Marcas de argumentação em textos escritos por crianças

Autores

  • Claudia Rosa Riolfi Universidade de São Paulo
  • Renata de Oliveira Costa Secretaria Municipal de Educação de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646666

Palavras-chave:

Escrita. Argumentação. Ensino de português

Resumo

O presente estudo, cujo corpus é composto por cinqüenta e quatro manuscritos, versa a respeito dos recursos mobilizados por nove informantes entre sete e oito anos de idade para persuadir o interlocutor estabelecido por seu texto. Visou a investigar a possibilidade das crianças recém-alfabetizadas serem gradualmente melhor sucedidas na persuasão. Os informantes foram solicitados a escrever seis textos nos quais o uso de argumentos e de marcas lingüísticas da argumentação estava pressuposto. A análise mostrou que, após um ano, ocorreram algumas mudanças relevantes: a) Aumento na extensão; b) Substituição dos desenhos por palavras escritas; c) Maior uso de argumentos eficazes; d) Aumento gradual de marcas lingüísticas da argumentação; e) Uso pertinente de operadores argumentativos para organizar seus textos; e f) Ocorrência de subentendidos. Ficou evidenciado que a criança já consegue se aproveitar de estratégias lingüísticas para persuadir os interlocutores estabelecidos por seus textos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Rosa Riolfi, Universidade de São Paulo

Psicanalista, doutora em Linguística, docente da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa Produção Escrita e Psicanálise - GEPPEP.

Renata de Oliveira Costa, Secretaria Municipal de Educação de São Paulo

Graduada em Letras Português/ Inglês pela Universidade de São Paulo, participou do Programa Institucional de Iniciação Científica da FEUSP - sem concessão de bolsa. É professora da Secretaria Municipal de Educação da cidade de São Paulo, atuando nas séries iniciais do Ensino Fundamental I e na área de Língua Portuguesa para o Ensino Fundamental II.

Referências

ABREU, A. Tarefas de leitura e concepção de texto expositivo pela criança de terceira série. Dissertação (Mestrado) — Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP, Campinas, 1990.

AGUIAR, H. A capacidade de argumentação nos alunos de 5ª e 6ª séries. In: Congresso Nacional de Linguística E Filologia (CNLF), ago. 2005, Rio de Janeiro. Cadernos do... Rio de Janeiro, 2005. v. IX, n.10.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

DUCROT, O. Argumentação e “topoi” argumentativos. In: GUIMARÃES, E. (Org.). História e sentido na linguagem. Campinas: Pontes, 1989.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GUIMARÃES, E. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. Campinas: Pontes, 1987.

KOCH, I. A interação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 2003.

KOCH, I. Argumentação e linguagem. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

RIOLFI, C. R.; IGREJA, S. G. Ensinar a escrever no Ensino Médio: cadê a dissertação? Educação e Pesquisa — USP, São Paulo, v. 36, p. 311-324, 2010. Impresso.

ROSSI-LANDI, F. A linguagem como trabalho e como mercado. São Paulo: Difer, 1985.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria Estadual da Educação. Orientações curriculares para o Ensino Fundamental I. São Paulo, 2007.

Downloads

Publicado

2011-02-11

Como Citar

RIOLFI, C. R.; COSTA, R. de O. Marcas de argumentação em textos escritos por crianças. Zetetike, Campinas, SP, v. 18, 2011. DOI: 10.20396/zet.v18i0.8646666. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646666. Acesso em: 19 maio. 2022.