Banner Portal
Entre Kandinsky, crianças e corpo
PDF

Palavras-chave

Educação matemática
Artes visuais
Visualidade
Pesquisa crítica

Como Citar

FLORES, C. R. Entre Kandinsky, crianças e corpo: um exercício de uma pedagogia pobre. Zetetike, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 237–252, 2016. DOI: 10.20396/zet.v23i43.8646561. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646561. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

Este é um texto-experiência, na medida em que fomos afetados por uma pedagogia pobre. Partindo de uma pesquisa maior, norteada pela questão sobre como pinturas do corpo humano potencializam exercícios do pensamento matemático, quatro oficinas foram elaboradas com pinturas de Kandinsky e desenvolvidas com crianças de uma sala de aula de quinto ano do Ensino Fundamental. Consideramos o conjunto dessas oficinas como um dispositivo que atualiza virtualidades, onde imagens da arte e diálogos de crianças dão lugar a um exercício de uma pedagogia pobre. O objetivo é, portanto, exercitar, com essas oficinas, os conceitos de acontecimentoexperiência e pesquisa crítica, como ferramenta de análise na pesquisa educacional e prática pedagógica.

 

https://doi.org/10.20396/zet.v23i43.8646561
PDF

Referências

Becks-Malorny, U. (2007). Kandinsky. Madrid, Espanha: Taschen. Flores, C. R. (No prelo). Descaminhos: potencialidade da arte com a educação matemática.

Foucault, M. (2007). Microfísica do poder (24a ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Kandinsky, W. (2005). Ponto e linha sobre o plano (José Eduardo Rodil, trad.) São Paulo: Martins Fontes.

Kastrup, V. (2012). O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In E. Passos, V. Kastrup, & L. da Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: pesquisa -intervenção e produção de subjetividade (pp. 32-51). Porto Alegre: Sulina.

Kastrup, V., & Barros, R. B. de. (2012). Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In E. Passos, V. Kastrup, & L. da Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 76-91). Porto Alegre: Sulina.

Larrosa, J. (1999). Do espírito de criança à criança de espírito. In J. Larrosa (Org.), Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas (2a ed., pp. 45-72). Belo Horizonte: Autêntica.

Larrosa, J. (2011). Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação, 19(2), 04-27.

Larrosa, J. (2014). Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica.

Leite, C. D. P. (2011). Infância, experiência e tempo. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Masschelein, J. (2008, janeiro/junho). E-ducando o olhar: a necessidade de uma pedagogia pobre. Educação e Realidade, 33(1), 35-48.

Masschelein, J., & Simons, M. (2014). Em defesa da escola: Uma questão pública (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Moraes, J. C. P. de. (2014). Experiências de um corpo em Kandinsky: formas e deformações num passeio com crianças (172 pp.). Dissertação de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Passos, E., & Eirado, A. (2012). Cartografia como dissolução do ponto de vista do observador. In E. Passos, V. Kastrup, & Escóssia, L. da. (Orgs.), Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp.109-130). Porto Alegre: Sulina.

Rancière, J. (2013). O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual (3a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.