Esses abomináveis e maravilhosos professores de matemática

Autores

  • Eliane Righi de Andrade Pontifícia Universidade Católica da Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646656

Palavras-chave:

Subjetividade. Representações de matemática. Professores de matemática.

Resumo

A proposta desse artigo é relacionar as representações de matemática, que surgem no dizer dos enunciadores entrevistados, com a constituição desses sujeitos, de modo a refletir como essas representações interferem em sua subjetividade e na forma de pensar a matemática. Esse trabalho traz como pressupostos teóricos a abordagem discursiva, os estudos foucautianos da linguagem e alguns conceitos da psicanálise, buscando nas representações da matemática a articulação entre subjetividade e práticas discursivas. Pela análise dos recortes discursivos, é possível perceber que a matemática é concebida, geralmente, como um conhecimento disciplinarizado, associado ao processo de ensino-aprendizagem e aos professores que ministraram a disciplina no ensino regular, ora assumindo um caráter utilitarista, ora relacionando-se ao desejo do sujeito pelo conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Righi de Andrade, Pontifícia Universidade Católica da Campinas

Doutora em Linguística Aplicada pela Unicamp e Professora da Pontifícia Universidade Católica da Campinas (PUCC), Campinas (SP) – Brasil

Referências

COHEN, J. A cultura dos monstros: sete teses. In: Silva, T. T. da. Pedagogia dos monstros. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

DERRIDA, J. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2004 [1967].

ELIA, L. O conceito de sujeito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário Aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

FINK, B. O sujeito lacaniano: entre a linguagem e o gozo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998 [1995].

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2001 [1976].

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 8. ed. São Paulo: Loyola, 2002 [1971].

FOUCAULT, M. Ditos e escritos V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004a.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária. 2004b [1969].

FREUD, S. O estranho. In: Ed. Standard Bras.,v XVII. Rio de Janeiro: Imago, 1996 [1919].

HALL, S. Quem precisa da identidade? In: SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000 [1996].

LACAN, J. Seminário 9 - A identificação. 1961-1962. Inédito.

LEBRUN, J. P. Um mundo sem limite. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2004 [2001].

MORAES, M. R. S. Materna/estrangeira: o que Freud fez da língua. 1999. Tese (Doutorado) – Instituto de Estudos da Linguagem – Unicamp, Campinas.

MORAES, M. R. S. Notas sobre as lições 3 e 4 do seminário de Jacques Lacan – A identificação. Literal, Campinas, n. 7, 2004.

Downloads

Publicado

2011-02-11

Como Citar

Andrade, E. R. de. (2011). Esses abomináveis e maravilhosos professores de matemática. Zetetike, 18. https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646656