Etnomatemática no contexto de empreendimentos em economia solidária: o caso de uma marcenaria coletiva feminina

Autores

  • Renata Cristina Geromel Meneghetti Universidade de São Paulo
  • Sérgio Luiz Daltoso Junior Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v21i39.8646598

Palavras-chave:

Economia solidária. Educação matemática. Etnomatemática. Marcenaria coletiva.

Resumo

Este trabalho focaliza a Educação Matemática no contexto da Educação em Economia Solidária e tem como propósito compreender alguns aspectos da Etnomatemática de uma marcenaria coletiva feminina de um assentamento rural, caracterizada como um empreendimento em Economia Solidária. Concebendo que a Matemática é uma atividade intrínseca ao desenvolvimento de nossas tarefas do cotidiano, buscamos levantar situações matemáticas nas quais esse grupo se relacionava durante o processo de produção na marcenaria, atentos aos conceitos matemáticos usados pelo grupo e à forma como eles são utilizados. A pesquisa seguiu uma abordagem qualitativa de investigação: estudo de caso. A coleta de dados se deu por meio de observação participante, entrevistas não estruturadas e análise documental. Esta investigação aponta o Programa Etnomatemática como uma possibilidade de trabalho educacional direcionado às necessidades desse grupo, uma vez que, neste programa, a Matemática é abordada de forma contextualizada, respeitando os interesses culturais e sociais de grupos específicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Cristina Geromel Meneghetti, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação Matemática. Docente do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação-ICMC/USP São Carlos, SP, Brasil.

Sérgio Luiz Daltoso Junior, Universidade de São Paulo

Aluno de graduação do curso de Licenciatura em Ciências Exatas, Habilitação em Matemática, coordenado pelo Instituto de Física de São Carlos – IFSC/USP, São Carlos, SP, Brasil. Contato: sergio.daltoso@usp.br

Referências

AUSUBEL, D. P. et al. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1978. 625p.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução de Maria J. Alvarez, Sara B. Santos e Telmo M. Baptista. Porto (Portugal): Porto Editora, 1994.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Educação popular. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria Nacional de Economia Solidária. Atlas da Economia Solidária no Brasil 2005. Brasília: MTE, SENAES, 2006a.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes). I Oficina Nacional de Formação/Educação em Economia Solidária: documento final. Brasília: MET, SENAES, SPPE, DEQ, 2006b.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2006.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus, 2001a.

D’AMBROSIO, U. Ethomathematics and its place in the history and pedagogy of mathematics. For the Learning of Mathematics, Edmonton (Canadá), ano 5, n. 1, p. 44-48, 1985.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001b.

D’AMBROSIO, U. Etnometodologia, etnomatemática, transdisciplinaridade: embasamentos crítico-filosóficos comuns e tendências atuais. Pesquisa Qualitativa, Rio Claro, SP, ano 1, n. 1, p. 155-167, 2005.

FERREIRA, E. S. “Desencantamento do mundo”: estaria a Etnomatemática contribuindo para ele? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ETNOMATEMÁTICA, 3., 2008, Niterói. Anais... Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2008.

GAIGER, L. I. (Org.) Sentidos e experiências da economia solidária no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2006.

KNIJNIK, G. Educação matemática, exclusão social e política do conhecimento. Bolema, Rio Claro, SP, ano 14, n. 16, p. 12-28, 2001.

KNIJNIK, G. Um outro mundo é possível, também no campo educativo. Quadrante, Lisboa, ano 1, n. 11, p. 61-65, 2002.

MATOS, J. F. Educação Matemática e cidadania. Quadrante, Lisboa, ano 1, n. 11, p. 1-6, 2002.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999.

SHOCKEY, T. L. Etnomatemática de uma classe profissional: cirurgiões cardiovasculares. Bolema, Rio Claro, SP, ano 15, n. 17, p. 1-19, 2002.

SINGER, P. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

SINGER, P.; SOUZA, A. R. A Economia Solidária do Brasil – a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000.

SKOVSMOSE, O.; VALERO, P. Quebrando a neutralidade política: o compromisso crítico entre a educação matemática e a democracia. Quadrante, Lisboa, ano 1, n. 11, p. 7-28, 2002.

VARGAS, S. Migração, diversidade cultural e educação de jovens e adultos no Brasil. Educação & Realidade – Faculdade de Educação, UFRGS, Porto Alegre, v. 28, n. 1, p. 113-131, jan./jun. 2003.

Downloads

Publicado

2014-04-16

Como Citar

MENEGHETTI, R. C. G.; DALTOSO JUNIOR, S. L. Etnomatemática no contexto de empreendimentos em economia solidária: o caso de uma marcenaria coletiva feminina. Zetetike, Campinas, SP, v. 21, n. 1, p. 53–76, 2014. DOI: 10.20396/zet.v21i39.8646598. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646598. Acesso em: 30 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)