Banner Portal
Aprender matemática investigando
PDF

Palavras-chave

Investigações matemáticas
Aprendizagem
Atitudes
Concepções dos alunos

Como Citar

ROCHA, Alexandra; PONTE, João Pedro da. Aprender matemática investigando. Zetetike, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 29–54, 2006. DOI: 10.20396/zet.v14i26.8647004. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647004. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

Este estudo tem por objectivo verificar o alcance da realização de um conjunto de investigações matemáticas em alunos do 7.º ano de escolaridade. Em especial, pretende-se saber se os alunos evidenciam novos conhecimentos e capacidades matemáticas e novas concepções e atitudes em relação à matemática e à sua aprendizagem nesta disciplina. Trata-se de um estudo sobre a prática profissional, de natureza qualitativo-interpretativa, baseado em dois estudos de caso de alunos de diferentes níveis de desempenho. Os dados foram recolhidos por observação participante, entrevistas, questionários e documentos produzidos pelos alunos. Os resultados evidenciam que a realização de investigações matemáticas constitui uma situação nova para os alunos, que mostram compreender de forma progressiva o seu papel neste tipo de tarefa. Apesar de ambos os alunos fazerem em certos momentos raciocínios que constituem provas matemáticas, nenhum deles chega a desenvolver uma compreensão clara da necessidade da demonstração. Na realização das tarefas propostas, ambos tiram partido dos seus conhecimentos matemáticos prévios e mostram aprender diversos conceitos. Além disso, ambos mostram adesão a este tipo de tarefa, que sentem favorecer a sua aprendizagem. Sem abandonar muitos dos traços da sua visão da matemática, passam a considerá-la de modo mais dinâmico e a ver-se a si próprios num papel mais activo na exploração de situações matemáticas. O estudo mostra a necessidade de experiências mais continuadas e aprofundadas, recorrendo a uma maior diversidade de tarefas, para promover aprendizagens e mudanças mais profundas nas concepções dos alunos.
https://doi.org/10.20396/zet.v14i26.8647004
PDF

Referências

APM Renovação do currículo de matemática. Lisboa: APM, 1988.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1999.

BROCARDO, J. Investigações na aula de matemática: A história da Rita. In LOPES, I. C., SILVA J; FIGUEIREDO, P (Eds.), Actas ProfMat 2001 (pp. 155- 161). Lisboa: APM, 2001.

BROCARDO, J. As investigações na sala de aula de matemática: Um projecto curricular no 8.º ano (Tese de doutoramento, Universidade de Lisboa). Lisboa: APM. (disponível em http://ia.fc.ul.pt), 2002.

COHEN, L., MANION, L.; MORRISON, K. Research methods in education. London: Routledge, 2000.

FRANK, M. L. Problem solving and mathematical belief. Arithmetic Teacher, 35, 32-34, 1988.

GAROFALO, J. Beliefs and their influence on mathematical performance. Mathematics Teacher, 82(7), 502-505, 1989.

JUNQUEIRA, M. Exploração de construções geométricas em ambientes computacionais dinâmicos. Quadrante, 5(1), 61-108, 1996.

NCTM. Normas para o currículo e a avaliação em matemática escolar. Lisboa: IIE e APM, 1991.

NCTM. Normas profissionais para o ensino da matemática. Lisboa: IIE e APM, 1994.

PONTE, J. P. Concepções dos professores de matemática e processos de formação, educação matemática: Temas de Investigação (pp. 185-239). Lisboa: IIE, 1992.

PONTE, J. P. Investigar a nossa própria prática. In GTI (Ed.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional (pp. 5-28). Lisboa: APM, 2002.

PONTE, J. P. Investigação sobre investigações matemáticas em Portugal. Investigar em educação, 2, 93-169, 2003.

PONTE, J. P., BROCARDO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PONTE, J. P.; MATOS, J. F. Processos cognitivos e interacções sociais nas investigações matemáticas. In: ABRANTES, P L. C. LEAL; PONTE, J.P. (Eds.), Investigar para aprender matemática (pp. 119-138). Lisboa: Projecto MPT e APM, 1996.

PONTE, J. P.; MATOS, J. F. Cognitive processes and social interaction in mathematical investigations. In: J. P. Ponte, J. F. Matos, J. M. Matos, & D. Fernandes (Eds.); Mathematical problem solving and new information technologies: Research in contexts of practice. Berlin: Springer, 1992, p. 239- 254.

PONTE, J. P., MATOS, J. M.; ABRANTES, P. Investigação em educação matemática: Implicações curriculares. Lisboa: IIE, 1998.

PONTE, J. P.; OLIVEIRA, H.; BRUNHEIRA, L.; VARANDAS, J. M.; FERREIRA, C. O trabalho do professor numa aula de investigação matemática. Quadrante, 7(2), 41-70, 1998.

PONTE, J., OLIVEIRA, H., CUNHA, H.; SEGURADO, I. Histórias de investigações matemáticas. Lisboa: IIE, 1998.

ROCHA, C. A. Uma experiência com actividades de investigação na aula de matemática: Competências matemáticas, atitudes e concepções de dois alunos do 7.º ano de escolaridade (Dissertação de Mestrado, Universidade do Porto). (disponível em http://ia.fc.ul.pt), 2003.

SEGURADO, I. A investigação como parte da experiência matemática dos alunos do 2.º ciclo (Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa). Lisboa: APM. (disponível em http://ia.fc.ul.pt), 1998.

SEGURADO, I. O que acontece quando os alunos realizam investigações matemáticas? In GTI (Ed.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional (pp. 57-73). Lisboa: APM, 2002.

SEGURADO, I., & Ponte, J. P. Concepções sobre a matemática e trabalho investigativo. Quadrante, 7(2), 5-40, 1998.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.