Educação matemática e educação financeira: perspectivas para a ENEF

  • Ruth Margareth Hofmann Universidade Federal do Paraná
  • Maria Lucia Faria Moro Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Educação matemática. Contexto. Educação financeira. ENEF.

Resumo

Diante da recente implementação da Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF), o presente trabalho tem por objetivo promover uma reflexão acerca das potenciais interfaces didáticas e conceituais entre Educação Matemática (EM) e Educação Financeira (EF), à luz das discussões sobre a resolução de problemas matemáticos contextualizados dentro e fora do ambiente escolar. Para tanto, parte-se da caracterização da relação antagônica entre a matemática do cotidiano e a matemática escolar; explora-se a dicotomia aprendizagem escolar e extraescolar; avalia-se a relação entre contexto, conceitos e solução de problemas matemáticos; e passa-se à caracterização de um desdobramento recente da EM, a EF. Depreende-se, por fim, que uma das possíveis formas de promover a (re)conciliação entre escola e cotidiano no âmbito da EM poderia incluir o estreitamento e o aprimoramento de sua relação com a EF, uma estratégia particularmente relevante no desenvolvimento de competências matemáticas aplicadas às práticas corriqueiras dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ruth Margareth Hofmann, Universidade Federal do Paraná
Departamento de Engenharia de Produção - UFPR Mestre e Doutoranda em Educação pela UFPR
Maria Lucia Faria Moro, Universidade Federal do Paraná
Professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Referências

ACIOLY-RÉGNIER, N. M. Competências “matemáticas”: a análise de aspectos conceituais e da dimensão sociocultural dos conceitos. In: BRITO, M. R. F. (Org.) Solução de problemas e a matemática escolar. Campinas: Alínea, 2006.

BESSOT, A.; H., F.; JULLIEN, P., KUNTZMANN, J. Uma hora com Piaget (A propósito do ensino da matemática). In: PARRAT, S.; TRYPHON, A. (Org.). Sobre a Pedagogia: Jean Piaget. p. 223-241. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

BRASIL. Vida e dinheiro. Educação financeira nas escolas. 2010a. Disponível em: http://www.vidaedinheiro.gov.br/EducacaoFinanceira/Default.aspx. Acesso em: 30 ago. 2010.

BRASIL. Vida e dinheiro. Instituições envolvidas. 2010b. Disponível em: http://www.vidaedinheiro.gov.br/Instituicoes/Default.aspx. Acesso em: 30 ago. 2010.

BRASIL. Vida e dinheiro. O que é ENEF. 2010c. Disponível em: http://www.vidaedinheiro.gov.br/Enef/Default.aspx. Acesso em: 30 ago. 2010.

CARRAHER, T. N.; CARRAHER, D. W.; SCHLIEMANN, A. Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Cortez, 1995.

CCSF – Comité Consultatif du Secteur Financier. L’éducation financière et l’école: Rapport 2008-2009. Disponível em: http://www.banquefrance.fr/ccsf/fr/telechar/publications/rapport_annuel_2008_2009/CCSF_2008-09_Sommaire.pdf. Acesso em: 30 ago. 2010.

D’AMBROSIO, U. Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática. São Paulo: Summus, 1986.

D’AMBROSIO, U. Educação matemática: da teoria à pratica. Campinas: Papirus, 1997.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática, 1990.

DELVAL, J. Aprender na vida e aprender na escola. Porto Alegre: Artmed, 2001.

DELVAL, J. Introdução à prática do método clínico: descobrindo o pensamento das crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002.

FERREIRO, E.; URE, I. Cálculo com dinheiro em situação inflacionária. In: FERREIRO, E. (Org.) Alfabetização em processo. São Paulo: Cortez,1986.

FRANCHI, A. Situações multiplicativas: diferentes situações e suas inter-relações. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 1., 2001, SBEM, Curitiba. Anais… Curitiba: UFPR, PUCPR, Universidade Tuiuti do Paraná, 2001.

FREUDENTHAL, H. Mathematics as an educational task. Dordrecht: D. Reidel, 1973.

IEFP – L’institut pour l’éducation financière du public. Pour une education financière a l’ecole. 2009. Disponível em: Acesso em: 30 ago. 2010.

LAHIRE, B. Homem plural: os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 2002.

MCINTOSH, A; REYS, B. J.; REYS, R. E. A proposed framework for examining basic number sense. For the Learning of Mathematics, Fredericton, NB, Canada, v. 3, n. 12, nov. 1992.

NAF – New America Foundation. Public policy ideas to improve financial education and help consumers make wise financial decisions. 2007. Disponível em: Acesso em: 30 ago. 2010.

NUNES, T.; LIGHT, P.; MASON, J. Tools for thought the measurement of length and area. Learning and Instruction, v. 3, p. 39-54, 1993.

NZNFL - New Zealand Network for Financial Literacy. Definitions: financial literacy. Disponível em: Acesso em: 30 ago. 2010.

OCDE – Organisation de Coopération et de Developpement Économiques. Projet d’educacion financière de l’ OCDE: contexte et mise en application. 2009. Disponível em: http://www.oecd.org/document/23/0,3343,fr_2649_15251491_25713194_1_1_1_1,00.html. Acesso em: 30 ago. 2010.

SERASA. Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor. Disponível em: http://www.serasaexperian.com.br/release/indicadores/ftp/inad_pf.zip. Acesso em: 19 ago. 2010.

SKOVSMOSE, O. Aphorism and critical mathematics education. For the Learning of Mathematics, Fredericton, NB, Canada, v. 20, n. 1, p. 2-8, 2000a.

SKOVSMOSE, O. Cenários para investigação. Bolema, Rio Claro, n. 14, p. 66-91, 2000b.

SKOVSMOSE, O. Educação matemática crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus, 2001.

SPINILLO, A. G. O sentido de número e sua importância na educação matemática. In: BRITO, M. R. F. (Org.) Solução de problemas e a matemática escolar. Campinas: Alínea, 2006.

VERGNAUD, G. La théorie de champs conceptuels. Recherches en Didactique de Mathématiques, Grenoble, França, v. 10, n. 2-3, p. 133-170,1990.

VERGNAUD, G. L'enfant, la mathématique et la réalité. Berne: Peter Lang, 1981.

Publicado
2013-05-08
Como Citar
Hofmann, R. M., & Moro, M. L. F. (2013). Educação matemática e educação financeira: perspectivas para a ENEF. Zetetike, 20(2), 37-54. https://doi.org/10.20396/zet.v20i38.8646609
Seção
Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)