Banner Portal
Matemática e educação matemática
PDF

Palavras-chave

Educação matemática
Epistemologia
Estudos culturais
Representações

Como Citar

DAL-FARRA, Rossano André. Matemática e educação matemática: aproximações epistemológicas, cultura e discursos contemporâneos. Zetetike, Campinas, SP, v. 18, p. 505–544, 2011. DOI: 10.20396/zet.v18i0.8646660. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646660. Acesso em: 18 jun. 2024.

Resumo

Com a crescente preocupação em relação às questões culturais e sociais envolvidas na construção do pensamento científico a partir da segunda metade do século XX, uma parcela de pesquisadores passou a repensar as suas ações, processo que gerou também questionamentos no campo da educação em relação às concepções pedagógicas que norteiam as práticas educativas. Com isso, as representações de ciência, de pesquisador, de professor e de estudante passaram a ser mediadas por diferentes discursos, produzindo identidades contemporâneas forjadas, tanto em decorrência do processo histórico de consolidação da matemática como disciplina, quanto em relação às novas configurações sociais da contemporaneidade. Diante dessas premissas, o objetivo do estudo está voltado para as contribuições de alguns pressupostos dos estudos culturais relativos ao discurso e à linguagem, bem como as suas contribuições para a produção científica atual, em meio a uma profusão de representações veiculadas na produção acadêmica e na mídia contemporânea.
https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646660
PDF

Referências

BOWERS, J.; BRANDT, J.; STOVALL, K.; VARGAS, M. Searching for the most amazing thing over the last 20 years: a review of research on technology and the teaching and learning of mathematics, volume 1 and volume 2. Review. Journal for Research in Mathematics Education, v. 40, n. 5, p. 564-570, nov. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais - Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Média e Tecnológica (Semtec). PCN + Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/Semtec, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf. Acesso em: 9 de outubro de 2009.

BROKER, P. A concise glossary of the cultural theory. New York: Arnold, 1998.

CLARETO, S. M. Educação matemática e contemporaneidade: enfrentando discursos pós-modernos. Bolema, Rio Claro, n. 17, maio 2002.

CURRAN, J. Repensar la comunicación de masas. In: CURRAN, J.; MORLEY, D.; WALKERDINE, V. Estudios culturales y comunicación. Barcelona: Paidós, 1998.

DAL-FARRA, R. A. Alfabetização científica e ensino de ciências: um olhar para além dos muros da escola. . In: Congresso Internacional de Educação, 5., 2007, São Leopoldo. Anais do V Congresso Internacional de Educação. São Leopoldo: Seiva Publicações, 2007.

DAL-FARRA, R. A. Interfaces entre a psicologia e a biologia: tecendo saberes na educação. Vidya, Santa Maria, v. 28, n. 1, jan./jun., 2008, p. 19-32.

EL-HANI, C. N.; SEPÚLVEDA, C. Referenciais teóricos e subsídios metodológicos para a pesquisa sobre as relações entre educação científica e cultura. In: SANTOS, F. M. T. dos; GRECA, I. M. (Org.). A pesquisa em ensino de Ciências no Brasil e suas metodologias. Ijuí: Unijuí, 2007.

GARDNER, H. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

GIL PEREZ, D.; MONTORO, I. F.; ALIS, J. C.; CACHAPUZ, A.; PRAIA, J. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência e Educação - UNESP, Bauru, v. 7, n. 2, p. 125-153, 2001.

GIROUX, H. Memória e pedagogia no maravilhoso mundo da Disney. In: SILVA, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 85-103.

GOMES, M. L. M.; BRITO, A. de J. Vertentes da produção acadêmica brasileira em história da educação matemática: as indicações do EBRAPEM. Bolema, Rio Claro, ano 22, n. 34, p. 105-130, 2009.

GOTTSCHALK, S. Postmodern sensibilities and ethnografic possibilities. In: BANKS, A.; BANKS, S. (Ed.). Fiction & social research. California: Sage publications, 1998. p. 205-233.

GOULD, S. J. A falsa medida do homem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

HALL. S. A centralidade da cultura. Educação e Realidade, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez. 1997a.

HALL, S. Representation — cultural representations and signifying pratices. London: The Open University/Sage Publications, 1997b.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

HENRY, J. The scientific revolution and the origins of modern science. 3rd. ed. UK: Palgrave Macmillan, 2008.

JOHNSON, R. O que é, afinal, Estudos Culturais? In: SILVA, T. T. da (Org.). O que é, afinal, Estudos Culturais? Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

KEARNEY, H. Science and change: 1500-1700. New York: McGrawHill Book Co., 1971.

LYOTARD, J. F. A condição pós-moderna. Lisboa: Gradiva, 1989.

MESQUITA, C. G. R. de. O professor de matemática no cinema: cenários de identidades e diferenças. In: Reunião anual da ANPED, 27., 2004, Caxambu. Sociedade, democracia e educação: qual universidade. Caxambu: Carlos Magno Sady Valadares, 2004.

MIGUEL, A. História, filosofia e sociologia da educação matemática na formação do professor: um programa de pesquisa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 137-152, jan./abr. 2005.

MIGUEL, A.; GARNICA, A. V. M.; IGLIORI, S. B. C.; D’AMBROSIO, U. A educação matemática: breve histórico, ações implementadas e questões sobre sua disciplinarização. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 27, p. 70- 93, set./out./nov./dez., 2004.

MORLEY, D. Populismo, revisionismo y los “nuevos” estudios de audiencia. In: CURRAN, J.; MORLEY, D.; WALKERDINE, V. Estudios culturales y comunicación. Barcelona: Paidós, 1998. p. 417-437.

NELSON, C; TREICHLER, P. A.; GROSSBERG, L. Estudos culturais em educação. In: SILVA T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 7-38.

PATY, M. Mathesis universalis e inteligibilidade em Descartes. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, série 3, v. 8, 1998.

SILVA, T. T. Documentos de identidade – uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SILVEIRA, M. C. da. Produção de significados sobre matemática nos cartuns. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

SOARES, E. M. S.; LIMA, I. G. de.; SAUER, L. Z. Melhoria das condições de aprendizagem em matemática: integração universidade/ensino médio. In: TOZZI, M. Novos paradigmas na Educação em Engenharia. Curitiba: ABENGE, 2007.

SOUZA, C. P. de. A criança-aluno transformada em números (1890-1960). In: STEPHANOU, M.; BASTOS, M. H. C. Histórias de memórias da educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2005. v. III, século XX.

TASCHNER, G. A pós-modernidade e a sociologia. Revista da USP, São Paulo, n. 42, p. 6-19, 1999.

VALENTE, W. R. Livro didático e educação matemática: uma história inseparável. Zetetiké – Cempem – FE - Unicamp, Campinas, v. 16, n. 30, jul./dez., p. 139-162, 2008.

VIDEIRA, A. A. P. Poincaré e as hipóteses indiferentes. Revista da SBHC, Rio de Janeiro, n. 17, p. 3-10, 1997.

WOODWARD, K. Identity and difference. London: Sage Publications, 1997.

WORTMANN, M. L. Sujeitos estranhos, distraídos, curiosos, inventivos, mas também éticos, confiáveis, desprendidos e abnegados, professores de ciências e cientistas na literatura infanto-juvenil. In: SILVEIRA, R. M. H. Professoras que as histórias nos contam. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.