Banner Portal
Marcas de argumentação em textos escritos por crianças
PDF

Palavras-chave

Escrita
Argumentação
Ensino de português

Como Citar

RIOLFI, Claudia Rosa; COSTA, Renata de Oliveira. Marcas de argumentação em textos escritos por crianças. Zetetike, Campinas, SP, v. 18, p. 295–324, 2011. DOI: 10.20396/zet.v18i0.8646666. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646666. Acesso em: 16 jun. 2024.

Resumo

O presente estudo, cujo corpus é composto por cinqüenta e quatro manuscritos, versa a respeito dos recursos mobilizados por nove informantes entre sete e oito anos de idade para persuadir o interlocutor estabelecido por seu texto. Visou a investigar a possibilidade das crianças recém-alfabetizadas serem gradualmente melhor sucedidas na persuasão. Os informantes foram solicitados a escrever seis textos nos quais o uso de argumentos e de marcas lingüísticas da argumentação estava pressuposto. A análise mostrou que, após um ano, ocorreram algumas mudanças relevantes: a) Aumento na extensão; b) Substituição dos desenhos por palavras escritas; c) Maior uso de argumentos eficazes; d) Aumento gradual de marcas lingüísticas da argumentação; e) Uso pertinente de operadores argumentativos para organizar seus textos; e f) Ocorrência de subentendidos. Ficou evidenciado que a criança já consegue se aproveitar de estratégias lingüísticas para persuadir os interlocutores estabelecidos por seus textos.
https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646666
PDF

Referências

ABREU, A. Tarefas de leitura e concepção de texto expositivo pela criança de terceira série. Dissertação (Mestrado) — Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP, Campinas, 1990.

AGUIAR, H. A capacidade de argumentação nos alunos de 5ª e 6ª séries. In: Congresso Nacional de Linguística E Filologia (CNLF), ago. 2005, Rio de Janeiro. Cadernos do... Rio de Janeiro, 2005. v. IX, n.10.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

DUCROT, O. Argumentação e “topoi” argumentativos. In: GUIMARÃES, E. (Org.). História e sentido na linguagem. Campinas: Pontes, 1989.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GUIMARÃES, E. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. Campinas: Pontes, 1987.

KOCH, I. A interação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 2003.

KOCH, I. Argumentação e linguagem. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

RIOLFI, C. R.; IGREJA, S. G. Ensinar a escrever no Ensino Médio: cadê a dissertação? Educação e Pesquisa — USP, São Paulo, v. 36, p. 311-324, 2010. Impresso.

ROSSI-LANDI, F. A linguagem como trabalho e como mercado. São Paulo: Difer, 1985.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria Estadual da Educação. Orientações curriculares para o Ensino Fundamental I. São Paulo, 2007.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.