Banner Portal
A riqueza nos currículos de matemática do ensino médio
PDF

Palavras-chave

Educação matemática
Currículos de matemática
Ensino médio
Seleção e organização de conteúdos
Riqueza

Como Citar

SILVA, Marcio Antonio da; PIRES, Célia Maria Carolino. A riqueza nos currículos de matemática do ensino médio: em busca de critérios para seleção e organização de conteúdos. Zetetike, Campinas, SP, v. 21, n. 1, p. 19–52, 2014. DOI: 10.20396/zet.v21i39.8646597. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646597. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

O principal objetivo da pesquisa que originou este texto é contribuir para a discussão curricular, por meio de critérios que sirvam como referência para determinar, incluir e excluir temas matemáticos no Ensino Médio. Este artigo faz um recorte dos oito princípios propostos por Silva para compor o currículo de Matemática no Ensino Médio e esmiúça um deles: a riqueza. Aborda também a adoção de padrões matemáticos e assinala a necessidade de ampliar a discussão, no Ensino Médio, sobre atividades que contemplem modelos matemáticos, principalmente geométricos. Aponta os fractais como tema potencialmente importante para identificação e construção de padrões e o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e da investigação matemática como estratégias metodológicas apropriadas para esse tipo de situação.

 

https://doi.org/10.20396/zet.v21i39.8646597
PDF

Referências

ALMEIDA, M. M. M. Estratégias de generalização de padrões de alunos do ensino fundamental do ponto de vista de seus professores. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

ANDREZZO, K. L. Um estudo do uso de padrões figurativos na aprendizagem de Álgebra por alunos sem acuidade visual. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

ARCHILIA, S. Construção do termo geral da progressão aritmética pela observação e generalização de padrões. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

BARBOSA, R. M. Descobrindo a geometria fractal para a sala de aula. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

BORBA, M. C.; PENTEADO, M. G. Informática e Educação Matemática. 3. ed., 1. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério de Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares para o Ensino Médio. Parte III – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/Semtec, 1999.

BRASIL. Ministério de Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ Ensino Médio: Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, 2002.

CHAUI, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

DEVLIN, K. Mathematics: The Science of Patterns. New York, NY: W. H. Freeman, 1994.

DOLL Jr., W. E. Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Tradução de Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

FEDER, J. Fractals. New York: Plenum Press, 1988.

GRAVINA, M. A.; SANTAROSA, L. M. C. A aprendizagem da matemática em ambientes informatizados. Informática na Educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 2, n. 1, maio 1999.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1993.

MACHADO, N. J. Epistemologia e didática: a alegoria como norma e o conhecimento como rede. Tese de Livre-Docência, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo-USP, São Paulo, 1994.

MENEGUETTI, R. C. G. O conhecimento matemático no realismo e no idealismo: compreensão e reflexão. Episteme, Porto Alegre, n. 16, p. 137-149, jan./jun. 2003.

MODANEZ, L. Das seqüências de padrões geométricos à introdução ao pensamento algébrico. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

NAKAMURA, O. Y. A. Generalização de padrões geométricos: caminho para construção de expressões algébricas no ensino fundamental. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

NASCIMENTO, M. C.; PERES, G. B. Mosaicos com o Superlogo. Disponível em: http://wwwp.fc.unesp.br/~mauri/Logo/ERMAC.pdf. Acesso em: 25 abr. 2011.

NATIONAL COUNCIL OF TEACHERS OF MATHEMATICS. Curriculum and evaluation standards for school mathematics. Reston, VA: Author, 1989.

NATIONAL COUNCIL OF TEACHERS OF MATHEMATICS. Principles and standards for school mathematics. Reston, VA: Author, 2000.

OLIVEIRA, G. P. Generalização de padrões, pensamento algébrico e notações: o papel das estratégias didáticas com interfaces computacionais. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 295-312, 2008.

ORTON, A. Pattern in mathematics. In: WAIN, G. (Ed.). British Congress on Mathematical Education 1993 Research Papers. Leeds: The University of Leeds, 1993.

ORTON, A. (Ed.). Pattern in the teaching and learning of mathematics. Londres: Cassell, 1999.

PEREZ, E. P. Z. Alunos do ensino médio e a generalização de padrão. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

PIRES, C. M. C. Currículos de Matemática: da organização linear à idéia de rede. São Paulo: FTD, 2000.

PIRES, C. M. C. Formulações basilares e reflexões sobre a inserção da matemática no currículo visando à superação do binômio máquina e produtividade. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 6, p. 29-61, 2004.

PIRES, C. M. C.; SILVA, M. A. Desenvolvimento curricular em Matemática no Brasil: trajetórias e desafios. Quadrante, Lisboa, v. 20, p. 57-80, 2011.

PONTE, J. P.; BROCADO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

RAPKIEWICZ, C. E.; BARCELOS, G. T.; BATISTA, S. C. F. Geo-Logo: trabalhando geometria no ambiente LOGO. Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET) de Campos dos Goytacazes, 2003. Disponível em: http://www.es.iff.edu.br/softmat/download/atividades/SLOGO.pdf. Acesso em: 25 abr. 2011.

RESNIK, M. D. Mathematics as a Science of Patterns: Ontology and Reference. Noûs, Oxford, v. 15, n. 4 (Número especial sobre Filosofia da Matemática), p. 529-550. Oxford: Blackwell Publishing, 1981.

RESNIK, M. D. Mathematics as a Science of Patterns. Oxford: Clarendon, 1997.

SANTOS, J. G. Observação e generalização de padrões: um tema para a investigação de professores sobre sua própria prática. 138p. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

SILVA, M. A. Contribuições contemporâneas para as discussões curriculares em Educação Matemática: a teoria crítica pós-moderna. Alexandria, Florianópolis, v. 6, p. 205-233, 2013.

SILVA, M. A. Currículos de Matemática no Ensino Médio: em busca de critérios para escolha e organização de conteúdos. 248p. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

SILVA, M. A. Práticas sociais híbridas: contribuições para os estudos curriculares em Educação Matemática. Horizontes – EDUSF, Itatiba, v. 30, p. 95-102, 2012.

SILVA, M. A.; PIRES, C. M. C. Organização curricular da Matemática no Ensino Médio: a recursão como critério. Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 2, p. 249-266, 2013.

SKOVSMOSE, O. Educação Matemática crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus, 2001.

STEEN, L. A. The Science of Patterns. Science, Washington, D.C., v. 240, p. 611-616, 29 abr. 1988.

VALE, I. et al. Padrões no currículo de Matemática: presente e futuro. In: GONZÁLEZ, R.; ALFONSO, B.; MACHÍN, M.; NIETO, L. (Org.). Investigación en Educación. Badajoz: SEIEM; SPCE; APM, 2008. p. 477-493.

VALENTE, J. A. O uso inteligente do computador na educação. Pátio, Porto Alegre, ano 1, n. 1, p. 19-21, maio/jul. 1997.

VALENTE, J. A. Por que o computador na Educação? In: VALENTE, J. A. (Org.). Computadores e conhecimento: repensando a educação. Campinas: Gráfica da Unicamp, 1993. p. 24-44.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.