Aprender matemática investigando

  • Alexandra Rocha Escola Secundária São Pedro da Cova
  • João Pedro da Ponte Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Investigações matemáticas. Aprendizagem. Atitudes. Concepções dos alunos.

Resumo

Este estudo tem por objectivo verificar o alcance da realização de um conjunto de investigações matemáticas em alunos do 7.º ano de escolaridade. Em especial, pretende-se saber se os alunos evidenciam novos conhecimentos e capacidades matemáticas e novas concepções e atitudes em relação à matemática e à sua aprendizagem nesta disciplina. Trata-se de um estudo sobre a prática profissional, de natureza qualitativo-interpretativa, baseado em dois estudos de caso de alunos de diferentes níveis de desempenho. Os dados foram recolhidos por observação participante, entrevistas, questionários e documentos produzidos pelos alunos. Os resultados evidenciam que a realização de investigações matemáticas constitui uma situação nova para os alunos, que mostram compreender de forma progressiva o seu papel neste tipo de tarefa. Apesar de ambos os alunos fazerem em certos momentos raciocínios que constituem provas matemáticas, nenhum deles chega a desenvolver uma compreensão clara da necessidade da demonstração. Na realização das tarefas propostas, ambos tiram partido dos seus conhecimentos matemáticos prévios e mostram aprender diversos conceitos. Além disso, ambos mostram adesão a este tipo de tarefa, que sentem favorecer a sua aprendizagem. Sem abandonar muitos dos traços da sua visão da matemática, passam a considerá-la de modo mais dinâmico e a ver-se a si próprios num papel mais activo na exploração de situações matemáticas. O estudo mostra a necessidade de experiências mais continuadas e aprofundadas, recorrendo a uma maior diversidade de tarefas, para promover aprendizagens e mudanças mais profundas nas concepções dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandra Rocha, Escola Secundária São Pedro da Cova
Professora na Escola Secundária com 3.º Ciclo de São Pedro da Cova, Gondomar.
João Pedro da Ponte, Universidade de Lisboa
Professor no Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Referências

APM Renovação do currículo de matemática. Lisboa: APM, 1988.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1999.

BROCARDO, J. Investigações na aula de matemática: A história da Rita. In LOPES, I. C., SILVA J; FIGUEIREDO, P (Eds.), Actas ProfMat 2001 (pp. 155- 161). Lisboa: APM, 2001.

BROCARDO, J. As investigações na sala de aula de matemática: Um projecto curricular no 8.º ano (Tese de doutoramento, Universidade de Lisboa). Lisboa: APM. (disponível em http://ia.fc.ul.pt), 2002.

COHEN, L., MANION, L.; MORRISON, K. Research methods in education. London: Routledge, 2000.

FRANK, M. L. Problem solving and mathematical belief. Arithmetic Teacher, 35, 32-34, 1988.

GAROFALO, J. Beliefs and their influence on mathematical performance. Mathematics Teacher, 82(7), 502-505, 1989.

JUNQUEIRA, M. Exploração de construções geométricas em ambientes computacionais dinâmicos. Quadrante, 5(1), 61-108, 1996.

NCTM. Normas para o currículo e a avaliação em matemática escolar. Lisboa: IIE e APM, 1991.

NCTM. Normas profissionais para o ensino da matemática. Lisboa: IIE e APM, 1994.

PONTE, J. P. Concepções dos professores de matemática e processos de formação, educação matemática: Temas de Investigação (pp. 185-239). Lisboa: IIE, 1992.

PONTE, J. P. Investigar a nossa própria prática. In GTI (Ed.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional (pp. 5-28). Lisboa: APM, 2002.

PONTE, J. P. Investigação sobre investigações matemáticas em Portugal. Investigar em educação, 2, 93-169, 2003.

PONTE, J. P., BROCARDO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PONTE, J. P.; MATOS, J. F. Processos cognitivos e interacções sociais nas investigações matemáticas. In: ABRANTES, P L. C. LEAL; PONTE, J.P. (Eds.), Investigar para aprender matemática (pp. 119-138). Lisboa: Projecto MPT e APM, 1996.

PONTE, J. P.; MATOS, J. F. Cognitive processes and social interaction in mathematical investigations. In: J. P. Ponte, J. F. Matos, J. M. Matos, & D. Fernandes (Eds.); Mathematical problem solving and new information technologies: Research in contexts of practice. Berlin: Springer, 1992, p. 239- 254.

PONTE, J. P., MATOS, J. M.; ABRANTES, P. Investigação em educação matemática: Implicações curriculares. Lisboa: IIE, 1998.

PONTE, J. P.; OLIVEIRA, H.; BRUNHEIRA, L.; VARANDAS, J. M.; FERREIRA, C. O trabalho do professor numa aula de investigação matemática. Quadrante, 7(2), 41-70, 1998.

PONTE, J., OLIVEIRA, H., CUNHA, H.; SEGURADO, I. Histórias de investigações matemáticas. Lisboa: IIE, 1998.

ROCHA, C. A. Uma experiência com actividades de investigação na aula de matemática: Competências matemáticas, atitudes e concepções de dois alunos do 7.º ano de escolaridade (Dissertação de Mestrado, Universidade do Porto). (disponível em http://ia.fc.ul.pt), 2003.

SEGURADO, I. A investigação como parte da experiência matemática dos alunos do 2.º ciclo (Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa). Lisboa: APM. (disponível em http://ia.fc.ul.pt), 1998.

SEGURADO, I. O que acontece quando os alunos realizam investigações matemáticas? In GTI (Ed.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional (pp. 57-73). Lisboa: APM, 2002.

SEGURADO, I., & Ponte, J. P. Concepções sobre a matemática e trabalho investigativo. Quadrante, 7(2), 5-40, 1998.

Publicado
2009-01-31
Como Citar
Rocha, A., & Ponte, J. P. da. (2009). Aprender matemática investigando. Zetetike, 14(2), 29-54. https://doi.org/10.20396/zet.v14i26.8647004
Seção
Artigo