Banner Portal
Uma perspectiva histórico-cultural para o ensino de álgebra
PDF

Palavras-chave

Clube de matemática
Ensino e aprendizagem de álgebra
Espaços de aprendizagem
Perspectiva histórico-cultural
Atividades de ensino

Como Citar

CEDRO, Wellington Lima; MOURA, Manoel Oriosvaldo de. Uma perspectiva histórico-cultural para o ensino de álgebra: o clube de matemática como espaço de aprendizagem. Zetetike, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 37–56, 2007. DOI: 10.20396/zet.v15i27.8647015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647015. Acesso em: 12 jun. 2024.

Resumo

É irrefutável o papel essencial do ensino da álgebra para o desenvolvimento das crianças. Com base nesta constatação, este trabalho discute a aprendizagem algébrica em um espaço de aprendizagem: o Clube de Matemática. Tendo como pressupostos a abordagem histórico-cultural e a Teoria da Atividade, os espaços de aprendizagem são entendidos, aqui, como lugar da realização da aprendizagem dos sujeitos orientados pela ação intencional de quem ensina. Os resultados deste trabalho indicam, por meio de um experimento didático desenvolvido com crianças do ensino fundamental da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, que espaços como o Clube de Matemática constituem-se em lugares capazes de propiciar uma atividade de aprendizagem significativa dos conhecimentos matemáticos.
https://doi.org/10.20396/zet.v15i27.8647015
PDF

Referências

ARAÚJO, E. Da formação e do formar-se: a atividade de aprendizagem docente em uma escola pública. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

AZARQUIEL, G. Ideas y actividades para ensenar álgebra. Madrid: Editorial Síntesis, 1993.

BARAB, S. et al. Using activity theory to understand the contradictions characterizing a technology-rich astronomy course. Mind, cultural and activity, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 9, 2002.

BOOTH, L. Dificuldades das crianças que se iniciam na álgebra. In: COXFORD, A. & SHULTE, A. (orgs.). As idéias da álgebra. Trad. Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1995.

CARAÇA, B. Conceitos fundamentais da matemática. Revisto por Paulo Almeida. Lisboa: Gradiva, 2002.

CEDRO, W. O espaço de aprendizagem e a atividade de ensino: O Clube de Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

COLE, M. Vygotsky and Context: Where did the connection come from and What difference does it make? Paper prepared for the biennial conferences of the International Society for Theoretical Psychology, Istanbul, Turkey, June 22-27, 2003.Disponível em: http://communication.ucsd.edu/lchc/People/MCole/lsvcontext.htm. Acesso em: 03/02/04.

COLE, M & ENGESTROM, Y. A cultural-historical approach to distributed cognition. In: SALOMON, G (ed.). Distributed cognition: psychological and educational considerations. New York: Cambridge University Press, 1993.

CORTELLA, M. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. São Paulo: Editora Cortez: Instituto Paulo Freire, 2000. (Coleção perspectiva: 5).

DAVYDOV, V. V. Tipos de generalizacion en la enseñanza. Havana: Pueblo y Educacion, 1982.

DAVYDOV, V. V. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico: investigación psicológica teórica y experimental. Trad. Marta Shuare. Moscou: Editorial Progresso, 1988.

DAVYDOV, V. V. Problems of developmental teaching: The experience of theoretical and experimental psychological research. Parts 1-3. Soviet Education, 30 (8-10), 1988b.

ELKONIN, D. Psicologia do jogo. Trad. Alvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ENGESTROM, Y. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Helsinki: Orienta-Konsultit, 1987.

ENGESTROM, Y. What are CHAT and DWR? Helsinki. (Center for Activity Theory and Developmental Work Research), 1999. Disponível em: http://www.edu.helsinki.fi/activity. Acesso em: 04 de abril de 2002.

ENGESTROM, Y. Non scholae sed vitae discimus: Como superar a encapsulação da aprendizagem escolar. In: DANIELS, H. (org). Uma introdução a Vygotsky. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

FALCÃO, J. A álgebra como ferramenta de representação e resolução de problemas. In: SCHILIEMANN, A. et al. Estudos em psicologia da educação matemática. Recife: Editora Universitária UFPE, 1993.

FIORENTINI, D.; MIORIM, M. A. & MIGUEL, A. Contribuição para um repensar... a educação algébrica elementar. Pro-Posições, São Paulo, v. 4, n. 1 [10]. pp. 78-91, 1993.

GALLARDO, A. & ROJANO, T. Áreas de dificultades en la adquisición del lenguaje aritmético-algebraico. Recherches en didatique des mathématiques. Vol. 9, n. 2. pp. 155-188, 1988.

HEDEGAARD, M. A zona de desenvolvimento proximal como base para o ensino. In: DANIELS, H.(org). Uma introdução a Vygotsky. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

HOGBEN, L. Maravilhas da matemática: influência e função da matemática nos conhecimentos humanos. Trad. Paulo M. da Silva, Roberto Bins, Henrique C. Pfeifer, 1970. Porto Alegre: Globo,1970.

KOPNIN, P. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

LANNER DE MOURA, A & SOUSA, M. Construindo o conceito de álgebra présimbólica com professores do Ensino Fundamental. Profmat 2000 - Actas, Portugal: Universidade da Madeira - Madeira Tecnopolo, vol. 1, p. 198 - 204, 2000.

LANNER DE MOURA, A & SOUSA, M. O desenvolvimento da álgebra pré-simbólica: o conceito de variável. Anais do VI EPEM, 2001.

LANNER DE MOURA, A & SOUSA, M. O lógico-histórico: uma perspectiva didática da álgebra na formação de professores. Anais do XI Endipe - Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, Goiânia, 26 a 29 de maio, 2002.

LANNER DE MOURA, A. et al. O conceito de variação como um dos fundamentos da álgebra elementar. Coletânea de trabalhos do PRAPEM - VII ENEM. CEMPEM/PRAPEM, Faculdade de Educação, UNICAMP/SP, p. 98-106, 2001.

LAVE, J. & WENGER, E. Situated Learning: Legitimate Peripheral Participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

LEONTIEV, A. Actividad, Conciencia e personalidad. Havana: Editorial Pueblo y Educacion, 1983.

LINS, R. & GIMENEZ, J. Perspectivas em aritmética e álgebra para o séc. XXI. Campinas: Papirus, 1997. (Coleção Perspectivas em Educação Matemática).

LOPES, A. A aprendizagem docente no estágio compartilhado. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

MOURA, M. A atividade de ensino como unidade formadora. Bolema, São Paulo, ano II, n.12, pp. 29-43, 1996.

MOURA, M. (coord). Controle da variação de quantidades. Atividades de ensino. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1996b.

MOURA, M. O educador matemático na coletividade de formação: uma experiência com a escola pública. Tese (Livre Docência em Metodologia do Ensino de Matemática) – Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

MOURA, M. A atividade de ensino como ação formadora. In: CASTRO, A. & CARVALHO, A (Orgs.). Ensinar a ensinar: didática para a escola. São Paulo: Editora Pioneira, 2001.

OTTE. M. O formal, o social e o subjetivo: uma introdução à filosofia e à didática da matemática. Trad. Raul F. Neto. São Paulo: Editora da UNESP, 1993.

RIVINA, I. A organização de atividades coletivas e o desenvolvimento cognitivo em crianças pequenas. In: GARNIER, C. et al (Org.). Após Vygostsky e Piaget: perspectiva social e construtivista. Escola russa e ocidental. Trad. Eunice Gruman. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

ROBAYNA, M. et al. Iniciacion al álgebra. Madrid: Editorial Sintesis, 1ª. Reimpresión, 1996.

RUBTSOV, V. A atividade de aprendizagem e os problemas referentes à formação do pensamento teórico dos escolares. In: GARNIER, C. et al (Org.). Após Vygostsky e Piaget: perspectiva social e construtivista. Escola russa e ocidental. Trad. Eunice Gruman. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

SOUSA, M. O ensino de álgebra numa perspectiva lógico-histórica: um estudo das elaborações correlatas de professores do ensino fundamental. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas, 2004.

VAN OERS, B. Teaching opportunities in play. In: HEDEGAARD, M & LOMPSCHER, J. (orgs.). Learning activity and development. Aarhus: Aarhus University Press, 1999.

VYGOTSKY, L. The collected works of L. S. Vygotsky, vol.1, Problems of general psychology incluindo Thinking and speech.

RIEBER, R. & CARTON, A. (org). trad. N. Nimick. New York: Plenim Press, 1987.

RIEBER, R. & CARTON, A. (org). Pensamento e Linguagem. Tradução: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

RIEBER, R. & CARTON, A. (org). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Michael Cole et al (orgs.); trad. Jose Cippola Neto, Luis Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche – 6. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998 (Psicologia e pedagogia).

VYGOTSKY, L., LURIA, A. & LEONTIEV, A. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Maria da Penha Villalobos. São Paulo: Ícone, 2001.

YAMAGATA-LYNCH, L. Using activity theory as an analytic lens for examining technology professional development in schools. Mind, cultural and activity, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 10(2), 2003.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.