De criação divina a instituição humana: as relações entre matemática e mitos

Autores

  • Wanderleya Nara Gonçalves Costa Universidade Federal do Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v14i26.8647003

Palavras-chave:

Matemática. Mitos. Cosmologias. Índios xavantes.

Resumo

É grande o número de pessoas que concebem a matemática como sendo um conhecimento existente na natureza ou na mente do Criador do universo. A origem dessa crença nos remete às cosmogonias pitagórica e platônica, que procuravam explicar a gênese do mundo e dos seres humanos a partir de uma fundamentação matemática como forma de fugir aos mitos. Hoje, os mitos são tomados como sendo discursos dos homens e mulheres acerca dos problemas que os incomodam e a filosofia da matemática afasta-se a idéia de que a matemática não seja criação humana. Surge, portanto, a possibilidade de estudar as relações entre matemática e mito, partindo justamente do ponto que deveria ser a ruptura entre o lógico e o fantasioso, ou seja, a partir das cosmologias pitagórica e platônica. Finalmente, para reafirmar o íntimo relacionamento entre matemática e mito, mostro a presença da matemática no mito da criação dos índios xavantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wanderleya Nara Gonçalves Costa, Universidade Federal do Mato Grosso

Professora do Departamento de Matemática do ICLMA/UFMT e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da USP

Referências

BECKER, Oskar. O pensamento matemático. Sua grandeza e seus limites. São Paulo: Editora Helder. 1965.

BÍBLIA SAGRADA. Gênesis. Edição Pastoral. São Paulo: Paulus. 1990.

BOYER, C. B. História da matemática. Trad. Elza F. Gomide. São Paulo: Edgard Blücher, 1974.

CAMPBELL, J. & MOYERS, B. O mito e o mundo moderno. In: CLARET, M. O poder do Mito. São Paulo: Livro Clipping/ Editora Martin Claret. 2000.

CASTORIADIS, C. As encruzilhadas do labirinto 1. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1987.

D'AMBROSIO, U. Gaiolas epistemológicas: habitat da ciência moderna. Anais do II Congresso Brasileiro de Etnomatemática. Natal/RN. Abr/2004, p. 138.

DAVIS, P.; HERSH, R. O sonho de Descartes, São Paulo: Difusão Cultural, 1988. DURAND, G. Campos do Imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

FERREIRA SANTOS, M. Crepusculário: conferências sobre mitohermenêutica e educação em Euskadi. São Paulo: Zouk, 2004.

FERREIRA, E. S. Etnomatemática: uma proposta Metodológica. Rio de Janeiro: MEM/USU, 1997.

GAUTHIER, Jacques. O que é pesquisar entre Deleuze-Guatarry e o candomblé, pensando o mito, ciência, arte e culturas de resistência. Revista Educação e Sociedade, ano XX, nº 69, dez/1999.

GIACCARIA, B. e HEIDE, A. Xavante, povo autêntico. São Paulo: Ed. Salesiana Dom Bosco, 1984.

GIACCARIA, B. Ensaios, pedagogia xavante. Aprofundamento antropológico. Campo Grande – MS: Missão Salesiana de Mato Grosso, 1990.

GIACCARIA, B. Xavante – ano 2000: reflexões pedagógicas e antropológicas. Campo Grande-MS: UCDB, 2000.

LADRIÈRE, Jean. A articulação do sentido. São Paulo: EPU/Ed. da Universidade de São Paulo, 1977.

MORIN, Edgar. O Método 3. Porto Alegre: Sulina, 1999 (1a ed. 1986)

SHAKER, Arthur. Romhõsi’wai hawi rowa’õno re ihöimana mono: a criação do mundo segundo os velhos narradores Xavante. 2002. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2002.

SILVA, T. T. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T.T. (org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOUZA, Eudoro de. Mitologia. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1980.

VERNANT, J. P. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

WHITROW, G. J. O tempo na história: concepções do tempo da pré-história aos nossos dias. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.

Downloads

Publicado

2009-01-31

Como Citar

Costa, W. N. G. (2009). De criação divina a instituição humana: as relações entre matemática e mitos. Zetetike, 14(2), 7-28. https://doi.org/10.20396/zet.v14i26.8647003

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)