido. A fugitiva. v. 6. Porto Alegre: Globo. 11ed. Tradução de Carlos Drummond de Andrade. Revisão por Olgária Chaim Féres Matos e Pierre Clémens.

Proust, M. (1995). Em busca do tempo perdido. O tempo redescoberto. v. 7. Porto Alegre: Globo. 12 ed. Tradução de Lúcia Miguel Pereira. Revisão por Olgária Chaim Féres Matos.

Tadié, J. (1996). Marcel Proust: biographie. Paris: Gallimard.

Xavier, M. E. S. P. (2008). A educação na literatura do século XIX. Campinas: Alínea.

Downloads

Publicado

2016-01-22

Como Citar

Búrigo, E. Z. (2016). Marcel Proust e as Reminiscências de um Mau Aluno. Zetetike, 23(1), 133–154. https://doi.org/10.20396/zet.v23i43.8646557

Edição

Seção

Artigo