Banner Portal
Investigação matemática na sala de aula
PDF

Palavras-chave

Investigação matemática
Ensino fundamental
Tratamento da informação

Como Citar

GRANDO, Neiva Ignês; BALKE, Marlova Elizabete. Investigação matemática na sala de aula: tratamento da informação no ensino fundamental. Zetetike, Campinas, SP, v. 21, n. 2, p. 9–35, 2014. DOI: 10.20396/zet.v21i40.8646586. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646586. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Esta pesquisa, envolvendo alunos de 8ª série do Ensino Fundamental de uma escola da rede estadual de ensino do município de Sertão, região norte do estado do Rio Grande do Sul, teve como objetivo analisar o potencial da abordagem de investigação matemática no desenvolvimento de conteúdos do bloco Tratamento da informação. Os instrumentos de análise foram os registros das aulas de matemática desenvolvidas por uma das pesquisadoras em sua função de professora. A base teórica foi constituída por autores como Ponte, Vigotski, Duval, entre outros, os quais apresentam aspectos importantes para análise da complexidade da sala de aula. O desenvolvimento das atividades de investigação matemática possibilitou interações que  potencializaram a apropriação de significados dos conceitos que compõem o conteúdo de tratamento da informação da referida série escolar.

https://doi.org/10.20396/zet.v21i40.8646586
PDF

Referências

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BUEHRING, R. S.; MORETTI, M. T. Gráficos e tabelas como leitura e registro do mundo: um caminho de ensino para o início da escolaridade. In: GRANDO, N. I. (Org.). Educação matemática: processos de pesquisa no ensino fundamental e médio. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo; Ijuí: Ed. Unijuí, 2009. p. 15-30.

DEVELAY, M. De l´apprentissage à l´enseignement: pour une épistémologie scolaire. 3. ed. Paris: ESF Éditeur, 1993.

DUVAL, R. Registros de representações semióticas e funcionamento cognitivo da compreensão em matemática. In: MACHADO, S. D. A. (Org.). Aprendizagem em matemática: registros de representação semiótica. Campinas: Papirus, 2003. p. 11-33.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MORTIMER, E. F. Linguagem e formação de conceitos no ensino de ciências. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000.

PAIS, L. C. Transposição didática. In: MACHADO, S. D. A. (Org.). Educação matemática: uma (nova) introdução. 3. ed. São Paulo: EDUC, 2008. p. 11-48.

PONTE, J. P.; BROCARDO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

RAUPP, A. D. Educação matemática: processos interativos em situações de jogo no ensino fundamental. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2009.

RIO GRANDE DO SUL. Referenciais Curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: matemática e suas tecnologias. Porto Alegre: SE/DP, 2009.

SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2008.

SILVA, B. A. Contrato didático. In: MACHADO, S. D. A. (Org.). Educação matemática: uma (nova) introdução. 3. ed. São Paulo: EDUC, 2008. p. 49-75.

SILVA, E. O.; MOREIRA, M.; GRANDO, N. I. O contrato didático e o currículo oculto: um duplo olhar sobre o fazer pedagógico. Zetetiké, Campinas, v. 4, n. 6, p. 9-23, jul./dez. 1996.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas II: problemas de psicología general. Madrid: Visor Distribuciones, 1993.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.