Contextos e práticas socioculturais de letramento e letramento matemático inerentes às relações família/escola

Autores

  • Ana Lúcia Espíndola Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Neusa Maria Marques de Souza Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646670

Palavras-chave:

Letramento. Letramento matemático. Relações família-escola. Contextos. Práticas socioculturais.

Resumo

Investigar práticas de letramento e letramento matemático de mães, bem como estratégias utilizadas nas relações entre contextos socioculturais família/escola para orientar os filhos na leitura, na escrita e na matemática foi o objetivo da pesquisa - objeto do conteúdo deste artigo. Questionamentos sobre mitos e crenças das origens e dos fundamentos dos conhecimentos escolares e socioculturais permearam as discussões. Das práticas de mães e filhos observadas em sessões de contação de histórias no ambiente da escola constataram-se como necessários mecanismos de aproximação das práticas de letramento das mães e dos filhos com práticas escolares e sociais para concretização dos conhecimentos sobre escritas numéricas e aprimoramento do letramento matemático. Práticas e condições de letramento, mobilização de conceitos, procedimentos e princípios compreendidos como produção sociocultural estabeleceram campo comum entre ações que as mães realizam na vida cotidiana com características das práticas escolarizadas, de cuja compreensão elas buscaram se aproximar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lúcia Espíndola, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS/Três Lagoas e do Programa de Mestrado em Educação Social no campus de Corumbá

Neusa Maria Marques de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS/Três Lagoas e dos Programas de Pós-Graduação em Educação Matemática e em Educação no campus de Campo Grande

Referências

BRUNER, Jerome. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática e educação. In: KNIJNIK, G.; WANDERER, F.; OLIVEIRA, C. J. de. (Org.). Etnomatemática, currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul - SC : Edunisc, 2006.

FONSECA, Maria da Conceição F. R. Educação Matemática de Jovens e Adultos: especificidades, desafios e contribuições. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Notas de Ana Maria Araújo Freire. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d`Água, 1998. FREIRE, Paulo. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 2000.

GALVÃO, Ana M. de O. Leitura: algo que se transmite entre as gerações? In: RIBEIRO, Vera Masagão (Org.). Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF 2001. São Paulo: Global, 2003. p. 125-154.

GOULART, Cecília M. A. A noção de letramento como horizonte ético político para o trabalho pedagógico: explorando diferentes modos de ser letrado. Rio de Janeiro: UFF, 2002. Projeto de Pesquisa desenvolvido na Faculdade de Educação.

LAHIRE, Bernard. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. Tradução de Ramon Américo Vasques e Sonia Goldefer. São Paulo: Ática, 1997.

MENDES, Jackeline R.; GRANDO, Regina C. (Org.). Múltiplos olhares: matemática e produção de conhecimento. São Paulo: Musa, 2007.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Tradução de Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2001.

RIBEIRO, Vera M. Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2003.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Consciência e a ação sobre a prática da libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Coord.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

SAWAYA, Sandra M. Práticas de leitura e escrita entre as crianças na pobreza urbana. Videtur (USP), Porto, Portugal, v. 18, p. 29-40, 2002.

SILVA, Fabiana. Práticas de leitura e escrita em famílias negras de meios populares (Pernambuco, 1950 -1970). In: GALVÃO, Ana Maria de Oliveira [et. al] (Org.). Historia da cultura escrita séculos: XIX e XX. Belo Horizonte: Autêntica 2007. p. 215-234.

SNYDERS, Georges. A alegria na escola. Tradução de Bertha Halpern Guzovitz e Maria Cristina Caponero. São Paulo : Manole, 1988.

SOARES, Magda. Letramento e escolarização. Letramento no Brasil: reflexões a partir do INAF 2001. São Paulo: Global, 2003.

SZYMANSKI, Heloísa. A relação família escola: desafios e perspectivas. 2. ed. Brasília: Líber Livro. 2007.

THIN, Daniel. Para uma análise das relações entre famílias populares e escola: confrontação entre lógicas socializadoras. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 32, p. 211-226 maio/ago. 2006.

VIANNA, Maria J. B. As práticas socializadoras familiares como lócus de constituição de disposições facilitadoras de longevidade escolar em meios populares. Educação e sociedade, Campinas, n. 90, p. 1-17. jan./abr. 2005.

Downloads

Publicado

2011-02-11

Como Citar

ESPÍNDOLA, A. L.; SOUZA, N. M. M. de. Contextos e práticas socioculturais de letramento e letramento matemático inerentes às relações família/escola. Zetetike, Campinas, SP, v. 18, 2011. DOI: 10.20396/zet.v18i0.8646670. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646670. Acesso em: 19 maio. 2022.