Sistema de numeração decimal: operatividade discente e implicações para o trabalho docente

Autores

  • Celia Finck Brandt Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Joseli Almeida Camargo Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Ademir José Rosso Universidade Estadual de Ponta Grossa

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v12i22.8646974

Palavras-chave:

Sistema de numeração decimal. Epistemologia genética. Valor posicional.

Resumo

Nesta pesquisa, investiga-se a compreensão de alunos do segundo ciclo do Ensino Fundamental sobre o Valor Posicional (VP) presente no Sistema de Numeração Decimal (SND), com o objetivo de identificar o entendimento dos sujeitos sobre a estrutura de base dez e sobre a representação escrita correlacionada à compreensão do VP. Foram investigadas 137crianças, através de testes escritos na sala de aula, de registros de observação feita no momento da aplicação dos testes e de entrevistas realizadas na seqüência. A análise das informações permitiu um mapeamento das principais dificuldades e incompreensões em relação à categoria operação, da teoria piagetiana. Foi possível comprovar que as crianças investigadas falam nomes de números numa seqüência correta, associam esses nomes às quantidades, resolvem operações de adição e subtração com utilização de algoritmos padronizados. Mas os argumentos utilizados pelas crianças, ao justificarem seus desempenhos, revelam a sua incompreensão do SND no seu todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celia Finck Brandt, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEP´G/PR). Doutoranda em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora de Metodologia e Prática de Ensino da UEPG/PR.

Joseli Almeida Camargo, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG/PR). Professora de Metodologia e Prática de Ensino da UEPG/PR.

Ademir José Rosso, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Mestrado em Educação da UEPG/PR.

Referências

CARRAHER, T. N. Aprender pensando. 10. Petrópolis: Vozes, 1995.

CARRAHER, T.; CARRAHER, D.; SCHLIEMANN, A. Na vida dez, na escola zero. 10. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

KAMII, C. A criança e o número: implicações educacionais da teoria de Piaget para a atuação junto a escolares de 4 a 6 anos. Campinas: Papirus, 1990.

KAMII, C. Aritmética: novas perspectivas: implicações da teoria de Jean Piaget. São Paulo: Papirus, 1992.

KAMII, C.; LIVINGSTON, S. J. Desvendando a aritmética: implicações da teoria de Piaget. 5. ed. Campinas: Papirus,1999.

KAMII, C. Reiventando a aritmética. 11. ed. São Paulo: Papirus, 1996. LÉVY, P. As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: 34. ed., 1993.

NUNES, T.; BRYANT, P. Crianças fazendo matemática. Porto Alegre: ArtMed, 1997.

PIAGET, J.; SZEMINSKA, A. A gênese do número na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

PIAGET, J. Developmente and learning. Journal of Research in Science Teaching, XI, n.e (1964), 176-86.

PIAGET, Jean. A equlibração das estruturas cognitivas: problema do desenvolvimento central. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

PIAGET, Jean. O nascimento da inteligência na criança. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

PIAGET, J. et al. Abstração reflexionante: relações lógico-aritméticas e ordem das relações espaciais. Porto Alegre: ArtMed, 1995.

PIAGET, J. A iniciação à matemática, a matemática moderna e a psicologia da criança. In: APARRANT, S.; TRYPHON, A. Jean Piaget: sobre a pedagogia, textos inéditos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998, p. 217-221.

ROSSO, A. J.; BECKER, F.; TAGLIEBER, J. E. A produção do conhecimento e a ação pedagógica. Educação e Realidade, v. 23, n. 2, jul/dez. 1998, p. 63- 81.

VERGNAUD, Gerard. La théorie des champs conceptuels. RDM, 10, (2-3), p. 133-170, 1990.

Downloads

Publicado

2009-02-17

Como Citar

BRANDT, C. F.; CAMARGO, J. A.; ROSSO, A. J. Sistema de numeração decimal: operatividade discente e implicações para o trabalho docente. Zetetike, Campinas, SP, v. 12, n. 2, p. 89–124, 2009. DOI: 10.20396/zet.v12i22.8646974. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646974. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo