Prova Campinas 2010: entre usos alegóricos e normativos de linguagem

  • Antonio Miguel Universidade Estadual de Campinas
  • Anna Regina Lanner de Moura Universidade Estadual de Campinas
  • Lilian Lopes Martin da Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Norma Sandra de Almeida Ferreira Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Usos alegóricos e normativos da linguagem. Prova Campinas 2010. Artes. Matemática.

Resumo

A Prova Campinas 2010 foi um trabalho coletivo desafiador. Ao longo dele, fizemos interlocução com práticas cotidianas de ensino que vinham sendo realizadas na rede municipal de ensino de Campinas, bem como com os pensamentos de três destacados filósofos – Friedrich Nietzsche, Ludwig Wittgenstein e Jacques Derrida -, com o propósito de gerar dados que nos permitissem problematizar a educação escolar e as formas habituais de avaliação da aprendizagem nesse contexto. Neste artigo, apresentamos, em linhas gerais, o conjunto de ideias que potencializou os processos de concepção, elaboração e correção da prova, bem como o seu contexto de realização. A apresentação dessas ideias constitui o pano de fundo para o comentário analítico comparativo que nós faremos acerca dos modos como os estudantes que participaram da prova lidam com questões que lhes solicitam fazer usos preponderantemente normativos da linguagem – tais como os que são feitos, dentre outros, pela matemática acadêmica e escolar – e com usos preponderantemente alegóricos da linguagem, tais como os que são feitos, dentre outros, pelas diferentes modalidades de artes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Miguel, Universidade Estadual de Campinas

Docente do Departamento de Ensino e Práticas Culturais (DEPRAC) da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas-SP (UNICAMP). Membro do Grupo de Pesquisa PHALA: Educação, Linguagem e Práticas Culturais.

Anna Regina Lanner de Moura, Universidade Estadual de Campinas
Possui Licenciatura em Física pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos-UNISINOS (1974), mestrado em Ensino de Matemática pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (1983) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (1995). Atualmente é ms3-Livre Docente- da Universidade Estadual de Campinas, aposentada. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, linguagem, práticas culturais, desenvolvimento conceitual, ensino de matematica e atividade de ensino.
Lilian Lopes Martin da Silva, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1977), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1981) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1994). Atualmente é professor aposentado, ref. MS 5.1; colaborador-voluntário da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, leitura,biblioteca, formação de professores, ensino.

Norma Sandra de Almeida Ferreira, Universidade Estadual de Campinas

Possui livre docência na área "Conhecimento e linguagem" (2014), pós-doutorado pela Universidade de Algarve-Portugal (2008), doutorado em Educação (1999), mestrado (1994), pela Faculdade de Educação - Universidade Estadual de Campinas. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de Franca (1989), graduação em Letras pela Faculdade de Ciências e Letras de São José dos Campos (1972). Atualmente é professora associada da Universidade Estadual de Campinas, MS5. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em: leitura, escrita, literatura infantil e alfabetização.

Referências

Austin, J. L (1977). How to do things with words. Cambridge: Cambridge University Press.

Banksy (2006). Banksy: wall and piece. London: Century.

Cohen, P. C. (1982). A Calculating People: the spread of numeracy in early America. Chicago: University of Chicago Press.

Condé, M. L. L. (2009). TECHICA/ARS e a produção do conhecimento do homem moderno. In: (Org.). Magno Moraes Mello. Ars, Techné, Technica: a fundamentação teórica e cultural da perspectiva, pp. 115-123. Belo Horizonte, MG: Argvmentvm.

Derrida, J. (1971). La dissémination. Paris: Seuil.

Derrida, J. (2008). Gramatologia. Tradução Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva.

Duque-Estrada, P. C. (2008). Jacques Derrida. Primeiros passos: da linguagem à escritura. In: Revista Mente, Cérebro & Filosofia. Fundamentos para a compreensão contemporânea da psique. São Paulo: Duetto. n. 12, agosto, p.49-57.

Gebauer, G., Wulf, C. (2004). Mimese na cultura: agir social – rituais e jogos – produções estéticas. Tradução Eduardo Triandopolis. São Paulo: Annablume, 1a. Edição.

Glock, H.-J. (1998). Dicionário de Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar.

Haddock-Lobo, R. (2008). Derrida e o labirinto de inscrições. Porto Alegre: Editora Zouk, 2008.

Haddock-Lobo, R. (2011). Para um pensamento úmido: a filosofia a partir de Jacques Derrida. Rio de Janeiro (RJ): Nau: Ed. PUC-Rio.

Lave, J. (2003). Cognition in Pratice: Mind, Mathematics and culture in everyday life. Cambridge: Cambridge University Press.

McDonald, H. (2001). Wittgenstein, Narrative Theory, and Cultural Studies. Telos: Critical Theory of Contemporary, n. 121 p. 11-53.

Miguel, A. (2014). Is the mathematics education a problem for the school or is the school a problem for the mathematics education? Brazilian Society for Mathematics Education: RIPEM - International Journal for Research in Mathematics Education, V. 4, N. 2, pp. 5-35.

Miguel, A. (2015). Historiografia e terapia na cidade da linguagem de Wittgenstein. No prelo. Bolema.

Miguel, A., Vilela, D. S. & Moura, A. R. L. (2012). Problematização indisciplinar de uma prática cultural numa perspectiva wittgensteiniana. Revista Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul, v. 20, n. 2, pp. 1-26.

Moura, A. R. L., Miguel, A., Silva, L. L. M. & Ferreira, N. S. A. (2015a). Prova Campinas 2008: uma avaliação das práticas escolares em língua portuguesa e matemática nos anos iniciais da Rede Municipal Escolar de Campinas. E-Book: ISBN: 978-85-7713-166-2. Campinas, SP: FE/UNICAMP: Prefeitura Municipal de Campinas. Secretaria da Educação.

Moura, A. R. L., Miguel, A., Silva, L. L. M. & Ferreira, N. S. A. (2015b). Prova Campinas 2010: um modo indisciplinar de avaliar as práticas escolares nos anos iniciais da rede municipal escolar de Campinas. E-Book: ISBN 978-85-7713-168-6. Campinas, SP: FE/UNICAMP: Prefeitura Municipal de Campinas. Secretaria da Educação.

Nietzsche, F. W. (2008). A vontade de poder. Tradução de Marcos Sinésio Pereira Fernandes e Francisco José Dias de Moraes. Apresentação de Gilvan Fogel. Rio de Janeiro: Contraponto.

Nietzsche, F. W. (2001). Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro. Tradução de Márcio Pugliesi. Curitiba (PR): Hemus S.A.

Saidan, A. S. (1975). The arithmetic of al-Uqlīdisī. Translated and annoted by A. S.Saidan. Dordrecht (Holland)/Boston (EUA): D. Reidel Publishing Company.

Salles, J. C. P. S. (2005). Filosofia e terapia em Wittgenstein. Analytica, vol. 9, n. 2, pp. 88-112.

Suarez, R. (2011). Nietzsche e a linguagem. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Souza, E. S. (2004). A prática social do cálculo escrito na formação de professores: a história como possibilidade de pensar questões do presente. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Swetz, F. (1989). Capitalism and Arithmetic. The New Math of 15th Century. Illinois: Open Court Publishing Company.

Wittgenstein, L. (1987). Observaciones sobre los fundamentos de la matemática. Versión de Isidoro Reguera. Madrid: Alianza Editorial.

Wittgenstein, L. (2009). [Philosophische Untersuchungen. English]. Philosophical investigations/ Ludwig Wittgenstein; translated by G.E.M. Anscombe, P.M.S. Hacker, and Joachim Schulte. — Rev. 4th. ed. / by P.M.S. Hacker and Joachim Schulte.UK: Blackwell Publishing Ltd. Wittgenstein, Ludwig. Investigações filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. São Paulo: Nova Cultural, 1979.

Wulf, C. (2013). Homo Pictor: imaginação, ritual e aprendizado mimético no mundo globalizado. Tradução e Prefácio por Vinicius Spricigo. São Paulo: Hedra.

Publicado
2016-01-22
Como Citar
Miguel, A., Moura, A. R. L. de, Silva, L. L. M. da, & Ferreira, N. S. de A. (2016). Prova Campinas 2010: entre usos alegóricos e normativos de linguagem. Zetetike, 23(1), 179-212. https://doi.org/10.20396/zet.v23i43.8646559
Seção
Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>