Banner Portal
A formação estatística e pedagógica do professor de matemática
PDF

Palavras-chave

Formação de professor
Aprendizagem-ensino da estatística
Educação matemática
Narrativas biográficas
Comunidade de prática

Como Citar

PAMPLONA, Admur Severino. A formação estatística e pedagógica do professor de matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 85–99, 2012. DOI: 10.20396/zet.v20i37.8646637. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646637. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

Este trabalho traz elementos de uma pesquisa de doutorado cuja questão foi: “Quais práticas os professores formadores citaram, desenvolveram ou valorizaram para evidenciar e fortalecer os nexos entre as práticas de formação estatística e as de formação pedagógica?”. Como instrumento de recolha de dados, foram utilizadas “narrativas biográficas” de professores experientes que têm atuado no ensino de Estatística em cursos de Licenciatura em Matemática. Como instrumento de análise, utilizou-se a Teoria Social da Aprendizagem, de Wenger. A análise levou à conclusão de que as principais práticas utilizadas foram: a) o compartilhamento dos problemas, das escolhas, dos trajetos, das perspectivas e dos prazeres que fazem parte do exercício da profissão do professor, de modo geral, e do ensino da Estatística, de modo particular; b) o questionamento das práticas discursivas e não discursivas que apoiam relações desiguais de poder entre práticas de formação matemática/estatística e práticas de formação pedagógica.

https://doi.org/10.20396/zet.v20i37.8646637
PDF

Referências

BUJES, M. I. E. Infância e maquinarias. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. J. Narratrive Inquiry: experience and story in qualitative research. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 2000.

DUARTE, R. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Caderno de Pesquisa, n.115, p.139-154, mar. 2002.

FOUCAULT, M. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. v.4. 390p. (Coleção Ditos e Escritos).

FREITAS, M. T. M. A escrita no processo de formação contínua do professor de Matemática. 2006, 300f. Tese (Doutorado em Educação –Educação Matemática) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, Campinas-SP, 2006.

GARNICA, A. V. M. Um tema, dois ensaios: método, história oral, concepções, Educação Matemática. Tese (Livre-Docência) – Departamento de Matemática, Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista – UNESP, Bauru, 2005.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated Learning: Legitimate Peripheral Participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

SHULMAN, L. S. Knowlege and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, v.57, n.1, p.1-22, 1987.

SHULMAN, L. S. Those who understand: Knowledge Growth in Teaching. Educational Researcher, v.15, n. 2, p.4-14, 1986.

VASCONCELOS, E. M. Complexidade e pesquisa interdisciplinar: epistemologia e metodologia operativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

WENGER, E. Comunidades de práctica: Aprendizaje, significado e identidad. Barcelona: Paiadós, 2001.

WENGER, E. et al. Cultivating communities of practice. Boston: Harvard Business School Press, 2002.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.